Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 42 850 euros

Countryman PHEV. Com mais rivais hoje, o híbrido plug-in da MINI ainda é opção?

Primeiro híbrido plug-in da história da MINI, será que o renovado MINI Countryman PHEV ainda tem argumentos para a cada vez maior concorrência?

Primeiro (e para já único) híbrido plug-in da MINI, o renovado MINI Countryman PHEV tem hoje, quatro anos depois do seu lançamento, uma tarefa bem mais complicada pela frente.

É que nos últimos anos as propostas híbridas plug-in não pararam de se multiplicar e hoje o modelo britânico tem mais concorrentes como o Volvo XC40 Recharge PHEV, os “manos” BMW X1 e X2 PHEV ou até o Peugeot 3008 HYBRID4.

Tendo isto em consideração, será que a versão eletrificada do SUV da MINI continua a ser uma proposta a ter em conta? Ou o “peso dos anos” já se faz sentir? Para descobrir pusemo-lo à prova.

A NÃO PERDER: Testámos o sereno (mas rápido) C5 Aircross Hybrid, o primeiro híbrido plug-in da Citroën

Tipicamente MINI, por dentro e por fora

Face aos restantes Countryman esta versão híbrida plug-in distingue-se pela porta de carregamento (claro) e pelos vários logótipos que identificam as versões eletrificadas da MINI — um “E” a fazer lembrar uma ficha elétrica.

Pessoalmente, a minha relação com o estilo do MINI foi do género “primeiro estranha-se, depois entranha-se”, e devo admitir que se há algo de que o modelo britânico não pode ser acusado é de ser discreto.

Já no interior, o MINI Countryman PHEV não esconde a “costela alemã”, apresentando materiais agradáveis ao toque e à vista com uma robustez assinalável que é comprovada sempre que circulamos no silencioso modo elétrico e em pisos mais degradados.

tabliê MINI Countryman
O estilo típico dos MINI continua presente. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VEJA TAMBÉM: O Volkswagen Golf GTE é o futuro dos “hot hatch”. Melhor que o Golf GTI?

No campo da ergonomia, o estilo retro assegurou a manutenção de vários comandos físicos, muitos deles a fazer lembrar os usados nos aviões de outrora, e o sistema de infoentretenimento vê o bom grafismo ser apenas “traído” pelo excessivo número de sub-menus (algo comum aos BMW).

Quanto ao espaço, o MINI não faz jus ao nome. Não sendo uma referência do segmento, o Countryman não deixa de cumprir eficazmente com o seu papel de “familiar” da gama, oferecendo espaço para quatro adultos viajarem com conforto e sem terem de fazer demasiadas contas à bagagem que levam, cortesia de uma bagageira com 405 litros.

Mini Countryman E
Com 405 l, o Countryman PHEV tem menos 45 l de capacidade que as versões exclusivamente a combustão. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Novas funções, novo comportamento

Normalmente, falar dos modelos da MINI é falar de modelos cujo acerto dinâmico está focado num só objetivo: a diversão ao volante. Contudo, o Countryman PHEV assume um carácter algo diferente.

Pensado para as famílias, o SUV britânico apresenta um comportamento eficaz, seguro e previsível (a tração integral ajuda neste aspeto), mas que não pode ser propriamente considerado divertido.

A NÃO PERDER: Leon Sportstourer e-HYBRID. Testámos o primeiro híbrido plug-in da SEAT

A suspensão conjuga bem as necessidades de conforto e de comportamento, e os bancos recheados de detalhes estilísticos são também eles bastante confortáveis, ajudando a tornar o Countryman PHEV num bom companheiro de viagem.

Com o mesmo sistema dos X1 e X2 xDrive25e que já testámos — um motor a gasolina com 125 cv “casado” com um motor elétrico traseiro de 95 cv, para obter 220 cv de potência máxima combinada e 385 Nm de binário — o MINI Countryman PHEV acaba por ter uma experiência de condução algo semelhante à dos seus “primos” alemães.

