Desde 57 600 euros

O melhor de dois mundos? Testámos a Mercedes-Benz Classe C Station Diesel híbrida plug-in

A Mercedes-Benz C 300 de Station oferece os consumos de um Diesel e a possibilidade de circular em modo 100% elétrico. Mas será que é a melhor opção? Fomos descobrir.

Numa altura em que a eletrificação está na ordem do dia e os híbridos plug-in se parecem multiplicar como os cogumelos depois de uns dias de chuva, a Mercedes-Benz C 300 de Station representa uma interpretação muito própria do conceito híbrido plug-in.

É que ao contrário das outras marcas, a Mercedes-Benz continua a acreditar no conceito de um híbrido com motor Diesel e, para além de oferecer esta solução no Classe E e, mais recentemente, no GLE também a oferece no mais pequeno Classe C.

Com a promessa de circular com zero emissões em meio urbano, cortesia do motor elétrico de 122 cv alimentado por uma bateria de iões de lítio com 13,5 kWh de capacidade, e de alcançar os consumos típicos de um Diesel em estrada aberta, a Mercedes-Benz C 300 de Station parece conjugar, à primeira vista, o melhor de dois mundos. Mas será que consegue mesmo fazê-lo?

VÊ TAMBÉM: Ao volante da nova Mercedes-Benz CLA 220d Shooting Brake (C118)
Mercedes-Benz C 300 de Station © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Esteticamente, a C 300 de Station não acusa o passar dos anos e continua com um visual distinto e atual, principalmente quando equipada com a opcional (mas quase obrigatória) “linha de design interior e exterior AMG”. Pessoalmente, gosto do estilo da carrinha alemã e considero a cor azul metalizada da unidade ensaiada um opcional obrigatório.

No interior da C 300 de Station

Uma vez no interior da Mercedes-Benz C 300 de Station a primeira coisa que nos salta à vista é a qualidade de construção e dos materiais que faz do habitáculo da carrinha alemã um local acolhedor.

Quanto à ergonomia, apesar do visual minimalista do tablier, esta revelou-se em bom plano. A climatização continua a contar com comandos físicos, não faltam formas de aceder e navegar pelo muito completo (se bem que, por vezes, algo confuso) sistema de infotainment — ainda não é o mais recente MBUX que já vimos noutros Mercedes —e é só de lamentar o acumular funções numa só haste (piscas e limpa pára-brisas) — a haste da direita, como é habitual, é a que controla a caixa automática.

VÊ TAMBÉM: O primeiro “Panamera” foi um… Mercedes-Benz 500E
Mercedes-Benz C 300 de Station
O interior do C 300 de Station mantém-se atual, mesmo tendo em conta que a atual geração do Classe C foi lançada em 2014. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No que diz respeito ao espaço habitável, apesar de haver espaço para quatro adultos viajarem com conforto, o túnel central desaconselha seriamente a que se transporte um terceiro passageiro.

Quanto à bagageira, e tal como constatámos nos Classe E nas idênticas versões híbridas plug-in, devido ao facto de ter de acomodar a bateria, esta ganhou um inconveniente “degrau” e perdeu capacidade, descendo dos 460 l para os 315 l.

Mercedes-Benz C 300 de Station
A bagageira conta apenas com 315 litros de capacidade. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ao volante da C 300 de Station

Apresentado o interior da C 300 de Station, chega a hora de a pôr à prova e descobrir se a carrinha alemã consegue cumprir tudo aquilo que promete.

Com cinco modos de condução — Sport+, Sport, Eco, Comfort e Individual — a C 300 de Station impressiona em todos eles pela sua desenvoltura, no entanto, não posso deixar de elogiar o modo “Eco”.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Mercedes-Benz Classe A mais barato que podes comprar. Vale a pena?
Mercedes-Benz C 300 de Station
O modo “Eco” está muito bem calibrado, conjugando bem consumos e prestações. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Sejamos honestos, muitas vezes os modos “Eco” revelam-se frustrantes, “castrando” o motor, dando a ideia de que sempre que aceleramos este pergunta “Queres mesmo acelerar? Tens a certeza? Olha os consumos!”.

Ora, na C 300 de Station isto não acontece. A resposta é célere e temos uma entrega linear e rápida dos 306 cv de potência total combinada. Já nos restantes modos, as prestações tornam-se ainda mais impressionantes, fazendo-nos até esquecer que a C 300 de Station pesa perto de duas toneladas e tem um motor Diesel.

VÊ TAMBÉM: Foi há 40 anos que o ABS chegou a um automóvel de produção
Mercedes-Benz C 300 de Station © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O que não nos deixa esquecer de que temos um motor Diesel debaixo do capot são os consumos. Enquanto não esgotamos a capacidade da bateria — a gestão desta faz com que isto aconteça mais depressa do que o desejável —, estes são bastante baixos, andando na casa dos 2,5 l/100 km em cidade com o modo híbrido selecionado. São quatro os modos disponíveis, híbrido, elétrico, poupança de carga de bateria (podemos salvar a carga disponível para usar mais tarde), e carga (o motor Diesel serve também como gerador, carregando a bateria).

Já quando selecionamos o modo de poupança da carga da bateria os consumos ficam-se entre os 6,5 e os 7 l/100 km, mesmo quando nos deixamos entusiasmar pelo facto de a C 300 de Station contar com tração traseira e 306 cv.

