Volvo e a condução autónoma: "Assumimos a responsabilidade legal em caso de acidente"

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Entrevista

Volvo e a condução autónoma: “Assumimos a responsabilidade legal em caso de acidente”

Falámos com Martin Kristensson, o responsável da mobilidade e da condução autónoma da Volvo Cars, que nos explicou tudo sobre o novo sistema Ride Pilot.

O ano de 2022 ainda agora pode ter começado, mas a Volvo já soma várias e importantes novidades: depois de mostrar a sua visão para o futuro do infoentretenimento e de ter anunciado a introdução de novas funcionalidades Google e do YouTube no sistema Android atual, revelou à margem do CES 2022, em Las Vegas (EUA), o seu novo sistema de condução autónoma, denominado Ride Pilot.

Este sistema vai começar a ser testado em meados de 2022 nas estradas da Califórnia e assim que for homologado ficará disponível ao público, mediante uma subscrição, no próximo SUV totalmente elétrico da Volvo, que será conhecido ainda durante este ano.

Este sistema resulta do “casamento” de forças entre a Volvo, a Zenseact (subsidiária da Volvo Cars) e a Luminar, que desenvolveram o software de condução autónoma, e conta com um sensor LiDAR (fornecido pela Luminar), cinco radares, oito câmaras e dezasseis sensores ultrassónicos.

A NÃO PERDER: YouTube e Google Home. Novidades do infoentretenimento da Volvo explicadas por quem decide

Isto, juntamente com a implementação contínua de software por via remota (Over The Air), irá assegurar uma redundância total e permitir a condução autónoma em determinados locais e situações, como as autoestradas, por exemplo.

Para perceber melhor como o Ride Pilot vai funcionar e de que forma virá a ser implementado no mercado, conversámos com Martin Kristensson, o responsável da mobilidade e da condução autónoma da Volvo Cars.

Martin Kristensson
Martin Kristensson, responsável da mobilidade e da condução autónoma da Volvo Cars

Supervisionado vs não supervisionado

Razão Automóvel (RA): Relativamente ao Ride Pilot, e para esclarecer, estamos a falar do nível 3 no sistema de condução autónoma?

Martin Kristensson (MK): Tentamos não falar sobre esses níveis porque eu acho isso mais confuso do que útil. E, em vez disso, falamos de ‘supervisionado vs não supervisionado’ e este é um sistema não supervisionado. Isto significa que enquanto condutor, não serás responsável pela tarefa de conduzir, não precisas de manter as mãos no volante e não precisas de manter os olhos na estrada. Podes até tomar o pequeno-almoço no carro, ver um filme ou ler um livro e o carro realmente conduz sozinho.

RA: Os testes piloto na Califórnia vão ser não supervisionados desde o início?

MK: Obviamente, começaremos com os pilotos de teste dentro do carro durante a fase de validação. Mas os clientes estarão sem supervisão.

LEIAM TAMBÉM: Volvo fecha parceria com a Qualcomm para o infoentretenimento do futuro

RA: E no caso de acontecer um acidente no modo Ride Pilot, por exemplo. A Volvo vai sempre assumir a responsabilidade legal disso?

MK: Sim. Nós vamos assumir a responsabilidade legal nessa situação.

RA: Faço esta pergunta porque este é um dos grandes desafios que a condução autónoma enfrenta no futuro. A legislação e os contornos legais são o maior obstáculo rumo a uma condução totalmente autónoma.

MK: Eu concordo. Nós vamos assumir a responsabilidade, mas pode haver sempre outra lei qualquer. Quer dizer, se bateres com este carro e fugires há sempre alguém que te pode processar. Essas coisas podem sempre acontecer. Mas nós vamos assumir essa responsabilidade.

Volvo Concept Recharge
Imagem do sucessor do Volvo XC90 (será o primeiro modelo a usar o Ride Pilot) é antecipada pelo Volvo Concept Recharge.

RA: Mas em todas as situações o condutor pode sempre assumir o controlo, certo? As intenções do condutor sobrepõem-se sempre ao sistema?

MK: Bem, quando o carro estiver a conduzir sozinho ele vai estar realmente no controlo. E se quiseres assumir o comando, então também estarás a assumir a responsabilidade. Mas sim, será possível, por exemplo, carregar no travão e parar o carro dessa forma.

A NÃO PERDER: Sucessor do Volvo XC90 chega em 2022, mas não se vai chamar XC90

RA: Quando anunciaram os testes na Califórnia, mencionaram que o clima foi um dos motivos que levou a essa escolha. De que forma é que a chuva e o nevoeiro podem afetar um sistema como este?

MK: O clima é uma grande parte disso, mas não é tudo. Há também a questão da legislação e aqui (Califórnia) temos percursos longos para o trabalho e de volta a casa e os típicos percursos nas autoestradas da Califórnia.

No que toca ao nevoeiro e à chuva, há várias partes nessa questão. Uma é que a visibilidade das câmeras e do LiDAR pode ficar pior. A outra é que podem ficar gotas de água na lente da câmera. Mas há mais. Ter uma superfície escorregadia na estrada afeta os tempos de travagem e outras coisas. E tirar estes fatores da equação vai permitir-nos lançar (o sistema) mais cedo.

