Portagens

Portagens: como saberes a que classe o teu carro pertence

As classes das portagens continuam a causar confusão. Neste artigo, ajudamos-te a perceber se o teu carro pertence à Classe 1 ou à Classe 2.

“O meu carro é Classe 1 ou Classe 2?” Numa era em que os SUV “tomam conta” do mercado, as classes das portagens levam a que esta pergunta se repita cada vez mais vezes.

Motivo de discórdia e acesos debates, as classes das portagens em Portugal são muitas vezes difíceis de decifrar e até de justificar.

Ora, para que deixes de estar na dúvida acerca da classe a que o teu carro ou o carro que planeias comprar pertencem, neste artigo explicamos-te como funciona o muito criticado sistema.

VÊ TAMBÉM: AdBlue acabou. E agora? Vou ter problemas no motor?
Portagens

Classe 1

Começamos pela classe mais comum no nosso parque automóvel, a Classe 1.

Nela inserem-se, além dos motociclos, todos os veículos com uma altura, medida à vertical do primeiro eixo, inferior a 1,10m com ou sem reboque.

No entanto, para complicar as coisas, há exceções. Segundo o Decreto-Lei n.º 71/2018, de 5 de setembro, há mais alguns veículos que podem pagar Classe 1 nas portagens.

Para tal têm de utilizar o sistema Via Verde, solicitar a habilitação à “Tarifa Especial Classe 1” (podes fazê-lo aqui) e cumprir os requisitos que te enunciamos a seguir.

No caso dos ligeiros de passageiros e mistos com dois eixos estes são os requisitos:

  • Peso bruto superior a 2300kg e igual ou inferior a 3500kg;
  • Lotação igual ou superior a cinco lugares;
  • Altura medida à vertical do primeiro eixo igual ou superior a 1,1m e inferior a 1,30m;
  • Sem tração integral permanente ou inserível;
  • No caso de modelos cuja matrícula seja posterior à publicação do decreto lei este têm ainda que cumprir a norma EURO 6.

Já para os ligeiros de passageiros, mistos ou de mercadorias com dois eixos aplicam-se os seguintes requisitos:

  • Peso bruto igual ou inferior a 2300kg;
  • Altura, medida à vertical do eixo do veículo, igual ou superior a 1,10m e inferior a 1,30m;
  • Ausência de tração integral permanente ou inserível;
  • Cumprimento da norma EURO 6.

Caso pretendas confirmar se o teu carro se insere em algum destes grupos, o IMT conta com duas listas onde constam os modelos abrangidos por este regime de exceção.

A primeira podes consultá-la neste link e a segunda aqui.

VÊ TAMBÉM: 95. Este é o número mais temido da indústria automóvel. Sabes porquê?

Classe 2

É classe das portagens à qual a maioria dos condutores de veículos ligeiros tenta escapar, e as normas para a sua atribuição são relativamente simples.

Integram-se na Classe 2 todos os veículos com dois eixos e uma altura, medida à vertical do primeiro eixo, igual ou superior a 1,10m.

VÊ TAMBÉM: Sistema Start/Stop. Qual o impacto a longo prazo no motor do teu carro?
novas taxas de portagem
Como é óbvio, também nas famosas SCUT as Classes das portagens estão presentes.

Classes 3 e 4

A Classe 3 aplica-se a veículos com três eixos e uma altura, medida à vertical do primeiro eixo, igual ou superior a 1,10m.

Já a Classe 4 está destinada a veículos com mais de três eixos e uma altura, medida à vertical do primeiro eixo, igual ou superior a 1,10m.

Classe 5?!

Pois é, desconhecida por muitos, a Classe 5 destina-se a motociclos que contem com o sistema Via Verde.

Ao contarem com este sistema, os motociclos passam a contar com um desconto de 30% no valor das portagens (exceto na Ponte Vasco da Gama).

Esperamos que com este artigo tenhamos conseguido ajudar a dissipar as questões que ainda rodeiam o sistema de classes de portagens vigente em Portugal.

 

Se ainda assim continuas com dúvidas, no site da Via Verde encontras um simulador que te permite descobrir qual a classe do teu veículo. Podes encontrá-lo neste link.


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Sabes responder a esta?
Qual foi o primeiro modelo a recorrer a um motor Diesel de injeção direta?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Fiat. A marca que «inventou» os motores Diesel modernos

Mais artigos em Autopédia