Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Novo Volkswagen ID.5. O «coupé» do ID.4 vai mais longe e carrega mais depressa

A família de elétricos da Volkswagen continua a crescer, agora com o novo ID.5 e o mais desportivo ID.5 GTX que é a versão «coupé» do ID.4. Em Portugal a partir de abril.

O kit de construção modular MEB gera gradualmente cada mais derivações. O próximo é o Volkswagen ID.5 que chega ao mercado em abril de 2022 com três variantes: tração traseira com 125 kW (174 cv) ou 150 kW (204 cv) e ainda o desportivo ID.5 GTX com 220 kW (299 cv).

O GTX contará com tração às quatro rodas, replicando o «irmão» ID.4 GTX, consequência dos dois motores elétricos, um por eixo (80 kW ou 109 cv à frente, mais 150 kW ou 204 cv atrás). É possível, ainda, escolher entre o chassis de afinação normal e um mais desportivo ou com amortecedores variáveis.

Os preços deverão começar nos 50 000 euros no nosso país (55 000 euros para o GTX), cerca de 3000 acima do que custa um ID.4 com a bateria de 77 kWh (o ID.4 tem também uma mais pequena, de 52 kWh).

VEJAM TAMBÉM: Testámos o Volkswagen ID.4 GTX, o elétrico para as famílias apressadas
Volkswagen ID.5 GTX
Volkswagen ID.5 GTX

Uma vez mais o grupo alemão mostra que o seu foco está em fazer chegar a mobilidade elétrica ao grande público, com níveis de potência medianos e velocidades máximas mais baixas (160-180 km/h) do que a de muitos modelos com motor de combustão e até concorrentes diretos elétricos. Que, no entanto, só serão limitativas em autoestradas alemãs sem limite de velocidade.

Carregamento até 135 kW

O consórcio germânico também se mostra conservador no que diz respeito à potência de carga. Até agora o ID.3 e o ID.4 apenas podem carregar a um máximo de 125 kW, enquanto o ID.5 vai chegar a 135 kW logo no seu lançamento, o que permitirá que as baterias por debaixo do piso do carro possam receber energia para 300 km em meia hora.

Em corrente direta (DC) a 135 kW são necessários menos de nove minutos para elevar a carga da bateria de 5% a 80%, enquanto em corrente alternada (AC) pode ser feita até 11 kW.

A autonomia máxima anunciada do Volkswagen ID.5, com a bateria de 77 kWh (a única disponível neste modelo), é de 520 km, que se vê reduzida a 490 km no GTX. Valores que serão tanto mais aproximados da realidade quanto menos trajetos de autoestrada incluírem.

VEJAM TAMBÉM: Novo Toyota bZ4X. SUV elétrico promete mais de 450 km de autonomia

Com a infraestrutura adequada, será possível fazer cargas bidireccionais (ou seja, o ID.5 pode ser usado como um fornecedor de energia, caso seja necessário). Para quem tenha interesse em andar com um reboque «às costas», é possível fazê-lo até 1200 kg (1400 kg no GTX).

O que o distingue?

O ID.5 marca a diferença, sobretudo, pela linha de tejadilho na secção traseira, que lhe dá então aquele «ar de coupé» que mencionámos (as jantes de 21” ajudam a definir ainda mais a imagem mais desportiva), mas não se geram diferenças importantes, nem em termos de habitabilidade ou bagageira.

A segunda fila de bancos pode receber passageiros com 1,85 m de altura (oferece apenas 1,2 cm menos em altura atrás), sendo que o central goza de total liberdade de movimentos dos pés por não existir qualquer túnel no piso do carro como é normal acontecer com os elétricos com plataforma dedicada.

Fila de bancos traseira ID.5

O volume da bagageira do ID.5 de 4,60 m de comprimento (mais 1,5 cm do que o ID.4) não varia significativamente: 549 litros, mais seis litros do que a do ID.4 e muito maior do que os porta-bagagens de potenciais rivais como o Lexus UX 300e ou o Mercedes-Benz EQA que não chegam aos 400 litros, podendo ser expandido (até aos 1561 litros) através do rebatimento das costas dos bancos traseiros. O portão traseiro elétrico é opcional.

VEJAM TAMBÉM: Ford Mustang Mach-E. Merece o nome? Primeiro teste (vídeo) em Portugal

Este é apenas também o primeiro modelo da Volkswagen a apresentar um spoiler traseiro integrado depois do Scirocco, uma solução que já vimos no Q4 e-tron Sportback, mas que aqui parece ter uma integração mais harmoniosa.

A sua razão de ser é o apuro aerodinâmico (Cx reduzido dos 0,28 do ID.4 para 0,26 e de 0,29 para 0,27 no GTX), que se reflete na promessa de cerca de 10 km adicionais na autonomia, face ao ID.4 desprovido deste recurso.

Volkswagen ID.5 GTX

O ID.5 GTX apresenta um sistema de luzes mais sofisticado (LED Matrix) e entradas de ar de maior dimensão na frente, sendo também 1,7 cm mais curto e 0,5 cm mais alto do que o Volkswagen ID.5 “normal”. E ambos contam com novas funcionalidades nos sistemas de assistência ao condutor, incluindo um sistema de estacionamento com memória, que é novidade na gama ID.

Por dentro

O interior e o equipamento do Volkswagen ID.5 são em tudo idênticos ao que conhecemos no ID.4.

Temos o painel de bordo minimalista com o pequeno ecrã de 5,3” por detrás do volante, o mais moderno ecrã de 12” ao centro do tabliê e o amplo head-up display que também é capaz de projetar informação em realidade aumentada uns metros “à frente” do carro, para que o olhar não se tenha que desviar da estrada.

O ID.5 traz a mais recente geração 3.0 do software que permite atualizações remotas (over the air), permitindo que algumas funcionalidades possam melhorar o carro ao longo da sua vida útil.

Volkswagen ID.5 GTX

Ao contrário do “primo” (que usa a mesma base técnica) Skoda Enyaq ou de quase todos os modelos no Grupo Volkswagen, o ID.5 não pode ser pedido com bancos revestidos em pele animal, nem como extra, por ser uma escolha cada vez mais sob o escrutínio público.

VEJAM TAMBÉM: Novo KIA EV6 GT-Line (229 cv). Quais são os consumos reais?

Mais artigos em Notícias