Desde 40 950 euros

Testámos o renovado Hyundai Ioniq EV que promete mais autonomia, mas há mais novidades

A renovação do Hyundai Ioniq EV não se ficou apenas por mais autonomia. Para descobrir o que mudou, colocámos o elétrico sul-coreano à prova.

Lançado em 2016, o Hyundai Ioniq EV “luta” hoje num segmento do mercado, o dos automóveis elétricos, onde a cada dia que passa parecem surgir novas propostas.

Ora, para fazer face a uma concorrência cada vez maior, o Ioniq EV (tal como os seus “irmãos” com motor de combustão) submeteu-se ao típico restyling de meia-idade. Recebeu não só um visual revisto, como mais potência e autonomia. É o suficiente para se manter competitivo?

Esteticamente, a renovação foi… tímida. As novidades resumem-se a uma nova grelha, luzes diurnas LED, farolins traseiros redesenhados e às novas jantes de 16”.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai i30 N Line. O que vale a “vitamina N”?
Hyundai Ioniq EV © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Pessoalmente, aprecio o estilo do Ioniq EV. Apesar de manter o contorno típico de uma kamm tail,  popularizado por várias gerações do Toyota Prius, que possui inegáveis valias ao nível aerodinâmico, o modelo da Hyundai opta por um estilo mais sóbrio. Ainda assim reconheço que não é dos modelos com o estilo mais consensual do mercado.

No interior do Hyundai Ioniq EV

Se no exterior a renovação foi discreta, o mesmo não aconteceu no interior. Por lá encontramos um tablier completamente novo e que é, na minha opinião, um dos mais bem conseguidos esteticamente de toda a gama Hyundai, com o ecrã do infotainment e a consola central a “fundirem-se” numa só peça.

VÊ TAMBÉM: Já testámos o novo Hyundai i10 em Portugal. Um segmento B em miniatura?
Hyundai Ioniq EV © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Apesar de a grande maioria dos botões físicos terem desaparecido, a ergonomia apresenta-se em bom plano. Tudo porque a Hyundai não caiu na tentação de concentrar todas as funções no sistema de infotainment, optando antes por substituir os tradicionais botões por teclas táteis muito fáceis de usar.

VÊ TAMBÉM: Testámos o renovado Hyundai Tucson 1.6 CRDi. Quais os seus novos argumentos?
Hyundai Ioniq EV
O sistema de infotainment é bastante completo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O interior do Hyundai Ioniq EV revela-se, no geral, bem montado, apesar de ter detetado um ou outro ruído parasita a bordo. Já no que aos materiais diz respeito, encontramos uma mistura bem conseguida de materiais mais macios ao toque — posicionados convenientemente nas áreas que mais contacto deverão ter com as mãos —  e outros mais rijos e não tão agradáveis, mas sempre de qualidade.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai Kauai Hybrid. É esta a escolha ideal?
Hyundai Ioniq EV
Espaços de arrumação e equipamento de conforto. Eis duas coisas que não faltam a bordo do Ioniq EV. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por fim, em termos de espaço, o Ioniq EV mostra-se mais que capaz de transportar com conforto quatro adultos. Já a bagageira com 357 litros é apenas razoável em capacidade, considerando as dimensões do Ioniq e o seu posicionamento no mercado — o mais compacto SEAT Ibiza anda próximo deste valor. No entanto, revela-se mais que suficiente para as necessidades de uma jovem (ou menos jovem) família.

Ao volante do Hyundai Ioniq EV

Em andamento, o Hyundai Ioniq EV apresenta uma boa suavidade de rolamento e é confortável, característica que o define também ao nível do comportamento dinâmico. Ainda assim, o Ioniq EV é previsível e seguro quando o exploramos de forma mais intensa, contando ainda com uma direção agradavelmente direta e comunicativa.

No que diz respeito às prestações, os 136 cv com que o Ioniq EV agora conta (antes eram 120 cv) permitem-lhe desenvencilhar-se bastante bem, principalmente no modo de condução “Sport” no qual o modelo da Hyundai tira proveito da entrega imediata dos 295 Nm de binário.

VÊ TAMBÉM: Uma semana ao volante do Kia e-Soul (64 kWh)
Hyundai Ioniq EV
O carregador de bordo foi melhorado e passou a contar com 7,2 kW face aos anteriores 6,6 kW. Ainda no capítulo do carregamento, numa tomada de carga rápida de 100 kW o Ioniq repõe até 80% da capacidade da bateria em apenas 54 minutos. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Autonomia oficial… e realista

Por fim, chega a hora de falar daquela que é, para mim, o maior benefício desta renovação do Ioniq EV: o aumento da capacidade da bateria de 28 kWh para 38,3 kWh de capacidade.

