Euro 7 vai custar até 5000 euros por carro diz o novo CEO da Volkswagen

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Euro 7 vai custar até 5000 euros por carro diz o novo CEO da Volkswagen

A Euro 7 ainda não está «fechada», mas é certo que vai aumentar substancialmente o custo dos automóveis, diz o novo diretor executivo da Volkswagen.

Thomas Schäfer assumiu o cargo de diretor executivo da Volkswagen (marca) no primeiro dia de julho — tomou o lugar de Ralf Brandstätter —, e naquela que deve ter sido a sua primeira entrevista nas novas funções, abordou o tema da Euro 7.

A Euro 7, a futura norma de emissões para os motores de combustão que regula os poluentes nos gases de escape (partículas, hidrocarbonetos e monóxido de carbono, etc.), deverá ser a última antes da mudança (praticamente) definitiva para o automóvel elétrico, aprovada pela União Europeia para 2035.

Ainda não se sabe os contornos definitivos da nova norma, nem quando entrará em vigor — decisão já foi adiada por duas vezes, estando previsto novo anúncio no final deste mês —, mas, independentemente disso, Thomas Schäfer, em entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag, avançou com valores bastante concretos sobre o que representará a nova norma em custos.

TÊM DE VER: Euro 7. Porque é que o adiamento da publicação da proposta final está a deixar todos preocupados?
Thomas Schafer, CEO Volkswagen
Thomas Schäfer é o novo diretor executivo da Volkswagen e é também responsável pelas marcas de volume no Grupo Volkswagen — Volkswagen, Skoda, SEAT/CUPRA.

O novo diretor executivo da Volkswagen diz que a Euro 7 representará um custo adicional por veículo entre os 3000 euros e os 5000 euros. Schäfer não é o primeiro a falar sobre o aumento substancial de custos que a Euro 7 implicará; Luca de Meo, o diretor executivo do Grupo Renault, também já o tinha afirmado antes.

Serão os automóveis nos segmentos mais baixos que irão ser os mais penalizados. Como Schäfer diz: “Com um carro pequeno estes custos adicionais serão dificilmente compensados. Por isso, o acesso à mobilidade com motores de combustão será significativamente mais cara”.

“A mobilidade individual é uma necessidade básica e tem de se manter acessível no futuro”, e por isso Schäfer diz que a solução terá de passar pela mobilidade elétrica. Se o custo dos automóveis com motores de combustão está a subir, a promessa é a de que o custo dos automóveis elétricos vai descer.

Thomas Schäfer lembra que o grupo alemão quer trazer para o mercado, a partir de 2025, quatro modelos elétricos compactos e acessíveis, não só com a marca Volkswagen, mas também com a Skoda e a CUPRA. “Planeamos oferecer o (futuro) ID.2 por menos de 25 mil euros. Em três anos, será um preço super atrativo para um veículo elétrico”, disse.

VEJAM TAMBÉM: Mais eficiente e menos emissões. Volkswagen revela evolução do 1.5 TSI

O tempo dos automóveis novos a 10-15 mil euros, como acontecia com os motores de combustão, não será possível no futuro, devido ao custo das baterias.

Contudo, Schäfer replica que temos de olhar não só para o custo de aquisição, como também para o custo total, incluindo o da utilização. Como o próprio diz, mesmo hoje, um elétrico já significa uma redução de custos de utilização de 25% em relação a um automóvel com motor a gasolina ou Diesel.

Fonte: Welt am Sonntag

Sabe responder a esta?
Em que ano surgiu o primeiro modelo R da Volkswagen, o Golf R32?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Glórias do Passado. Volkswagen Golf R32, o primeiro R

Mais artigos em Notícias