Antevisão

Plataforma do Giulia e Stelvio será a do novo Jeep Grand Cherokee

Com dez anos de mercado, a atual geração do Jeep Grand Cherokee prepara-se para ser, finalmente, substituída. Na base da nova geração deverão estar genes Alfa Romeo.

Originalmente lançada em 2010, a atual geração do Jeep Grand Cherokee não é propriamente uma novidade no segmento — apesar de ainda vender bem, nos EUA, pelo menos —, por isso mesmo a marca norte-americana prepara já o substituto.

Com chegada prevista para 2021, segundo a Car and Driver, a nova geração do Grand Cherokee (a quinta na história do modelo) deverá largar a base dos tempos da Daimler-Chrysler — trata-se de uma derivação da mesma plataforma usada pelo Mercedes-Benz ML/GLE (W166).

Sendo agora parte da FCA, naturalmente o novo Grand Cherokee recorrerá a hardware interno. Assim, a nova geração do SUV norte-americano fará uso da Giorgio, a plataforma desenvolvida para os  Alfa Romeo Giulia e Stelvio.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Jeep Renegade com o 1.3 turbo a gasolina. Melhor que o 1.0 turbo?
Jeep Grand Cherokee
Após dez anos de leais serviços, a atual geração do Jeep Grand Cherokee está prestes a ser substituída.

Finalmente veremos a muito capaz plataforma Giorgio ser usada por mais marcas e modelos do grupo italo-americano, algo prometido há muito. O Jeep Grand Cherokee posiciona-se um segmento acima do Stelvio, pelo que será maior que este em todas as direções, estando previsto até que seja maior que o Grand Cherokee atualmente com comercialização.

Ainda segundo a publicação norte-americana, o novo Jeep Grand Cherokee será inicialmente oferecido apenas com duas filas de bancos, estando previsto para o futuro o lançamento de uma variante de sete lugares — algo inédito na história do modelo.

Que motorizações vai usar?

Já no que diz respeito às motorizações, tudo aponta para que na base da gama do novo Jeep Grand Cherokee surja um motor com 2.0 l, turbo, de quatro cilindros a gasolina — o mesmo que podemos encontrar no Giulia e Stelvio —, provavelmente associado a um sistema mild-hybrid, como já acontece com o Wrangler nos EUA.

Se no seu mercado doméstico, os EUA, é de esperar mais motorizações a gasolina como o conhecido 3.6 V6 Pentastar, também estão previstas motorizações inéditas como uma versão híbrida plug-in.

Os motores Diesel, ainda entre os mais importantes para o segmento do Grand Cherokee no mercado europeu, também marcarão presença. Fica por saber é se adotará o 2.2 Turbo Diesel que equipa o Wrangler, ou o 3.0 V6 EcoDiesel que chegará com a Gladiator… ou quem sabe os dois.

Sendo o Jeep Grand Cherokee um… Jeep, é de prever que possa haver uma versão Trailhawk, otimizada para o offroad. E quanto ao insano Trackhawk, equipado com o V8 do Hellcat? Ainda não há confirmação, mas com V8 do Hellcat ou não, é quase garantido que terá uma versão de altas prestações, como tem sido apanágio das gerações anteriores.

Fonte: Car and Driver


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Sabes responder a esta?
Em que ano surgiu o primeiro Jeep Wrangler?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

A história do Jeep, das origens militares ao Wrangler

Mais artigos em Notícias