Volvo Luminar
O Ride Pilot é composto por um sensor LiDAR, cinco radares, oito câmeras e dezasseis sensores ultrassónicos.

RA: Durante o anúncio do Ride Pilot, os responsáveis da Volvo afirmaram que este sistema só chegaria à produção quando estivesse pronto a ser usado em determinadas áreas ou situações. Que áreas e situações são essas?

MK: Então, o que vamos fazer é colocar o hardware, o Luminar, o LiDAR e todos os sensores e o sistema de computação. Vamos colocar isso de série no próximo SUV. Assim, todos os carros terão o hardware necessário para a condução autónoma. E então depois vamos ativar essa função (Ride Pilot) através de alguns dias de subscrição (gratuita, para teste).

E isso pode ser logo quando recebes o carro ou pode ser já depois de seis meses com ele na estrada. E depois disso podem subscrever esta função.

LEIAM TAMBÉM: Volvo C40 Recharge (2022). O princípio do fim dos motores a combustão

RA: Acredita que este sistema de subscrições vai ser mais comum no futuro?

MK: Absolutamente, em particular para este tipo de função em que realmente precisas de experimentar para perceber porque é tão incrível. E falamos do Ride Pilot mas também podemos falar de outras funções, como o estacionamento automático ou a câmera 360, por exemplo. Já não consigo mexer o carro sem ela. Mas claro, é difícil saber isso sem experimentar.

Por isso teremos o hardware no carro e vamos oferecer este serviço de subscrição para teste antes de ter de comprar. Vai ser possível experimentar durante alguns meses de forma gratuita. E então depois vamos cobrar por isso.

Acho que vai ser um modelo de negócio muito bom para a Volvo, mas também para o consumidor, que vai poder experimentar mais.

VOLVO LUMINAR
Software do Ride Pilot foi desenvolvido pela Zenseact, em conjunto com a equipa interna de programadores da Volvo Cars e os programadores da Luminar.

RA: Quantos meses de teste acredita que vão ser precisos para que o sistema seja aprovado nos Estados Unidos?

MK: Eu realmente não posso responder a isso ainda. Quer dizer, vamos fazê-lo o mais rápido possível e o que faremos é lançar na Califórnia ou em autoestradas específicas, primeiro em ambientes limitados e, em seguida, expandir rapidamente para mais autoestradas, mais estados norte-americanos e depois para a Europa, China…

A NÃO PERDER: Volvo. Atualização remota dos 100% elétricos traz mais autonomia e novas funcionalidades

RA: A estreia deste sistema vai acontecer no próximo SUV 100% elétrico da Volvo. Mas ele também virá a ser usado em outros modelos da marca e da Polestar?

MK: Sim, definitivamente estará em mais modelos Volvo no futuro. Não posso falar sobre a Polestar. Mas é a mesma plataforma de hardware. Portanto, (a integração) seria muito simples.

Volvo Concept Recharge
Volvo Concept Recharge. Próximo SUV totalmente elétrico da Volvo vai ter este protótipo como ponto de partida.

RA: Acredita que  as pessoas estão mais interessadas na condução autónoma por causa do aumento na segurança ou acha que estão mais preocupadas com o facto de poderem passar a ter mais tempo livre para fazerem outras coisas?

MK: Acho que as pessoas estão interessadas por causa da segurança, mas o que realmente vai ser determinante e manter as pessoas «presas» é o tempo livre.

A maioria de nós, profissionais, se há algo de que sentimos falta é de tempo, certo? Então, se pudéssemos ter meia hora ou mais por dia, quando é que isso valeria? Acho que os nossos clientes vão adorar.

LEIAM TAMBÉM: Volvo. Novo logótipo minimalista para a era digital

RA: Acha que com a condução autónoma e com os novos sistemas de infoentretenimento o carro se vai tornar numa espécie de segunda sala de estar? Acha que as pessoas vão usar esse tempo livre adicional para ver filmes e séries de TV?

MK: Eu também já fiz essa reflexão. Quer dizer, o melhor sistema áudio a que eu tenho acesso está no meu carro, na verdade. Eu acho que estamos certos, vamos ver cada vez mais pessoas estacionadas apenas a relaxar nos seus carros.

Volvo C40
Em breve todos os Volvo com sistema de infoentretenimento Android terão acesso ao YouTube.

Estamos claramente a ver que as pessoas vão passar mais tempo nos seus automóveis, mas não a conduzir. Pode ser em percursos durante a condução autónoma ou parados enquanto carregam o seu elétrico.

E foi por isso que anunciámos aqui no CES 2022 que vamos passar a oferecer YouTube nos carros, por exemplo. E eu realmente acho que queremos e precisamos de expandir essa oferta digital.

RA: Mas o derradeiro objetivo da Volvo com a condução autónoma é eliminar os acidentes, certo? É esse o objetivo principal?

MK: Sim, absolutamente. A segurança faz parte do nosso ADN.

Mais artigos em Notícias