Chega em Janeiro

SEAT Tarraco. Só chega em janeiro mas já o guiámos, no asfalto e na terra

O SEAT Tarraco é o SUV de sete lugares da marca e é uma solução para as famílias numerosas, mas tem também a responsabilidade de estrear a nova linguagem de estilo da marca. Já o guiámos em estradas de asfalto e numa pista de obstáculos de terra. Único problema: ainda estava camuflado.

Em Sitges, Espanha.

É como aquelas provas de vinho cegas, não se conhece o rótulo, por isso os sentidos concentram-se na análise pura, sem interferência de preconceitos, positivos ou negativos.

Na verdade, guiar o novo Tarraco ainda totalmente camuflado, não é bem a mesma coisa. Porque sei que marca o faz e que posicionamento vai ter no mercado. Mas, pelo menos, não lhe poder ver a estética obrigou-me a concentrar nos aspetos mais objetivos, de utilização e de condução.

A SEAT decidiu proporcionar este teste precoce do Tarraco a poucas dezenas de jornalistas da Europa, talvez para se posicionar desde já num segmento que não pára de crescer, como se estivesse a tirar uma senha de atendimento, para não perder a vez.

Segurança: Transporte de crianças no automóvel: tudo o que precisas de saber
seat tarraco

O maior dos SUV da marca só será totalmente mostrado em setembro e só chega ao mercado em janeiro, apesar de já terem sido libertadas imagens “teaser” que mostram claramente um desenho da frente que rompe com o do Ateca e do Arona, os outros dois tamanhos de SUV que a SEAT tem à venda.

O SEAT Tarraco tem importância porque vai ficar no topo da gama, com a marca a admitir que lhe vai dar um lucro maior que os outros modelos, ou seja, terá um preço mais alto. Na Alemanha, o valor de referência é de 43 000 euros, para uma versão como a ensaiada, o 2.0 TDI 190 DSG 4Drive. Em Portugal, falta ver que impostos leva e se vai conseguir escapar-se à Classe 2 nas autoestradas.

seat tarraco

Este modelo vai gerar crescimento na marca, num novo segmento. Vai ser o nosso topo de gama, e vai permitir ter maiores margens de comercialização. É a entrada no segmento dos grandes SUV e completa a oferta de SUV da SEAT, ao lado do Arona e do Ateca. Vai ser produzido na fábrica da VW, em Wolfsburgo e começa a ser vendido no início de 2019, com versões de cinco e sete lugares.

Angel Suarez, Engenheiro do Centro Técnico da SEAT em Martorell

A gama disponível vai ter três motores: 1.5 TSI (150 cv), 2.0 TSI (190 cv) e duas versões do 2.0 TDI (150 e 190 cv), as menos potentes podem ter caixa manual e tração apenas à frente, as outras têm 4Drive e caixa DSG de sete relações.

Maior que o Ateca

A película que faz de camuflagem e que troca os olhos a quem tenta perceber o que está por baixo, mesmo ao vivo, ali ao lado do carro, não impede a perceção das maiores dimensões face ao Ateca: o SEAT Tarraco tem mais 372 mm de comprimento e mais 157 mm de distância entre-eixos.

seat tarraco

A plataforma é a mesma MQB, mas numa versão maior, sempre com suspensão independente atrás e partilhada com o Skoda Kodiaq. É por isso que disponibiliza uma versão de sete lugares, embora o SEAT Tarraco também possa ser comprado apenas com cinco, para quem gosta de ficar com as bagagens à larga, pois a capacidade sobe de 700 para 760 l.