A NÃO PERDER: 95. Este é o número mais temido da indústria automóvel. Sabes porquê?
Mercedes-Benz C 300 de Station
Na consola central existe um botão que permite escolher se queremos circular em modo elétrico, híbrido, se queremos recarregar a bateria recorrendo ao motor de combustão e ainda se queremos guardar a carga da bateria para usar mais tarde. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por fim, falta apenas referir o comportamento dinâmico da Mercedes-Benz C 300 de. Mesmo com apenas duas rodas motrizes esta revela-se sempre mais focada na eficácia do que na diversão. Confortável e segura, a C 300 de tem nas longas tiradas em autoestrada o seu habitat natural, sendo que quando chega à cidade tem no motor elétrico o aliado ideal.

VÊ TAMBÉM: Mercedes já foi dona da Audi. Quando os quatro anéis faziam parte da estrela

É o carro certo para mim?

Pessoalmente, acho mesmo que a Mercedes-Benz C 300 de Station está muito perto de ser “o melhor de dois mundos”. Capaz de conciliar os bons consumos de um Diesel com a possibilidade de circular em modo 100% elétrico, apenas lamento que não haja uma maior aposta nesta solução.

Mercedes-Benz C 300 de Station
No exterior os detalhes que diferenciam esta versão híbrida plug-in pautam-se pela descrição. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

E se é verdade que os híbridos plug-in dificilmente se encaixam nas rotinas de todos — afinal de contas é preciso ganhar não só o hábito de os recarregar, como também ter acesso fácil a pontos de carregamento —, a verdade é que a Mercedes-Benz C 300 de Station se apresenta como uma boa escolha para quem acumula muitos quilómetros por mês.

Com a economia típica de um Diesel e a possibilidade de percorrer até 53 km em modo 100% elétrico, a C 300 de Station conta ainda entre os seus argumentos uma qualidade geral assinalável e um bom nível de conforto. Pena é a perda de capacidade da bagageira, mas, como diz o ditado, “não há bela sem senão”.

Preço

unidade ensaiada

72.156

Versão base: €57.600

IUC: €225

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1950 cm3
    • Posição: Dianteira longitudinal
    • Carregamento: Injeção Direta Common Rail + Turbo Geometria Variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: Motor combustão: 194 cv às 3800 rpm; Motor elétrico: 122 cv às 2500 rpm; Potência máxima combinada: 306 cv
    • Binário: Motor combustão: 400 Nm entre 1600 rpm e 2800 rpm; Motor elétrico: 440 Nm às 2500 rpm; Binário máximo combinado: 700 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Traseira
    • Caixa de velocidades: Automática de nove velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4702 mm / 1810 mm / 1465 mm
    • Distância entre os eixos: 2840 mm
    • Bagageira: 315 litros
    • Jantes / Pneus: 225/40 R 19 (frente) e 255/35 R 19 (atrás)
    • Peso: 1955 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,3 l/100 km
    • Emissões de CO2: 34 g/km
    • Vel. máxima: 250 km/h
    • Aceleração: 5,7s
  • Equipamento
    • Espelhos anti-encadeamento
    • Bancos traseiros rebatíveis
    • Pack Espaços de Arrumação
    • Cruise Control com Speedtronic e função Hold
    • Cockpit panorâmico digital
    • Sistema de Monitorização da Pressão dos Pneus
    • Espelhos rebativeis
    • Assistente de Sinais de Trânsito
    • Ar Condicionado Automático
    • Assistente adaptativo de máximos Plus
    • Keyless-Go Start
    • Cabo de carregamento para Wallbox e estações de carregamento público e cabo de carregamento para tomadas domésticas
    • Luzes de Travão Adaptativas
    • Ecrã de 10,5" polegadas
    • Pack de Iluminação Interior
    • Porta da Bagageira Easy Pack com abertura/fecho automático
    • Active Brake Assist
    • Sistema de estacionamento ativo (inclui PARKTRONIC)
    • Direção Direct-Steer Conforto
    • Serviços de navegação e de comunicação
    • Sensor de chuva
Extras
Pack Premium (inclui: Cockpit panorâmico digital; COMAND Online; Sistema de Luzes Inteligente MULTIBEAM LED; Sistema de Som; Bancos Dianteiros Aquecidos; Pack Luz ambiente; Carregamento sem fios para dispositivos móveis) —7250 €; Pack Condução Dinâmica AIRMATIC (inclui: suspensão AIR BODY CONTROL) — 1750 €; Jantes em liga leve AMG 19" — 950 €; Linha de design interior e exterior AMG (inclui: faróis LED; forro do tejadilho em tecido preto; alargadores em plástico dos guardalamas; vidros escurecidos; volante multifunções em pele; grelha diamante; estética AMG; tapetes AMG; estofos pele DINAMICA Preto) — 3150 €; acabamentos interiores em madeira de freixo preta — 450 €; Pintura Metalizada Azul Brilliantblue — 1000 €.
Avaliação
7 / 10
Bem construída, económica (mesmo sem ser em modo híbrido), potente e confortável, a Mercedes-Benz C 300 de Station parece servir como um atestado de que a "teimosia" da marca alemã nos híbridos plug-in Diesel até é capaz de fazer algum sentido. Em vez de "ir na cantiga" da demonização dos Diesel, a Mercedes-Benz decidiu juntar estes motores a uma solução que é vista como o futuro (a eletrificação) e o resultado final foi uma proposta que se revela apta a percorrer, com o mesmo à vontade e economia, longos quilómetros em autoestrada e "penosas" horas no pára-arranca citadino.
  • Qualidade de construção
  • Conforto
  • Consumos
  • Bagageira com capacidade e versatilidade reduzida
  • Gestão da bateria em modo híbrido
Sabes responder a esta?
Qual é a cilindrada do Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)

Mais artigos em Testes, Ensaio