Desde 61 716 euros

Testámos o Land Rover Discovery Sport de… tração dianteira. “Concentrado” de Land Rover

Com tração dianteira e 150 cv, o Land Rover Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD é uma das formas mais acessíveis de aderir ao "universo" Land Rover. Mas será que vale a pena?

Apenas tração dianteira num Land Rover? De facto. O Land Rover Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD nome longo — ao ter apenas o eixo dianteiro motriz contribui não só para a redução das emissões da marca britânica, como se estabelece como uma das formas mais acessíveis de aceder ao “universo Land Rover”.

Não foi o primeiro — lembras-te do Freelander eD4? E por falar no Freelander, desde que este saiu do mercado, foi o Discovery Sport que passou a ocupar o lugar de modelo de entrada de gama da marca britânica.

Mas quanto “ADN Land Rover” conserva um modelo que abdicou da tração integral e até adota um visual mais focado na desportividade? Altura de colocar o Land Rover Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD à prova.

VÊ TAMBÉM: Novo Land Rover Defender 110 (2020). Primeiro teste em Portugal
Land Rover Discovery Sport © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Visualmente não engana

No capítulo visual o Land Rover Discovery Sport não esconde as origens. Parece mesmo uma versão miniaturizada do maior Discovery — até tem alguns pormenores mais bem conseguidos como o portão traseiro —, pelo que o Discovery Sport “vende” a ideia de que é capaz de nos levar por “maus caminhos”.

Para isto muito contribui a boa altura ao solo (nem parece que só tem tração dianteira) e os pneus que nesta versão não parecem uma simples “tira de borracha” que envolve umas jantes sobredimensionadas.

Posto isto, o mais provável é que a maioria das pessoas que se cruzem com este Discovery Sport continuem a associar a ele (e ao seu proprietário) a ideia de evasão que todo o ADN da marca carrega sem que se apercebam que esta variante dificilmente fará mais do que subir passeios.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Peugeot 508 SW Hybrid. Híbrido plug-in é uma boa opção? (vídeo)

Familiar por natureza

Tal como o exterior, o interior do Discovery Sport não esconde as origens do modelo britânico, adotando um visual familiar que segue a mesma “linha de estilo” adotada pela marca de Solihull noutros modelos.

No seu interior somos recebidos com materiais de qualidade, mas com uma montagem que fica aquém das referências do segmento, com margem para progredir.

Land Rover Discovery Sport © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: EQC 400 4MATIC testado. O primeiro 100% elétrico da Mercedes-Benz

Com traços retilíneos e uma distribuição espacial dos comandos bem conseguida, o Discovery Sport consegue misturar de forma interessante modernidade e funcionalidade muito graças à substituição de alguns comandos físicos por botões táteis.

Ainda assim, nem tudo são rosas e por vezes, nesta versão em específico com caixa manual, acabamos por acionar inadvertidamente o modo “Eco” quando engrenamos a terceira ou a quinta. Também pode levar algum tempo a habituar às funções distintas que os dois comandos rotativos assumem consoante pressionamos o pequeno botão da direita ou da esquerda.

Quanto ao espaço, o Land Rover Discovery Sport faz jus às suas aptidões familiares, contando não só com sete lugares como com cotas de habitabilidade capazes de fazer inveja a alguns dos últimos MPV.

Graças aos bancos traseiros deslizantes é possível optar por oferecer mais espaço aos passageiros da terceira fila ou da segunda fila ou ainda favorecer a capacidade da bagageira que pode ir até aos 840 litros quando com cinco lugares. Ainda assim, seja qual for a posição dos bancos traseiros, a verdade é que temos sempre espaço de sobra e viajamos mais desafogados do que, por exemplo, no Skoda Kodiaq ou SEAT Tarraco.

Land Rover Discovery Sport
Os bancos da terceira fila são facilmente rebatidos, tomara alguns monovolumes terem um sistema tão simples. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Nissan X-Trail 1.3 DIG-T testado. Vale a pena optar pelo Qashqai?