A NÃO PERDER: Carros que hoje são mais bonitos do que quando foram lançados

A terceira fila de bancos é fácil de montar, basta puxar as costas de cada um dos bancos através de duas fitas, a partir da mala. Depois é uma questão de ajustar a posição da fila do meio, que ajusta longitudinalmente, para arranjar o melhor compromisso para todos. Há espaço em largura e para os joelhos e mesmo a altura só fica um pouco comprometida se o carro estiver equipado com o teto panorâmico de abrir, que a unidade ensaiada tinha.

seat tarraco

O problema é que o assento fica muito perto do piso, o que obriga os joelhos a irem muito altos e as pernas a ficarem sem apoio. O outro problema é o acesso, que obriga a deslizar uma das partes assimétricas da fila central e rebater as costas, mesmo assim sem ficar com via fácil para a terceira fila. Por mais que se queira, a verdade é que não há nada como um bom monovolume, quando toca a levar mais de cinco pessoas num carro de passageiros.

(O Tarraco) É um programa de desenvolvimento próprio, separado do que foi feito noutras marcas do grupo. Não temos necessariamente de estar completamente a par daquilo que a VW está a fazer a cada momento.

Sven Schawe, Diretor de Desenvolvimento da SEAT.

Mesmo com sete a bordo, a mala não desaparece por completo, restando um volume razoável, que pode ser ampliado empurrando os bancos da terceira fila para baixo e puxando duas alavancas nas paredes da mala, para fazer cair as costas da fila do meio. Até há um sitio sob o piso, para guardar a chapeleira e um engenhoso sistema que levanta a terceira fila de bancos uns centímetros, para aceder à roda suplente, que fica lá debaixo de tudo.

seat tarraco

Falta dizer que as costas dos dois bancos da frente têm mesas tipo avião, para as crianças da segunda fila passarem a viagem a levantar e a baixar…

Segurança: Transporte de animais: dicas para uma viagem de carro segura e confortável

Tudo camuflado

O habitáculo também estava camuflado com uma manta preta que tapava o tablier todo, só foi possível fotografar com a manta colocada, mas posso dizer o que vi quando a puxei para cima.

Um painel de instrumentos totalmente digital e configurável em três modos e um monitor central tátil, que cresceu em tamanho e passou a ocupar um lugar de destaque no topo do tablier, em vez de estar inserido na consola, como no Ateca.

seat tarraco

Na consola, ao lado da alavanca da caixa, está o botão rotativo para escolher entre os modos de condução Eco/Normal/Sport/Individual/Neve/Off-Road.

Quanto à qualidade, e julgando por esta unidade que, não sendo final, estava muito próxima disso, temos a distribuição habitual, com materiais macios no topo do tablier e das portas da frente e plásticos duros em tudo o resto, mas de boa aparência.

A posição de condução é a habitual nos SUV do grupo, alta mas sem exageros e com boa visibilidade para diante. Para trás, é melhor confiar na câmara de vídeo. O volante está muito bem posicionado, mas continua a ter as patilhas da caixa de velocidades DSG muito pequenas e fixas ao volante.

VÊ TAMBÉM: Shazam no carro. Como é que ninguém se lembrou disto antes?

Abaixo os anti-Diesel

O motor 2.0 TDI de 190 cv contraria todos os que passaram a odiar o Diesel: é silencioso, não emite grandes vibrações e tem uma boa resposta a baixos regimes, com o binário máximo de 400 Nm a chegar às 1750 rpm.

REVELAÇÃO MUNDIAL EM SETEMBRO DE 2018
A Razão Automóvel vai estar na revelação mundial do SEAT Tarraco, onde será possível ver pela primeira vez o novo SUV da marca espanhola ao vivo. Acompanha tudo aqui e nas nossas redes sociais.

Se quiser ir mesmo à procura do tempo de resposta do turbo a baixas rotações, encontra-o, mas é um exercício académico, mais ainda quando se dispõe de uma boa caixa DSG, suave nas manobras e rápida nas passagens.

