Notícias Limitar a velocidade nas autobahn? Com os elétricos já não vai ser preciso

Ambiente

Limitar a velocidade nas autobahn? Com os elétricos já não vai ser preciso

Afinal já não será preciso limitar a velocidade máxima nas autobahn. E a «culpa», segundo o ministro dos transportes alemão, é dos elétricos.

Mercedes-Benz-Vision-EQXX-autobahn
© Mercedes-Benz

Nos últimos anos, na Alemanha, o debate sobre os limites de velocidade nas famosas autobahn têm vindo a ganhar cada vez mais importância. E tudo por causa das emissões.

É certo que nem todos os troços da autobahn são livres de limites de velocidade. E isso só se verifica quando as condições da estrada e do tempo o permitem. Mas mesmo assim, havia vontade política de impor um limite de 130 km/h em todas as autoestradas do país.

Relacionado Acaba o limite de 50 km/h em troço da Segunda Circular

Agora, e segundo Volker Wissing, o ministro dos transportes alemão, isso poderá já não ser necessário, graças à popularidade crescente dos automóveis elétricos.

AUTOBAHN

“A velocidade é responsabilidade pessoal dos cidadãos, sempre que não coloquem os demais em perigo. O estado devia parar por aqui”, contou, em declarações à publicação Automobilwoche.

“Os preços elevados da energia já estão a fazer com que muitas pessoas conduzam mais devagar. E com os carros elétricos, as pessoas não vão conduzir tão rápido porque querem poupar energia”, disse Wissing.

Importa lembrar que Wissing faz parte de um governo de coligação que foi eleito no final de 2021, sendo que um dos partidos que a constituem era a favor de traçar um limite de velocidade para as autoestradas germânicas.

Porém, e depois de ter feito correr muita tinta e gerado muita controvérsia naquele país, esta medida parece estar agora em suspenso. E tudo indica que as famosas autobahn vão continuar a existir nos moldes em que as conhecemos.

Fonte: Automobilwoche

Sabe esta reposta?
O Maserati MC12 partilhava a sua base e mecânica com que outro modelo?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

Onde andam os sucessores destes cinco superdesportivos?