Sport? Nem por isso

A designação oficial até pode recorrer ao termo Sport, e para mais vem com o look mais desportivo cortesia da linha de equipamento R-Dynamic, mas a verdade é que ao volante do mais acessível dos Land Rover aquilo que mais se destaca é o elevado nível de conforto a bordo.

Land Rover Discovery Sport
Bastante confortáveis e com bom apoio lateral, os bancos do Discovery Sport só pecam por serem um pouco quentes no tórrido verão português. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Dinamicamente o comportamento pauta-se pela previsibilidade e segurança. E apesar de a suspensão conter bem os movimentos da carroçaria e de a direção apresentar um bom peso, quando exploramos a vertente mais dinâmica do Discovery Sport relembramo-nos de que este pesa quase duas toneladas e conta com pneus de perfil alto mais amigos do conforto do que das curvas.

Land Rover Discovery Sport
Uma mais valia ao nível do conforto, os pneus de perfil mais alto não fazem muito pela vertente “Sport”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Esta postura mais focada no conforto acaba por ir ao encontro do ADN da marca britânica e “casa” muito bem com as aptidões familiares e estradistas do Land Rover Discovery Sport.

Já quando acaba o asfalto, o Discovery Sport não nega que é um Land Rover. Confortável mesmo no mais esburacado dos estradões, acaba por nos fazer lamentar não contarmos com a tração integral e com o sistema Terrain Response 2 para podermos explorar todas as suas capacidades.

Land Rover Discovery Sport © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o Citroën C5 Aircross. SUV com perfil de MPV

Calmamente se vai longe

Tal como o comportamento dinâmico, também este 2.0 l Diesel com 150 cv não parece muito interessado em fazer jus à designação “Sport”, denunciando a sua preferência por ritmos mais calmos e longas tiradas em autoestrada, local no qual, graças aos sete lugares e à tração dianteira, este Discovery Sport é Classe 1!

Progressivo para lá das 1750 rpm (altura em que começamos a dispor dos seus 380 Nm de binário), até lá este tetracilíndrico obriga a recorrer amíude à caixa manual de seis velocidades que conta com um escalonamento a pensar nos consumos e que se revelou agradável de usar sem ser referencial (a do Mazda CX-5 neste aspeto é mais agradável).

Por falar em consumos, quando levamos o Land Rover Discovery Sport para o seu “habitat natural” (a estrada aberta e as autoestradas) estes andam pelos 5,5-6 l/100 km (com muita calma e vagar consegui 4,2 l/100 km, mas isso é em modo “Greta Thunberg”). Já em cidade é normal vê-los na casa dos 7-8 l/100 km.

VÊ TAMBÉM: Testámos o novo Range Rover Evoque. Qual é a razão do sucesso? (vídeo)

É o carro certo para mim?

Se alguém há 15 anos dissesse que ia existir um Land Rover com o nome Discovery apenas com tração dianteira essa pessoa seria rapidamente apelidada de louca.

No entanto, os tempos mudam, as exigências do mercado também e o Land Rover Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD consegue transportar de forma convincente o ADN da marca sem precisar das aptidões todo o terreno que a tornaram lendária.

Land Rover Discovery Sport © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No fundo, é como os sumos concentrados. Não, não sabem exatamente ao mesmo que o sumo natural, mas permitem um bom compromisso entre preço e sabor e é exatamente isso que temos com este Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD.

Estás à procura de um SUV com sete lugares, confortável, económico q.b e com um visual distinto, o Land Rover Discovery Sport R-Dynamic SD150 FWD pode muito bem ser a escolha certa — só tens de resfriar os instintos de Indiana Jones ou aspirante a vencedor do famoso Camel Trophy.

