Portagens

Classe 1 vai abranger mais veículos. Governo já decidiu como

Dando seguimento a uma exigência do setor, o Governo acaba de aprovar um alargamento da Classe 1 nas portagens. Ainda que mantendo os princípios.

A notícia é avançada pela Agência Lusa, revelando que o Governo de António Costa acaba de aprovar, no Conselho de Ministros desta quinta-feira, uma subida dos parâmetros que regem a aplicação da classes 1 e 2, ou seja, os valores de pagamento nas portagens.

Segundo a informação divulgada pelo Executivo, a altura máxima do capot, medido na vertical ao eixo dianteiro, para efeitos de pagamento da Classe 1, passa dos atuais 1,10 m, para 1,30 m.

Ao mesmo tempo, o peso máximo permitido (peso bruto) para pagar o valor mais baixo nas auto-estradas nacionais, passa a ser de 2300 kg inclusive, independentemente do número de lugares.

RELACIONADO: Portal das Contraordenações: se têm multas estão aqui
Ponte 25 de Abril portagens
Com o decreto-lei agora aprovado em Conselho de Ministros, mais modelos vão passar a pagar apenas Classe 1 nas portagens

Contudo e para que possa ser aplicado o valor mais baixo, passa a ser também necessário que os veículos cumpram a “norma ambiental EURO 6 relativa às emissões automóveis”.

O diploma vem adequar o quadro normativo nacional à legislação europeia em matéria de segurança rodoviária e de sustentabilidade ambiental dos transportes, promovendo a coerência no tratamento dado aos utilizadores das auto-estradas”

Decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros

Decisão vem de encontro às pretensões do setor

Recorde-se que a alteração ao diploma que ajusta as classes 1 e 2 de veículos, para efeitos de aplicação das tarifas de portagem por quilómetro de auto-estrada, eram uma exigência há muito manifestada pelos construtores e importadores automóveis, a operar no mercado português.

RELACIONADO: Lei das portagens põe em risco fábrica da PSA em Mangualde

Entre as vozes mais ouvidas, estava a da francesa PSA, proprietária das marcas Citroën, Peugeot, DS e Opel, com fábrica em Mangualde. Local onde, aliás, fez recentemente um importante investimento, para aí poder fabricar os novos comerciais ligeiros e MPV, Citroën Berlingo, Peugeot Partner, Peugeot Rifter e Opel Combo.

Citroën Berlingo 2018
A Citroën Berlingo é apenas um dos modelos que será montado também em Mangualde e que corria o risco de ter de pagar Classe 2 nas portagens, em Portugal

No entanto e uma vez que as viaturas, derivações de uma mesma base com o nome de código K9, tem mais de 1,10 m de altura na zona do eixo dianteiro, corriam o risco de pagar Classe 2 nas portagens. O que, alertaram então vários agentes da empresa, acabaria por levar a uma queda acentuada das vendas previstas, colocando a viabilidade da fábrica em causa, com possível deslocalização da produção para Espanha. E a natural diminuição do número de postos de trabalho em Mangualde.

Com a decisão agora tomada pelo Governo português, fica salvaguarda não só uma das exigências do setor, mas também e à partida, esses empregos.

RELACIONADO: Volvo XC40 (4×2) passa a ser Classe 1 nas portagens

Sabes responder a esta?
Quantas unidades do C3 Aircross já vendeu a Citroën, só este ano?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Citroën C3 Aircross. Em 10 meses, 100 mil unidades

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos