Hyundai já não vai desenvolver mais motores de combustão interna

Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Hyundai já não vai desenvolver mais motores de combustão interna

O Hyundai Motor Group encerrou a sua divisão de motores de combustão interna, com o objetivo de acelerar a transição para a eletrificação.

O Hyundai Motor Group vai parar o desenvolvimento de novos motores de combustão interna, concentrando esforços na sua transformação para um grupo que apenas fará automóveis elétricos.

Uma decisão motivada pela transição mais rápida que o previsto para a eletrificação por parte da indústria automóvel global.

A informação está a ser avançada pelo jornal The Korea Economic Daily, que cita o novo diretor de pesquisa e desenvolvimento Chung Kook Park — que substituiu muito recentemente Albert Biermann —, numa comunicação via correio eletrónico aos funcionários: “Agora, é inevitável converter à eletrificação. O desenvolvimento dos nossos próprios motores foi uma grande conquista, mas temos de mudar o sistema para criar futuras inovações(…)”.

VEJAM TAMBÉM: Testámos o Hyundai Kauai N. O que vale o primeiro N em formato SUV?
Hyundai Tucson Hybrid
Hyundai Tucson © Thomas van Esveld / Razão Automóvel
Alpha, o primeiro
Foi em 1983 que o grupo Hyundai criou a sua primeira equipa de desenvolvimento de motores de combustão, dando origem ao seu primeiro motor em 1991, o Alpha. Uma família de motores que seria sucedida pelas Beta, Theta e Nu.

O encerramento da divisão de desenvolvimento de motores do Hyundai Motor Group, sediada no seu centro de pesquisa e desenvolvimento em Namyang, na Coreia do Sul, aconteceu no último dia 23 de dezembro, avança ainda a publicação que cita fontes na indústria.

As equipas que antes desenvolviam motores de combustão interna vão passar a desenvolver cadeias cinemáticas elétricas. Ainda assim, como continua a ser necessário evoluir os motores de combustão atuais — para continuarem a estar em conformidade com as normas de emissões —, enquanto a transição durar, uma pequena equipa continuará a atualizar e evoluir os motores de combustão atuais.

O departamento que desenvolvia motores de combustão de alta performance vai passar a desenvolver motores elétricos de alta performance no futuro, o que indica que a divisão N, estabelecida por Albert Biermann, continuará a existir no futuro, ainda que «alimentada» apenas a eletrões — o primeiro dessa nova geração será o IONIQ 5 N, já foi visto em testes no Nürburgring.

Acelerar a eletrificação

Recentemente o Hyundai Motor Group reviu os seus objetivos de vendas em relação aos veículos elétricos. Se antes tinha apontado como meta vender um milhão de veículos elétricos por ano em 2025, agora a meta é mais ambiciosa: 1,7 milhões de veículos por ano em 2026, considerando as três marcas do grupo, Hyundai, Kia e Genesis.

Hyundai IONIQ 5
Hyundai IONIQ 5.

Um salto substancial, para mais tendo em conta o número de elétricos que deve alcançar em 2021: 140 mil unidades. Comparando com 2020, representa um aumento de 50 mil unidades vendidas (vendeu um total de 90 mil unidades), mas para 2022 estabeleceu como objetivo vender 220 mil unidades, um aumento substancial de 57%.

TÊM DE VER: Os 11 novos SUV e Crossovers elétricos lançados em 2021. Qual escolher?

O crescimento previsto será sustentado pelo lançamento de 13 novos modelos elétricos até 2026. No caso da marca Hyundai, vamos conhecer em 2022 o IONIQ 6, a versão de produção do Prophecy, e a marca já mostrou o Seven, um protótipo de um SUV de grandes dimensões.

Kia EV6
Kia EV6

Também a Kia mostrou recentemente um protótipo de um SUV de grandes dimensões, o EV9, e já revelou a nova geração do Niro. Já a Genesis, após mostrar o GV60, um crossover elétrico tecnicamente próximo dos IONIQ 5 e EV6, também já estabeleceu uma estratégia para a transição elétrica em curso, prevendo o lançamento de oito novos elétricos a bateria e a pilha de combustível (hidrogénio) até 2030.

Fontes: Automotive News, The Korea Economic Daily

Mais artigos em Notícias