Mercado

Toyota já vendeu mais de 15 milhões de automóveis híbridos

15 milhões de automóveis híbridos vendidos foi o marco atingido pela Toyota no início deste ano, uma jornada que começou em 1997 com o primeiro Prius.

Foi em 1997 que a Toyota lançou o seu primeiro veículo híbrido de grande volume, o Prius. Desde então, o sucesso do Prius e a disseminação das suas soluções por mais modelos — hoje em dia a Toyota e Lexus têm entre elas 44 modelos individuais híbridos —, atingiram um importante marco: mais de 15 milhões de automóveis híbridos vendidos até à data.

Desses 15 milhões de automóveis híbridos vendidos, 2,8 milhões foram na Europa — a gama híbrida estende-se a 19 modelos no continente —, colocando a Toyota e Lexus numa posição de vantagem para cumprir as ambiciosas metas de redução de emissões de CO2 impostas aos construtores automóveis no continente, para este ano e para o próximo.

Toyota e Lexus também estiveram na linha da frente em retirar os motores Diesel do seu portefólio, lugar que passou a ser ocupado cada vez mais por motorizações híbridas, pelo que também não é de espantar que sejam estas as mais vendidas na Europa. Em 2019, 52% das vendas de ambas as marcas no “Velho Continente” corresponderam a híbridos, valor que sobe até aos 63% se considerarmos apenas a Europa Ocidental.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Toyota RAV4, o SUV mais vendido do mundo
Toyota Prius
Toyota Prius (1ª geração), 1997

O marco de 15 milhões de automóveis híbridos vendidos foi atingido durante o mês de janeiro. De acordo com os números calculados pela Toyota, as vendas crescentes dos seus híbridos permitiram evitar a emissão de 120 milhões de toneladas de CO2 no planeta, quando comparado com outros veículos a gasolina equivalentes.

No início foi assim…

Foi há mais de 25 anos que foi tomada a decisão de desenvolver veículos híbridos. Liderados por Takeshi Uchiyamada, o objetivo era do criar um automóvel para o séc. XXI, um que fosse capaz de reduzir as emissões dos gases de estufa e outros poluentes.

Uma discussão que ganhou momento na década de 90, culminando na negociação e posterior assinatura do Protocolo de Quioto, que aconteceu em 1997, e que coincidiu com a revelação do primeiro Toyota Prius, quase como uma resposta a essas questões.

É graças às nossas vendas de híbridos que a Toyota está no caminho certo para ir de encontro ao alvo das 95 g/km impostas pela UE em 2020 e 2021, onde os regulamentos de (emissões de) CO2 são os mais exigentes do mundo. Adicionalmente, os nossos híbridos são incrivelmente eficientes a circular sem emissões nas cidades na maior parte do tempo.

Matt Harrison, vice presidente executivo da Toyota Motor Europe

O futuro

Agora, 23 anos e 15 milhões de automóveis híbridos vendidos mais tarde, a Toyota prepara o futuro. O construtor ainda acredita que os HEV (Hybrid Electric Vehicles) são uma parte essencial do futuro mix de veículos eletrificados, mas a sua experiência na mobilidade elétrica será aplicada na sua futura estratégia para multi-sistemas de propulsão.

A Toyota prevê um cenário onde não haverá um vencedor, mas sim, um cenário onde diferentes tecnologias eletrificadas terão um papel a desempenhar: híbridos plug-in (PHEV), pilha de combustível a hidrogénio (FCEV) e elétricos a bateria (BEV).

Claro que temos de trabalhar arduamente para melhorar a performance da bateria e baixar os custos (dos 100% elétricos), o que estamos a fazer. Mas temos de evitar a ausência de um plano até ultrapassarmos as dificuldades relacionadas com os BEV e FCEV. Até lá, podemos contribuir com o continuar do nosso trabalho nos híbridos (HEV).

Shigeki Terashi, diretor executivo na Toyota Motor Corporation

Assim, até 2025 na Europa, a Toyota prevê lançar 40 novos ou atualizados modelos eletrificados. Entre estes contem com 10 veículos 100% elétricos, com os veículos híbridos que já conhecemos a permanecer como a parte principal no mix de motorizações oferecidas pelo construtor.


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Mais artigos em Notícias