MINI Cooper SE Countryman ALL4
O Countryman PHEV partilha a mecânica com as versões híbridas plug-in dos BMW X1 e X2. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Temos um bom compromisso entre consumos e prestações, com a eficaz gestão das baterias a permitir médias na casa dos 5,5 l /100 km e rolar perto de 40 km em modo elétrico sem ter de fazer demasiadas concessões ao ritmo imposto.

VEJA TAMBÉM: Renault Captur E-TECH (híbrido plug-in). O mais económico é também o mais caro. Vale a pena?

É o carro certo para si?

O MINI Countryman PHEV tem de continuar a fazer parte das opções a ter em conta para quem procura um SUV híbrido plug-in que mantém dimensões razoavelmente compactas.

O estilo de inspiração no passado, é bastante distinto e permite-lhe manter-se atual. O sistema híbrido plug-in por si estreado e hoje partilhado com os seus “primos” da BMW, continua a ser um dos que melhor funcionamento apresenta com um bom equilíbrio entre economia e prestações.

MINI Cooper SE Countryman ALL4
A “Union Jack” nos faróis traseiros assegura que o Countryman PHEV não passa despercebido por onde quer que passe. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Desta forma, se o BMW X2 xDrive25e se apresenta como uma opção de traço mais desportivo e o X1 xDrive25e a mais familiar, mas de estilo mais sóbrio, o MINI Countryman PHEV surge como a alternativa para quem aprecia um visual mais original e mais focada no “estilo”.

Preço

unidade ensaiada

53.073

Versão base: €42.850

IUC: €137

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 1499 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cilindro (12 válv.)
    • Potência: Motor combustão: 125 cv entre as 5000-5500 rpm; Motor elétrico traseiro: 95 cv; Potência máxima combinada: 220 cv
    • Binário: Motor combustão: 220 Nm entre as 1500-3800 rpm; Motor elétrico traseiro: 165 Nm às 3000 rpm; Binário máximo combinado: 385 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Automática de 6 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4297 mm / 1822 mm / 1559 mm
    • Distância entre os eixos: 2670 mm
    • Bagageira: 405 litros
    • Jantes / Pneus: 225/45 R19
    • Peso: 1790 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,8 l/100 km
    • Emissões de CO2: 40 g/km
    • Vel. máxima: 196 km/h
    • Aceleração: 6,8s
  • Equipamento
    • Fecho automático porta da bagageira
    • Barras de tejadilho
    • Teto de abrir elétrico panorâmico
    • MINI Driving Modes
    • Cruise Control com função de travagem
    • Painel de Instrumentos Digital Multifunções
    • Vidros com proteção solar
    • Pack de luzes
    • Câmara traseira
    • Sensores estacionamento dianteiros/traseiros
    • Parking Assistant
    • Pack Comfort
    • Pack Parking
Extras
White Silver Metalizado — 650 €; Pele Lounge MINI Yours Carbon Black — 1150 €; Kit reparação de pneus — 50 €; Volante Desportivo MINI Yours em Pele — 200 €; Alarme antirroubo — 350 €; Spoiler Traseiro — 200 €; Piano Black Exterior — 300 €; Superficie interior MINI Yours Interior Style Shaded Silver — 200 €; MINI Excitement Package — 270 €; Faróis Full LED Matrix + Farolins LED Union Jack — 400 €; Northwood Edition — 4450 €; Jantes de 19'' — 990 €.
Avaliação
8 / 10
Com um estilo retro que continua a conquistar fãs e um sistema híbrido plug-in que é um exemplo de como estes devem funcionar, o MINI Countryman PHEV tem argumentos para continuar a ser uma alternativa a ter em conta no segmento. Confortável e bem comportado, abdica de um carácter mais lúdico para "abraçar" de forma muito competente as funções familiares.
  • Estilo (interior e exterior)
  • Materiais e Qualidade de montagem
  • Comportamento
  • Gestão das baterias
  • Excesso de submenus no sistema de infoentretenimento
  • Posicionamento do botão da ignição pode levar a que o pressionemos sem querer
Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelada a versão definitiva do Renault 5 Turbo?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Renault 5 Turbo celebra 40 anos. A história (quase) completa

Mais artigos em Testes, Ensaio