Vídeo

Testámos o novo Range Rover Evoque. Qual é a razão do sucesso? (vídeo)

O Range Rover Evoque foi um sucesso inquestionável desde o seu lançamento — a segunda geração tem tudo para o continuar a ser? O Diogo põe à prova o SUV britânico para te dar todas as respostas.

A primeira geração foi um sucesso enorme para a Land Rover, pelo que é fácil compreender o caminho escolhido para a segunda geração do Range Rover Evoque (L551): continuidade.

O novo Range Rover Evoque manteve a identidade, mas surge ainda mais estilizado — a influência do “sleek” Velar é notória —, mantendo-se como uma das propostas esteticamente mais apelativas do segmento.

Apelo que não se fica pela suas linhas exteriores. Também o interior é um dos mais acolhedores e elegantes do segmento, dominado por linhas horizontais, materiais (regra geral) de elevada qualidade e agradáveis ao toque. Junte-se uma pitada de sofisticação, graças à presença do novo sistema de info-entretenimento Touch Pro Duo (dois ecrãs táteis de 10″), do painel de instrumentos digital de 12,3″, e até de um Head Up Display.

VÊ TAMBÉM: Fica a saber quanto custa o novo Range Rover Evoque

Que mais atributos o novo Evoque traz? O Diogo diz-te tudo no nosso novo vídeo, aos comandos do Range Rover Evoque D240 S:

Que Range Rover Evoque é este?

A denominação D240 S deixa pistas sobre que Range Rover Evoque estamos a conduzir. “D” refere-se ao tipo de motorização, Diesel; “240” é a potência em cavalos da motorização; e “S” é o segundo nível de equipamento em quatro disponíveis — existe ainda o pacote R-Dynamic que dá uma aparência mais desportiva ao Evoque, mas esta unidade não o trazia.

Os 240 cv de potência máxima e os 500 Nm de binário são extraídos de um bloco de quatro cilindros em linha com 2.0 l de capacidade, com dois turbos — faz parte da mais família de motores Ingenium da Jaguar Land Rover. Acoplado ao motor encontramos uma caixa automática de nove velocidades, que transmite o binário às quatro rodas — só a versão de acesso D150 pode ser adquirida com tração às duas e caixa manual. Todas as outras repetem a configuração deste D240.

O motor Diesel não revelou dificuldades de maior em movimentar os 1955 kg (!) do Evoque — pesadote, e para mais tratando-se do mais compacto modelo da marca — atingindo os 100 km/h em 7,7s. No entanto, o seu apetite fez-se notar, com consumos que andaram entre os 8,5-9,0 l/100 km, com alguma facilidade atingem os 10,0 l/100 km.

Eletrões também já chegaram ao Evoque

Como é cada vez mais a norma, também o novo Range Rover Evoque é parcialmente eletrificado; é um semi-híbrido ou mild-hybrid, ao integrar um sistema elétrico paralelo de 48 V — permite poupar até 6% nos consumos e 8 g/km de CO2. Não se ficará por aqui, estando prevista para o ano uma variante híbrida plug-in, da qual ainda pouco se sabe, além de que o seu motor de combustão será um três cilindros em linha com 1.5 l de capacidade, com 200 cv e 280 Nm.

A eletrificação só é possível graças ao trabalho efetuado na profundamente revista plataforma do primeiro Evoque (D8) — tão profundo que a podemos considerá-la nova. Denominada Premium Transverse Architecture (PTA), é 13% mais rígida e até permitiu um superior aproveitamento ao nível do espaço, como é possível verificar na bagageira, agora com 591 l, mais 16 l que o antecessor.

Range Rover Evoque 2019

Nota: imagem não corresponde à versão testada.

On e Off Road

Apesar da massa elevada que apresenta, a maior rigidez estrutural, assim como um chassis revisto “de alto a baixo”, garantem ao novo Evoque um excelente compromisso entre conforto e comportamento dinâmico — as qualidades de “maratonista” estiveram em evidência durante o teste que o Diogo efetuou.

Existem vários modos de condução e o Diogo chegou à conclusão que é melhor deixar as mudanças de relação ficarem entregues apenas à caixa automática (o modo manual não convenceu).

Mesmo com pneus para asfalto, o novo Evoque não se coibiu de sair de estrada e fazer alguns estradões e trilhos, superando-os com a eficácia que se espera de algo com o nome Range Rover. Existem modos de condução específicos para a prática de todo o terreno e funcionalidades como o Hill Descent Control (controlo de descidas).

Range Rover Evoque 2019
O sistema Clear Ground View em funcionamento.

E também temos “gadgets” imensamente práticos como o Clear Sight Ground View, que, por outras palavras, recorre à câmara dianteira para tornar o capot… invisível. Ou seja, conseguimos ver o que se passa imediatamente à nossa frente e junto às rodas, um auxiliar valioso na prática de todo o terreno, ou até nos maiores apertos citadinos.

Destaque ainda para o retrovisor central que é digital, o que permite ver o que se passa atrás de nós — com recurso à câmara traseira —, mesmo quando a vista para trás está obstruída.

VÊ TAMBÉM: Teste ao Jaguar E-PACE. Tudo o que precisas saber

Quanto custa?

O novo Range Rover Evoque integra-se no segmento dos C-SUV premium, onde rivaliza com propostas como o Audi Q3, BMW X2 ou o Volvo XC40. E tal como estes, o intervalo de preços pode ser bastante amplo e… elevado. O novo Evoque começa nos 53 812 euros para o P200 (gasolina) e sobe até aos 83 102 euros do D240 R-Dynamic HSE.

O D240 S que testámos começa nos 69 897 euros.

Versão base: €69.897

IUC: €259

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cil. em linha
    • Capacidade: 1999 cm3
    • Posição: Dianteira Transversal
    • Carregamento: Inj. Dir. Common Rail; Turbo de geometria variável; Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cil.
    • Potência: 240 cv
    • Binário: 500 Nm entre as 1500 rpm e as 2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: 4 rodas
    • Caixa de velocidades: Automática de 9 vel. (conversor de binário)
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4371 mm / 1904 mm / 1649 mm
    • Distância entre os eixos: 2681 mm
    • Bagageira: 591 l
    • Jantes / Pneus: 235/50 R20
    • Peso: 1955 kg (EU)
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,2 l/100 km (NEDC2)
    • Emissões de CO2: 163 g/km (NEDC2)
    • Vel. máxima: 225 km/h
    • Aceleração: 7,7s
Extras
Retrovisor interior Clear Sight — 425,48 €; Jantes em liga leve de 20" e 5 raios duplos Style 5079 Gloss Sparkle Silver — 1722,49 €; Volante em Suedecloth — 495,91 €; Head-Up Display — 930,20 €; Tejadilho Panorâmico fixo — 1519,04 €; Vidros fumados "Privacy" — 431,36 €; Abertura elétrica bagageira — 531,95 €; Tapetes dianteiros e traseiros — 108,57 €; Patilhas de selecção de velocidades com acabamento Preto — 216,17 €; Sistema de Câmaras Surround com Visualização de Terreno ClearSight — 435,37 €; Pintura Metalizada — 958,56 €; Bancos com 10 ajustes elétricos e bancos dianteiros aquecidos — 423,53€
Sabes responder a esta?
Qual o arquiteto responsável pelo design do Linea Diamante de 1953?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Linea Diamante. O carro do futuro em 1953 pelos olhos de um… arquiteto

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos