Desde 49 149 euros

Uma semana ao volante do Kia e-Soul (64 kWh)

Os veículos elétricos (VE) estão cada vez mais apetecíveis. Quão apetecíveis? Tão apetecível que nesta nova geração do Kia Soul a marca coreana abdicou das versões com motor de combustão interna (MCI) no mercado europeu.

Uma semana de carro elétrico. A última vez que tentei este feito com um elétrico deste segmento e a experiência não correu bem. A preocupação com autonomia acompanhou-me sempre, mas pior que isso, aprendi da pior maneira que não podemos de forma alguma contar com disponibilidade dos postos de carregamento públicos da Mobi-e.

Volvidos 2 anos desde essa experiência de utilizar um VE da mesma forma que uso um MCI, as coisas não podiam ter corrido de forma mais diferente. Os elétricos têm limitações, mas com o avanço na tecnologia das baterias, essas limitações são cada vez menores como veremos adiante.

Desta vez, o modelo em teste foi o novo Kia e-Soul, um elétrico que chega ao mercado nacional com números muito interessantes: baterias com 64kWh, autonomia para até 452 km (ciclo WLTP), e um motor elétrico capaz de desenvolver 150 kW de potência (204 cv).

VÊ TAMBÉM: Testámos o BMW i3s: agora só em modo elétrico
Kia e-Soul Portugal 2020 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
Com o binário máximo de 395 Nm disponível logo no início do arranque, o e-Soul acelera dos 0 aos 100 km/h em apenas 7,9 segundos.

Números a que devemos juntar um consumo energético anunciado de apenas 157 Wh/km em ciclo combinado e 109 Wh/km em ciclo urbano. Ou seja, temos neste modelo um parceiro para a cidade e não só.

Apenas o preço de 49.149 euros — e algumas limitações no volume de produção da fábrica sul-coreana — poderá afastar este Kia e-Soul de um volume de vendas mais interessante. Mas, como veremos mais adiante, argumentos não lhe faltam.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Kia Sportage 1.6 CRDi. A antiguidade ainda é um posto?

Vantagens para lá da máquina elétrica

Quando falamos de veículos cujo valor ascende aos 50 000 euros, esperamos que a qualidade geral acompanhe a oferta tecnológica. Neste particular, o Kia e-Soul supera aquilo que esperava dele.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai Kauai Electric. Carga máxima!
Kia Soul EV Portugal 2020 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
Bem vindos a bordo do Kia e-Soul.

Em termos de qualidade de materiais e montagem, o Kia e-Soul situa-se uns furos acima do Nissan Leaf (que é mais barato mas também oferece menos autonomia) e não tem complexos em ser comparado com o Tesla Model 3 — teoricamente posicionado num segmento acima.

A solidez de todas as superfícies aliada à escolha criteriosa dos materiais transmite uma sensação de qualidade bastante elevada. A silêncio a bordo também convence, não apenas pela ausência de motor de combustão, mas sobretudo por isso. Sem o ruído do motor a mascarar outros ruídos, o cuidado colocado na montagem e no isolamento do interior tem de ser ainda maior. A Kia conseguiu.

VÊ TAMBÉM: Conduzimos o Kia Picanto GT Cup. A fundo no Estoril!

Nota positiva também para o conforto. Com 1695 kg de peso e uma carroçaria crossover relativamente alta (1600mm) seria de esperar uma suspensão mais firme para conter os movimentos em curva. Pois bem, o Kia e-Soul conseguiu conter toda esta massa sem comprometer o conforto.

Ainda falando do ponto de vista dinâmico, a maior limitação decorre sobretudo dos pneus de baixo atrito que apesar de melhorarem a autonomia do Kia e-Soul, têm dificuldades em gerir o binário e a potência do motor elétrico. Uma dificuldade que é ainda mais notória em piso molhado.

VÊ TAMBÉM: Smart EQ fortwo nightsky edition: um vislumbre do futuro?
Kia Soul EV Portugal 2020 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
Tarefa nada fácil para o eixo dianteiro. Aquele que tem de digerir mais de 400 Nm de binário máximo.

Uma semana com um Kia e-Soul

Agora que a apresentação do Kia e-Soul está feita, vou contar-vos como foi a minha semana. Duas viagens Lisboa-Vendas Novas, quatro idas à margem sul e um muitos quilómetros diários em cidade. Com este nível de autonomia (452 km) já conseguimos fazer viagens relativamente longas sem ter preocupações de maior com o nível das baterias.

