Apresentação

O novo e “americano” Nissan Rogue é também o novo e “europeu” X-Trail

Destinado ao mercado norte-americano, o Nissan Rogue ganha uma nova geração, antecipando o europeu e futuro Nissan X-Trail.

Desde 2013 que o Nissan Rogue e o Nissan X-Trail têm sido “faces da mesma moeda”, com o primeiro a ser comercializado nos EUA, enquanto o segundo tem sido vendido na Europa.

Agora, passados sete anos, o Nissan Rogue conheceu uma nova geração, adotando não só um novo visual como recebendo um importante reforço tecnológico.

Desenvolvido com base numa nova plataforma, uma versão atualizada da plataforma CMF-C/D, o Rogue é, ao contrário do que é habitual, 38 mm mais curto que o antecessor e 5 mm mais baixo que o antecessor.

VÊ TAMBÉM: Nissan X-Trail 1.3 DIG-T testado. Vale a pena optar pelo Qashqai?
Nissan Rogue

Visualmente, e tal como tínhamos visto na fuga de imagens, o Rogue não esconde inspiração no novo Juke, apresentando-se com óticas bi-partidas e adota a típica grelha em “V” da Nissan. As potenciais diferenças para o europeu X-Trail deverão ser de pormenor, como alguns apontamentos decorativos (por exemplo, cromados) ou até para-choques reestilizados.

Um novo interior

No interior, o Nissan Rogue inaugura uma nova linguagem de design, apresentando um visual mais minimalista (e mais moderno) que o do seu antecessor.

Com Apple CarPlay, Android Auto e com um sistema de carregamento de smartphone por indução, o Nissan Rogue apresenta-se, de série, com um ecrã do sistema de infotainment com 8” (podem ser 9” em opção).

Já o painel de instrumentos de série mede 7” podendo, em opção, ser completamente digital, recorrendo para isso a um ecrã com 12,3”. Nas versões de topo há ainda um head-up display com 10,8”.

VÊ TAMBÉM: Como a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi irá cooperar no futuro

Tecnologia não lhe falta

Com a adoção de uma nova plataforma, o Nissan Rogue passou a contar com uma série de novos sistemas de controlo do chassis.

Assim sendo, o SUV nipónico apresenta-se com o sistema “Vehicle Motion Control” que permite monitorizar a travagem, direção e aceleração intervindo quando necessário.

Ainda no campo da dinâmica, as variantes de tração dianteira surgem equipadas com três modos de condução (Eco, Standard e Sport) e está ainda disponível, como opção, um sistema de tração integral.

Quanto às tecnologias de segurança e ajuda à condução, o Nissan Rogue apresenta-se com sistemas como a travagem automática de emergência com deteção de peões, alerta de colisão traseira, avisador de saída da faixa de rodagem, assistente de máximos entre outros.

VÊ TAMBÉM: Nissan e-Power. Os híbridos que são… elétricos a gasolina

Apenas um motor

Nos EUA, o novo Nissan Rogue surge apenas, para já, associado a uma motorização: um quatro cilindros a gasolina com 2.5 l de capacidade com 181 cv e 245 Nm associado a uma transmissão CVT, que tanto pode enviar a potência para as rodas dianteiras como para as quatro rodas.

Nissan Rogue

Caso o Rogue chegue à Europa como X-Trail, o mais provável é que esta motorização dê lugar ao 1.3 DIG-T que já é atualmente utilizado, com fortes rumores de que poderá não ter qualquer Diesel na gama,como já foi anunciado para o novo Qashqai. E tal como este, no seu lugar deverão surgir motorizações híbridas, desde os e-Power a um híbrido plug-in com tecnologia Mitsubishi.

Outra diferença entre o Rogue e o X-Trail estará na lotação máxima. Nos EUA esta é de cinco lugares, enquanto na Europa, tal como acontece hoje em dia, continuará a haver a opção de uma terceira fila de bancos.

VÊ TAMBÉM: Nissan Leaf e+ 62 kWh (217 cv). Testámos o Leaf mais POTENTE de sempre

Virá para a Europa?

Por falar acerca da possibilidade de o Nissan Rogue atravessar o Atlântico e chegar cá como Nissan X-Trail, após a apresentação do plano de recuperação da marca japonesa há umas semanas, ainda fica por confirmar em definitivo a sua chegada, mas tudo aponta que sim. É que se bem te lembras do plano Nissan Next, este dá primazia ao Juke e ao Qashqai na Europa.

A estreia nos EUA está marcada para o outono, com a (muito) possível chegada à Europa a acontecer mais perto do final do ano.

VÊ TAMBÉM: Fez mais de 1,5 milhões de quilómetros com a sua pick-up Nissan. Marca deu-lhe uma nova

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do Nissan Sunny GTi-R?

Mais artigos em Notícias