Preço

unidade ensaiada

72.607

Versão base: €61.716

IUC: €259

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1999 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta Common Rail + Turbo de geometria variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas/cilindro
    • Potência: 150 cv às 4000 rpm
    • Binário: 380 Nm entre as 1750 e as 2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4597 mm / 1894 mm / 1727 mm
    • Distância entre os eixos: 2741 mm
    • Bagageira: 840 l (115 l com sete lugares)
    • Jantes / Pneus: 235/60 R18
    • Peso: 1926 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,3 l/100 km
    • Emissões de CO2: 169 g/km
    • Vel. máxima: 193 km/h
    • Aceleração: 11,4s
  • Equipamento
    • Ecrã Touch Pro de 10''
    • Manómetros Analógicos com Ecrã Central TFT
    • Controlo remoto
    • Conectividade Bluetooth
    • Ficha de alimentação de 12 V
    • Faróis automáticos
    • Faróis com nivelamento manual
    • Limpa-para-brisas com sensor de chuva
    • Espelhos aquecidos com ajuste elétrico
    • Espelhos aquecidos com antiencandeamento automático, recolha elétrica e iluminação de aproximação
    • Logótipo S
    • Indicadores de direção animados traseiros
    • Iluminação do piso
    • Palas para o sol com espelhos de cortesia iluminados
    • Compartimento na consola superior para óculos de sol
    • Iluminação interior ambiente
    • Consola central com apoio de braço
    • Ar condicionado automático de duas zonas com grelhas de ventilação na segunda fila
    • Ficha de 12 V na dianteira e na traseira com USB na dianteira
    • Proteções das embaladeiras metálicas com marca R-Dynamic
    • Sistema de Monitorização da Pressão dos pneus (TPMS)
    • Smartphone Pack
    • Online Pack
    • Connected Navigation Pro
    • Câmara traseira
    • Reconhecimento de sinais de trânsito e limitador de velocidade adaptativo
    • Travagem de emergência
    • Assistência à manutenção da faixa
    • Monitor da Condição do condutor
    • Limitador de velocidade
    • Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros
    • Hill Launch Assist
    • Controlo de Descida de Declives (HDC)
    • Travão de estacionamento elétrico
    • Travagem assistida de emergência
    • Espelho retrovisor interior com antiencandeamento automático
Extras
Eiger Grey — 958,56 €; Jantes de 18'' com 5 raios e acabamento Gloss Black — 431,36 €; Tejadilho contrastante Black — 646,55 €; Tejadilho panorâmico fixo — 1520,02 €; Black Exterior Pack — 723,82 €; Vidros Privacy — 431,36 €; Bancos Light Oyster/Ebony em Luxtec e Suedecloth com costura Light Oyster, bancos dianteiros aquecidos com 14 ajustes elétricos, função de memória e encostos de cabeça com 2 ajustes manuais — 1452,52 €; Bancos da terceira fila com ajuste manual — 1343,95 €; Bancos da segunda fila com ajuste manual longitudinal e do ângulo das costas; Forro do tejadilho Ebony; Acabamento Titanium Mesh; Ecrã Interativo do condutor — 723,82 €; Conjunto de tapetes — 108,57 €; Iluminação interior ambiente configurável — 268,99 €; Ionização do ar do habitáculo — 140,85 €; Proteções das embaladeiras dianteiras iluminadas metálicas com marca R-Dynamic — 155,52 €; Assistente de ângulo morto 517,44 €.
Avaliação
7 / 10
Dificilmente a maioria dos clientes vai dar pela falta da tração integral. O que já podem reparar é nas prestações algo modestas que são compensadas pelos consumos contidos para um modelo com as dimensões e massa do Land Rover Discovery Sport. Versátil, espaçoso e (muito) confortável, esta versão do Discovery Sport vem provar que há mais no ADN da Land Rover para lá das aptidões offroad.
  • Espaço
  • Conforto
  • Versatilidade
  • Consumos
  • Alguns detalhes de montagem
  • Prestações
  • Tato da caixa de velocidades
Sabes responder a esta?
Em que ano foi lançada a primeira geração do Land Rover Freelander?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Land Rover ataca segmentos mais baixos com sucessor do Freelander

Mais artigos em Testes, Ensaio