Híbridos Plug-in

Os híbridos plug-in da Jaguar Land Rover são (quase todos) à prova do OE 2021

A oferta de uma completa gama de híbridos plug-in da Jaguar Land Rover é uma das medidas do seu programa Destination Zero para um futuro com zero emissões, zero acidentes e zero engarrafamentos.

A promessa tinha sido feita pelo anterior diretor executivo da Jaguar Land Rover, Ralph Speth — entretanto sucedido por Thierry Bolloré —, em que, até ao final de 2020, toda a gama estaria eletrificada. Dito e feito: neste final de ano todos os modelos do grupo já contam com versões eletrificadas, sejam eles híbridos plug-in ou, quanto muito, suaves mild-hybrid.

Para um grupo anteriormente tão dependente das motorizações Diesel — sobretudo a Land Rover, em que mais de 90% das vendas correspondiam a motorizações a gasóleo —, esta é uma mudança crítica para enfrentar um futuro desafiante, sobretudo em matéria de redução das emissões de CO2.

O incumprimento das metas estabelecidas incorre em multas que rapidamente atingem valores muito elevados. A Jaguar Land Rover vai ser, precisamente, um dos que não conseguirá cumprir as metas impostas, tendo já colocado de parte perto de 100 milhões de euros para o efeito.

VÊ TAMBÉM: Emissões de CO2. Para cumprir as 95 g/km, construtores decidem unir-se
Range Rover Evoque P300e

E isto apesar do passo acelerado verificado na adição de variantes híbridas plug-in a praticamente todas as suas gamas. No entanto, discrepâncias verificadas nas emissões de CO2 dos seus mais acessíveis e potencialmente populares híbridos plug-in — os Land Rover Discovery Sport P300e e Range Rover Evoque P300e — obrigou a suspender a comercialização de ambos e a efetuar uma nova re-certificação. Logo, o número de unidades vendidas acabou por ser muito inferior ao inicialmente previsto, prejudicando as contas de final de ano.

Porém, apesar deste oneroso percalço, a Jaguar Land Rover está tranquila em relação a 2021 — apesar das contas ficarem mais exigentes —, pois terá em comercialização até ao final do primeiro trimestre, todas as novidades que ficámos a conhecer nestes últimos meses de 2020.

Além dos mencionados Land Rover Discovery Sport P300e e Range Rover Evoque P300e, o grupo britânico levantou o pano sobre o Range Rover Velar P400e, o Jaguar F-Pace P400e, o Jaguar E-Pace P300e, o Land Rover Defender P400e, que se juntam aos já conhecidos Range Rover e Range Rover Sport, também na versão P400e.

Jaguar F-Pace PHEV

Em Portugal

O Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021) trouxe bastante controvérsia em relação aos benefícios fiscais (tributação autónoma) atribuídos aos híbridos e híbridos plug-in, assim como aos “descontos” no ISV (Imposto Sobre Veículos) aplicados a estes.

A partir de janeiro, para poderem aceder aos benefícios e à menor incidência de ISV (até -60%), todos os híbridos e híbridos plug-in têm de ter uma autonomia elétrica superior a 50 km e emissões de CO2 inferiores a 50 g/km, o que poderá trazer dificuldades acrescidas às carreiras comerciais de vários modelos que não cumprem esses requisitos.

Land Rover Defender PHEV

No caso da Land Rover e Range Rover, apenas os seus modelos maiores (e mais caros) parecem ficar de fora das novas regras, nomeadamente o Defender e os Range Rover e Range Rover Sport.

Todos os outros estão em cumprimento das várias premissas aprovadas, apresentando emissões inferiores a 50 g/km e autonomias elétricas que vão dos 52-57 km dos Jaguar F-Pace e Range Rover Velar, aos 62-77 km dos Land Rover Defender Sport, Range Rover Evoque e Jaguar E-Pace.

VÊ TAMBÉM: Jaguar Land Rover desenvolve ecrã tátil que não precisa de ser… tocado

Destination Zero

O combate às emissões de CO2 não se faz apenas na eletrificação crescente dos veículos em si — o grupo diz ter reduzido, nos últimos 10 anos, as emissões de CO2 dos seus veículos em 50%. A Jaguar Land Rover tem em marcha o Destination Zero, um programa holístico que quer não só atingir a neutralidade carbónica, como também procura reduzir a zero os acidentes e também os… engarrafamentos — nestes últimos dois casos graças, em grande parte, à evolução dos sistemas avançados de assistência à condução, que culminarão em veículos totalmente autónomos.

Para conseguir a neutralidade carbónica Jaguar Land Rover tem vindo a implementar princípios da economia circular. Algo que se torna evidente nos processos de criação de produtos, com a reutilização e reciclagem a ganharem protagonismo, assim como a aplicação de novos materiais sustentáveis, ao mesmo tempo que procuram eliminar os resíduos resultantes na produção.

Entre várias medidas mais específicas a Jaguar Land Rover implementou um programa de reciclagem de alumínio, um material usado extensivamente em muitos do seus modelos. O alumínio é recuperado não só de veículos em fim de vida, como de outras fontes, como por exemplo, latas de refrigerantes; um aproveitamento que permite reduzir em 27% as emissões de CO2. Ainda no campo da reciclagem, uma parceria com a BASF permite que se convertam resíduos plásticos em material de primeira qualidade a ser usado nos seus futuros veículos.

Também a energia necessária para as suas fábricas provém, cada vez mais, de fontes renováveis. Na sua fábrica de motores de Wolverhampton, por exemplo, foram instalados 21 mil painéis solares. A Jaguar Land Rover também já produz baterias para o seu crescente número de modelos eletrificados em Hams Hall.

Mais artigos em Notícias