Notícias Eletre. Tudo sobre o SUV 100% elétrico que começa a revolução da Lotus

Apresentação

Eletre. Tudo sobre o SUV 100% elétrico que começa a revolução da Lotus

Com o Lotus Eletre a marca britânica entra numa nova era na qual a eletrificação vai reinar e o baixo peso deixa de ser o foco principal.

Lotus Eletre vista dianteira 3/4

A Lotus já teve várias promessas de renascimento, mas agora – com o suporte da Geely – poucos duvidam que o futuro vai mesmo acontecer e o Lotus Eletre é a prova da revolução que está em curso na marca de Hethel.

Afinal, há alguns anos quem é que pensaria que um Lotus podia ser 100% elétrico, ter uma bagageira com 600 l, transportar até cinco passageiros e contar com uma bateria que pesa tanto ou mais do que Lotus Seven original?

Tudo isto tornou-se realidade com o Eletre e apesar de Colin Chapman — fundador da mítica marca inglesa — dificilmente aprovar este rumo, o Eletre é só a «ponta do iceberg» da revolução pela qual a Lotus vai passar.

A NÃO PERDER: LEVA. A nova plataforma da Lotus para desportivos 100% elétricos
Lotus Eletre vista traseira 3/4

Eletrificar é a ordem

Detentor de 51% das ações da Lotus desde 2017, a Geely quer mudar por completo o rumo da marca britânica.

O plano passa pela eletrificação total da marca. O primeiro passo foi o exclusivo Evija e a este seguir-se-ão quatro modelos nos próximos cinco anos: o Eletre, um outro SUV, uma berlina e um desportivo desenvolvido a meias com a Alpine.

Se os sucessivos planos de relançamento da Lotus Cars falharam uns atrás dos outros, agora ninguém tem dúvidas de que o capital e a determinação dos chineses da Geely vão mesmo resultar numa nova Lotus.

Se será possível conservar os valores da marca já é uma discussão muito mais aberta, mas quem está à frente do projeto garante que a tradição será respeitada.

Matt Windle, diretor-geral da Lotus desde o início de 2021, assegura que os futuros modelos “serão os melhores de conduzir e os mais leves nos seus segmentos”.

A reestruturação da Lotus Cars criou uma organização verdadeiramente mundial, como o indica o lema da criação do Eletre: “Nascido Inglês, Criado Globalmente”.

Tal refere-se ao facto de o Eletre resultar do esforço conjunto das equipas da Lotus no Reino Unido — em Hethel e Coventry (Lotus Tech) — na Alemanha (Lotus Tech Innovation Centre, em Frankfurt) e na China, onde estava a equipa de engenharia e produção.

Os números do Eletre

O Eletre terá três versões, sempre com dois motores, um sobre cada eixo: a de base e a S com 612 cv e 710 Nm e uma autonomia prometida de 600 km; e a R com 918 cv, 985 Nm e 490 km de autonomia.

As performances são igualmente impressionantes: 0 aos 100 km/h em 4,5s e 258 km/h se nos referimos aos Eletre menos potentes e 265 km/h e 2,95s nos 0 aos 100 km/h no caso do topo de gama.

Equipado com uma arquitetura elétrica de 800V, o Eletre recorre a uma bateria com 112 kWh de capacidade.

Lotus Eletre a carregar
O Lotus Eletre suporta carregamentos até 350 kW.

Quanto ao carregamento, a bateria suporta uma potência máxima de carregamento em corrente contínua (DC) de 350 kW, o que permite carregar de 10 a 80% em apenas 20 minutos. Já em corrente alternada (AC) a potência máxima é de 22 kW.

Equipado com suspensão independente nas quatro rodas e com um sistema multibraços no eixo traseiro, o Lotus Eletre tentou manter-se fiel aos pergaminhos dinâmicos da marca britânica.