Graças a este incremento, o Ioniq EV passou a oferecer, oficialmente, 311 km (ciclo WLTP) de autonomia e, pelo que pude comprovar, este valor é bastante realista. Aliás, atrevo-me até a dizer que, numa condução calma (e maioritariamente urbana), e se optarmos por usar mais os modos “Eco” e “Eco+” (que limita a velocidade aos 90 km/h), este valor até pode ser considerado algo conservador.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai Kauai Electric. Carga máxima!
Hyundai Ioniq EV
A gestão das baterias permite deixar de parte os receios de ficarmos parados na berma sem autonomia. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A gestão das baterias funciona de forma notável e para nos ajudar a “esticar” a autonomia temos três modos de regeneração de energia que são controlados através de patilhas no volante e que quase permitem abdicar do travão em algumas situações (se bem que sem uma ação tão intensa como a do sistema e-Pedal do Nissan Leaf) e que tornam a condução até… divertida, como de um jogo se tratasse.

Por fim, no que aos consumos diz respeito, a média que consegui ao longo deste teste ficou-se entre os 10,1 e os 12,4 kWh/100 km, isto sem grandes preocupações de poupança energética, principalmente à medida que fui vendo os quilómetros passarem, sem que o valor da autonomia prevista se alterasse ao mesmo ritmo.

VÊ TAMBÉM: Ao volante do SEAT Mii electric. O primeiro de uma nova era

É o carro certo para mim?

Apesar de discreta, a renovação de que o Hyundai Ioniq EV foi alvo veio reforçar (e muito) os argumentos do modelo sul-coreano, oferecendo-lhe não só mais potência como, acima de tudo, uma autonomia que já lhe permite ser encarado, com muito mais certezas, como o carro único de uma família — as limitações poderão advir mais da infraestrutura de carregamento existente do que das do próprio carro.

VÊ TAMBÉM: Adeus, combustão. Conduzimos o renovado Smart elétrico, o único que podes comprar

Se procuras um automóvel elétrico, confortável, bem equipado, relativamente espaçoso e com uma autonomia real bem próxima da anunciada, então o Hyundai Ioniq EV tem de ser uma das opções a ter em conta.

A tudo isto junta-se ainda o facto de, tal como toda a gama Hyundai, contar com uma garantia de sete anos sem limite de quilómetros.

Preço

unidade ensaiada

43.470

Versão base: €40.950

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Posição: Dianteira transversal
    • Potência: 136 cv (100 kW)
    • Binário: 295 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Uma relação fixa, sem embraiagem
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4470 mm / 1820 mm / 1450 mm
    • Distância entre os eixos: 2700 mm
    • Bagageira: 357 litros
    • Jantes / Pneus: 205/60 R16
    • Peso: 1602 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 13,8 kWh/100 km
    • Emissões de CO2: 0 g/km
    • Vel. máxima: 165 km/h
    • Aceleração: 9,9s
  • Garantias
    • Mecânica: 7 anos sem limite de quilómetros
  • Equipamento
    • Chave Inteligente (Smart Entry & Start)
    • Jantes em liga leve 16”
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Ar-condicionado automático
    • Ecrã tátil de 10,25”
    • Apple Carplay e Android Auto
    • Apoio à Manutenção na Faixa de Rodagem (LKA)
    • Sistema de alerta de fadiga do condutor (DAW)
    • Sensores de estacionamento traseiros
    • Câmara auxiliar ao estacionamento traseiro
    • Volante em pele
    • Grupos Óticos Dianteiros e Traseiros em LED
    • Bancos dianteiros com aquecimento e ventilação
    • Volante com aquecimento
    • Banco do condutor com regulação elétrica e função de memória
    • Carregador de telemóvel sem fios
    • Travão de mão elétrico
    • Cruise Control adaptativo
Extras
Pintura metalizada (520€); Pack Pele (2000€).
Avaliação
7 / 10
Apesar de, à primeira vista, os 311 km de autonomia com que o Hyundai Ioniq EV passou a contar não impressionarem, a verdade é que a forma como o modelo sul-coreano os gere oferece-lhe uma versatilidade de utilização notável e afasta os "medos" habitualmente associados ao uso de um veículo elétrico. Confortável, bem equipado e bem construído, esta renovação não veio tornar o Ioniq EV apenas numa opção a ter em conta entre os elétricos. Fez dele um modelo a ter em conta para todos os que querem um veículo familiar com baixos custos de utilização e que não necessitam de acumular centenas de quilómetros a um ritmo acelerado.
  • Conforto
  • Versatilidade de utilização
  • Gestão da capacidade das baterias
  • Ergonomia
  • Estética pouco consensual
  • Bagageira mediana
Sabes responder a esta?
Qual é a potência do Peugeot e-208?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Peugeot e-208 em vídeo. Testámos o leão 100% ELÉTRICO

Mais artigos em Testes, Ensaio