Apresentação

Fica a saber (quase) tudo sobre o novo e apenas híbrido Honda Jazz

O novo Honda Jazz inicia a sua comercialização durante o próximo verão apenas e só como híbrido. Fica a conhecer as principais novidades da nova geração.

O novo Honda Jazz foi apresentado publicamente no último Salão de Tóquio, com a marca japonesa agora a disponibilizar mais informação sobre a quarta geração do compacto e versátil modelo.

A principal novidade, além do estilo profundamente distinto em relação ao antecessor, mas sem perder o perfil monovolume, é o facto de o novo Honda Jazz passar a estar disponível apenas com uma motorização híbrida (não plug-in), indo de encontro ao compromisso da marca na eletrificação de toda a sua gama até 2022.

Pode haver apenas uma motorização disponível, mas são dois os Jazz à escolha: a versão regular e a versão Crosstar. O Jazz Crosstar inspira-se no mundo SUV, diferenciando-se com recurso a ingredientes como altura ao solo acrescida e proteções em plástico. A grelha é também específica, tem barras no tejadilho e o interior revela ainda estofos impermeáveis.

VÊ TAMBÉM: Fica a saber o que mudou no Honda Civic Type R 2020
Honda Jazz Crosstar e Honda Jazz
Honda Jazz Crosstar e Honda Jazz

Bancos mágicos? Sim tem

Os bancos mágicos são uma das características mais marcantes do Honda Jazz desde que a primeira geração foi conhecida em 2001. A quarta geração do utilitário japonês não prescinde deles.

Os bancos mágicos — onde podemos levantar assento do banco traseiro independentemente das costas —, garantem versatilidade acrescida ao Jazz, só possíveis pelo posicionamento do depósito de combustível ao centro do chassis, por baixo dos bancos dianteiros.

A bagageira tem 298 l, um valor inferior em 56 l relativamente ao Jazz ainda em comercialização. A menor capacidade é justificada, presumimos, pela localização das baterias do sistema híbrido por baixo do piso da bagageira, já que não parece haver diferenças de monta no que toca a dimensões entre a nova geração e a predecessora (dimensões finais ainda não foram divulgadas). Com os bancos rebatidos, a capacidade da bagageira atinge os 1203 l.

Híbrido que quer ser elétrico

O sistema híbrido do novo Honda Jazz é idêntico, em funcionamento, ao i-MMD do maior CR-V. E tal como este, apesar de a denominação e:HEV identificar um veículo híbrido, a forma como funciona assemelha-se mais à de um veículo totalmente elétrico do que de um híbrido como o Toyota Prius.

É o motor elétrico (capaz de girar às 13 300 rpm) que assume, na maioria das situações, a função de motor principal para colocar o Honda Jazz em marcha, e a “bateria” onde vai buscar a energia necessária é o motor de combustão 1.5 DOHC i-VTEC.

Honda Jazz
Por baixo do Honda Jazz

O sistema é composto por dois motores elétricos (um deles assume funções de gerador), um motor a gasolina de 1.5 l DOHC i-VTEC e uma bateria de iões de lítio. A transmissão é de engrenagem fixa, ou seja, não existe uma caixa de velocidades (tal como na maioria dos elétricos). Tudo é gerido por uma unidade de controlo de potência inteligente.

No total o novo Honda Jazz debita 109 cv e 253 Nm, suficiente para prestações mais animadas que a norma, como podemos constatar pelos 9,4s nos clássicos 0 aos 100 km/h (a velocidade máxima fica-se pelos 175 km/h).

Esta solução promete consumos, e emissões de CO2, contidos: 4,5 l/100 km e 102 g/km (WLTP). Se optarmos pela versão Crosstar, os valores sobem para os 4,8 l/100 km e 110 g/km. E tendo o CR-V, um SUV de tamanho familiar, como exemplo, será capaz de atingir os números oficiais com facilidade.

Tal como no CR-V, também o novo Jazz e:HEV, vem munido de vários modos de condução:

  • Modo elétrico (EV Drive): a bateria de iões de lítio fornece energia diretamente ao motor de propulsão elétrica
  • Modo híbrido (Hybrid Drive): o motor de combustão fornece energia ao motor-gerador elétrico, que por sua vez fornece energia ao motor de propulsão elétrica
  • Modo convencional (Motor Drive): o motor a gasolina é ligado diretamente às rodas através de uma embraiagem de bloqueio (lock-up).

A mudança entre os modos é automática e imperceptível para quem conduz, e na maioria das situações, andará a “saltar” entre os modos EV Drive e Hybrid Drive. O modo Motor Drive é acionado em vias rápidas (autoestradas, por exemplo) onde, de acordo com a Honda, o motor de combustão é mais eficiente.

No Modo Hybrid, o excedente de potência do motor de combustão é usado para carregar as baterias e, como seria de esperar, também é recuperada energia em desaceleração ou travagem.

Mais conectado…

O novo Honda Jazz oferece um sistema de conectividade sem fios. Existe um ecrã central tátil, com a Honda a afirmar que a operação dos comandos mais regularmente usados é agora mais rápida em 58% comparativamente ao antecessor, minimizando “os fatores de distração”.

Os serviços conectados (meteorologia, locais de estacionamento, música, navegação, localização e serviços telefónicos) são acedidos também pelo ecrã tátil do sistema de info-entretenimento e podem ser até ativados por voz. Android Auto e Apple CarPlay estão também disponíveis através de ligação sem fios, assim como um hotspot Wi-Fi.

Cada vez mais habitual nos automóveis de hoje é a presença de um “assistente pessoal”. O Assistente Pessoal Honda foi estreado no elétrico Honda e, e também estará disponível no novo Jazz. Basta dizer “Ok Honda” para “acordar” o assistente, seguido de uma instrução ou pergunta e permite até pesquisa em tempo real, como localizar serviços disponíveis em horários específicos.

… e mais seguro

O novo Honda Jazz vem munido do conjunto de tecnologias para segurança ativa Honda Sensing, que compreende equipamentos como travagem autónoma de emergência capaz de detetar peões e ciclistas, funcionando também em condução noturna; cruise control adaptativo (uma estreia no Jazz); e assistente de manutenção na faixa de rodagem — todos eles disponíveis de série.

Também pode vir equipado com limitador inteligente de velocidade — reconhece o limite e cumpre-o de forma automática, reduzindo progressivamente a velocidade caso nos desloquemos acima desta —; logo, também traz reconhecimento de sinalização de trânsito; e ainda tem máximos automáticos.

Estreia é também um novo airbag central dianteiro — passam a ser 10 o número de airbags no interior do Honda Jazz —, integrado no centro do encosto do banco do condutor. Em caso de colisão, este expande-se para o lado ajudando a proteger as cabeças dos ocupantes.

Quando chega?

O novo Honda Jazz tem chegada prevista durante o próximo verão, e por enquanto, não foram avançados preços para o novo modelo.

Sabes responder a esta?
Quantos ecrãs tem o elétrico Honda "e" no seu interior?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

São cinco os ecrãs no painel digital do Honda E

Mais artigos em Notícias