Carreguei as baterias apenas uma vez, por precaução, a meio da semana.

Uma autonomia que tem duas vantagens. A primeira diz respeito à distância das viagens, a segunda diz respeito ao ritmo que podemos adoptar. Onde antes a velocidade máxima não podia superar os 110 km/h (sob prejuízo de não termos baterias para regressar), agora podemos ir e voltar adoptando o ritmo que bem entendermos — por vezes, ainda que sem intenção, para lá do limite legal de velocidade.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Razão Automóvel (@razaoautomovel) a

É assim que gosto de utilizar um carro, sem concessões. Ter de fazer uma viagem a pensar que tenho de ir com calma para conseguir regressar não é para mim. Finalmente os elétricos já começam a permitir isto.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Toyota Corolla 1.8 Hybrid Exclusive. Serão os híbridos a melhor opção?
Kia e-Soul Portugal 2020 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
Carga rápida CC com Sistema de Carregamento Combinado (CCS), que possibilita paragens mais curtas para recarregar, é fornecido de série. Pode recarregar de 20% a 80% da sua capacidade em apenas 42 minutos com um carregador rápido de CC de 100 kW.

Além do mais, temos alguns «mimos» que fazem das viagens momentos mais agradáveis. Nomeadamente os bancos dianteiros aquecidos que oferecem um bom compromisso em termos de conforto, a que se junta um volante também ele aquecido.

Para ajudar a passar o tempo, podemos sempre contar com o sistema de som Harman / Kardon. Sistema que associado ao novo infotaiment da Kia com ligação à internet — que pode receber atualizações de forma remota — faz uma ótima companhia aos ocupantes.

VÊ TAMBÉM: Há matéria-prima suficiente para fazer baterias para tantos elétricos?
Kia e-Soul Portugal 2020 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
O sistema de navegação com ecrã de 10,25 polegadas conta ainda com Bluetooth multi-ligação e menus específicos para esta versão e-Soul.

É mais um modelo a mostrar que os automóveis elétricos são uma alternativa aos motores de combustão. O raio de utilização dos EV’s já superou as barreiras da cidade e das áreas suburbanas.
Do ponto de vista económico, é uma solução que ainda exige alguma matemática. Porque ao custo superior de aquisição ou da renda (no caso de renting ou solução similar), devemos abater os custos de utilização mais baixos, como manutenção e combustível, por exemplo.

Mas essas, são contas que vão ter de ficar para ti.

Ficha técnica

Preço

unidade ensaiada

52.000

Versão base: €51.039

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: Síncrono de íman permanente
    • Potência: 204 cv / 3.800 - 8.000 rpm
    • Binário: 395 Nm / 0 - 3.600 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: automática
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4.195 mm / 1.800 mm / 1.605 mm
    • Distância entre os eixos: 2.600 mm
    • Bagageira: 315 L (VDA)
    • Jantes / Pneus: 215 / 55 R17
    • Relação peso/potência: 1682 Kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 157 Wh/km
    • Vel. máxima: 167 km/h
    • Aceleração: 7,9 seg.
  • Equipamento
    • FCA - Sistema de alerta colisão frontal
    • Air bags laterais e de cortina
    • Rádio e Sistema Navegação c/ ecran tactil de 10,25
    • BCW - Sistema de detecção de ângulo morto
    • Sistema de Som Premium Harman/Kardon
    • Jantes de Liga leve 17"
    • Sensores de parqueamento (traseiros / dianteiros)
    • Patilhas no volante (reg. nível regeneração na travagem)
    • Sistema de Chave Inteligente e botão start
    • Selecção de modos de condução
    • Cruise control adaptativo com Sistema Stop&Go
    • Sistema de reconhecimento de voz
Extras
Pintura metalizada (390 eur); Pack SUV (1500 eur).
Avaliação
7 / 10
O Kia Soul EV é a prova de que os elétricos podem cumprir na plenitude as funções de um carro de família. Bem construído, bem equipado e com autonomia mais que suficiente para 99% das viagens. No 1% que fica a faltar, podemos sempre contar com o carregamento rápido.
  • Conforto;
  • Autonomia;
  • Equipamento.
  • Preço;
  • Performance dos pneus «eco» em piso molhado.
Sabes responder a esta?
Qual é a capacidade da bagageira da Kia Proceed?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Kia Proceed em dose dupla. Testámos a GT 1.6 T-GDI e a GT Line 1.0 T-GDI

Mais artigos em Testes, Ensaio