Lotus Eletre em pista vista dianteira
Segundo os responsáveis da Lotus, o Eletre mantém-se fiel aos pergaminhos dinâmicos da marca.

Gavan Kershaw, Diretor de Integridade e Atributos do Produto, assegura que “o Eletre foi desenvolvido para proporcionar tudo o que é esperado num Lotus em termos dinâmicos, principalmente no que diz respeito a uma direção muito comunicativa, rolamento controlado e capacidade de envolver o condutor na sua missão principal”.

VEJAM TAMBÉM: Aiways U6. O rival chinês do Volkswagen ID.5 já chegou à Europa

Um modelo, três versões

Como referimos, o novo SUV elétrico da Lotus estará disponível em três versões: Eletre, Eletre S e Eletre R.

Em comum todos contam, por exemplo, com câmaras digitais que substituem os espelhos retrovisores. Cada módulo integra três câmaras: uma para a retro-visão, outra para criar uma vista superior de 360º e uma terceira que faz parte das aptidões de condução autónoma e trabalha em conjunto com um sensor LiDAR.

Lotus Eletre vista dianteira 3/4

O Eletre S, a versão intermédia, acrescenta à variante base o spoiler traseiro ativo, a configuração da luz ambiente no interior, um sistema que permite fechar as portas com suavidade, vidros fumados e sistema áudio com 23 altifalantes e 2160 watts.

Já a versão de topo — Eletre R — conta com eixo traseiro direcional, chassis com afinação mais seca, menor distância ao solo, capô desportivo, pacote de fibra de carbono e grelha dianteira ativa.

Além disto, conta com um modo de condução extra, o modo Track, que se junta aos modos Range, Tour, Sport, Off-road (comuns às outras versões do Eletre).

Revolução também no interior

Se as proporções e formato exterior revolucionam por completo o que conhecemos ao longo de quase 75 anos de história da Lotus, o interior alinha pela mesma bitola.

Podem existir cinco lugares ou quatro bancos individuais (tipo bacquet), com os encostos de cabeça fixos e integrados nas costas dos mesmos.

Há três ecrãs à disposição dos ocupantes dos lugares dianteiros: o central, com 15,1” alberga todas as funções de info-entretenimento; o da instrumentação diante do condutor e um para o passageiro (estes dois com 3 cm de altura).

Na verdade, podemos até considerar que existe um quarto “ecrã”, o head-up display que conta com funções de realidade aumentada.

Há uma faixa luminosa a percorrer transversalmente todo o painel de bordo, que além da função decorativa tem uma missão informativa, avisando quando a carga da bateria está baixa, quando há uma mudança da temperatura no sistema de climatização ou quando está a ser recebida uma chamada telefónica.

Na configuração de dois lugares traseiros os passageiros dos lugares posteriores dispõem de um ecrã de 9” fixo ao centro e uma bandeja de carregamento sem fios para telemóvel.

Todos estes interfaces de comunicação e informação são coordenados pelo sistema operativo Hyper OS que a Lotus estreia no Eletre.

A NÃO PERDER: China «aterrou» em Paris. Que novidades mostraram?

Quanto custa e quando chega?

Com o arranque da produção previsto para o final do ano, o Lotus Eletre viu serem divulgados os seus preços para oito mercados europeus, os primeiros a receber o Lotus Eletre, na primeira metade de 2023.

Uma segunda leva de mercados europeus deverá receber o primeiro SUV da história da Lotus em 2024, tal como os Estados Unidos e as regiões do Médio Oriente e Ásia-Pacífico.

Na Alemanha, um dos primeiros mercados onde o Lotus Eletre estará disponível, a versão base vai começar nos 96 mil euros; o Eletre S custará 121 mil euros e o Eletre R vai arrancar nos 151 mil euros.

Sabe esta reposta?
Qual destes modelos foi usado pela Lotus para testar o efeito de solo?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

Renault 4F. A carrinha que ajudou a revolucionar a Fórmula 1