Equipado com o amortecimento adaptativo DCC, o conforto em piso menos que perfeito mostrou-se bastante bom, com os pneus de medida 235/50 R19 a não complicar. E nota-se bem a diferença, na suspensão, no motor e na caixa, quando se passa ao modo Sport. A direção também ganha um pouco de peso, que lhe dá um pouco mais de consistência, quando se decide andar mais depressa.

seat tarraco

É lógico que o Tarraco não tem a agilidade do Ateca, desde logo devido ao tamanho. Não é tão incisivo na entrada em curva e começa a sair de frente um pouco mais cedo. Mas continua a ter o tato de condução dos SEAT, com bom controlo dos movimentos da carroçaria, mesmo sobre pisos piores, onde nunca perde a compustura. Não é carro que incite a andar depressa, mas até admite que se provoque a traseira numa travagem mais tardia, apenas para acertar a linha das rodas da frente. Em autoestrada faz pouco ruído de rolamento e aerodinâmico, prometendo viagens longas com conforto.

INSÓLITO: SEAT Arosa TDI desafia BMW M5. Medo… muito medo

Off road sem sustos

Apesar de ser uma unidade de pré-série, a SEAT não a poupou a uma experiência de condução fora de estrada, numa pista de obstáculos de terra. Claro que todos os obstáculos estavam dimensionados para o SEAT Tarraco os superar com os seus ângulos TT ligeiramente piores que os dos Ateca (19,1º/19,1º/21,4º, para ataque/ventral/saida) mas, ainda assim, há alguma coisa a reportar.

seat tarraco

Os buracos, valas e pedras, não destroem o conforto e a direção está bem amortecida, nunca transmitindo movimentos bruscos. Na subida mais íngreme da pista, comecei com menos balanço do que indicado pelo instrutor e claro que o SEAT Tarraco quase parou a meio. Mas bastou continuar a acelerar a fundo, para o 4Drive fazer a distribuição de potência mais adequada e o motor puxar pelo carro até ao cimo, lançando pedregulhos no ar.

O SEAT Tarraco foi desenvolvido com prioridades diferentes do Ateca, dada a sua maior distância entre-eixos e com afinações específicas para a suspensão e direção.

Sven Schawe, Diretor de Desenvolvimento da SEAT.

Na descida seguinte, ainda mais íngreme, o Hill Descent Control mostrou que não precisa do condutor para nada, a não ser para comandar a direção e regular a velocidade de descida, carregando no travão ou no acelerador. O Tarraco desceu tudo de forma totalmente controlada, mas com aquela sensação de que, subitamente, a traseira ficou sem peso.

seat tarraco

Para terminar, um exercício de inclinação lateral a 40º, que se mostrou o mais exigente em termos de auto-controlo, para resistir a deixar o obstáculo e voltar à horizontalidade. Não que o Tarraco mostrasse dificuldades, mas que meter um SUV em ângulos destes impressiona quem vai lá dentro, disso não há dúvidas.

De resto, com 201 mm de altura ao solo e caixa em modo automático, bastou evitar os regos mais profundos para nunca bater com o fundo do carro na estrada. No final, ficou a noção de que a pista de obstáculos era mais difícil do que parecia à primeira vista, mas que o Tarraco a passou sem problemas.

Conclusões

Claro que não é para isto que os compradores do Tarraco o vão comprar. Para a maioria, será o transporte diário da família, um serviço que deverá fazer com facilidade e consumos reduzidos, a julgar por aquilo de que este motor 2.0 TDI é capaz. Resta ver qual será a opinião da família quando vir o estilo do Tarraco, sem camuflagem.

Primeiras impressões

7 / 10
Como familiar de sete lugares, tem tudo para cumprir o seu papel com distinção. Esta versão 2.0 TDI de 190 cv e caixa DSG descredibiliza os anti-Diesel, com a sua suavidade e baixo ruído. Resta saber como ficará a nova imagem, qual o preço e se paga classe 2 nas autoestradas.

  • Motor potente e suave

  • Muito fácil de guiar

  • Bom espaço interior

  • Acesso à terceira fila

  • Bancos baixos na terceira fila

Data de comercialização: Janeiro 2019


Sabes responder a esta?
Qual o primeiro modelo da nova marca CUPRA?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

CUPRA Ateca. SUV desportivo de 300 cv apresentou-se em Genebra

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos