Ensaio Volkswagen ID. Buzz. A «Pão de Forma» moderna está à altura das expectativas?

Desde 45 678 euros

Volkswagen ID. Buzz. A «Pão de Forma» moderna está à altura das expectativas?

As expectativas à volta do Volkswagen ID. Buzz são elevadas. Mas será que o novo elétrico da Volkswagen é capaz de as cumprir?

Volkswagen ID. Buzz Pro

8.5/10
A espera foi longa, mas valeu a pena.

Prós

  • Espaço
  • Eficiência do sistema elétrico
  • Estilo
  • Relação conforto/comportamento

Contras

  • Bancos traseiros pouco modulares
  • Sistema de infoentretenimento pouco intuitivo
  • Preço

Não é exagerado afirmar que o novo Volkswagen ID. Buzz foi, durante muito tempo, o elétrico mais aguardado da marca alemã. Basta olhar para a lista de encomendas em Portugal…

Inspirado no mítico «Pão de Forma», o ID. Buzz é simultaneamente o elétrico mais familiar e emocional da Volkswagen. Nem é preciso explicar porquê.

A não perder: O Nissan Ariya com a bateria mais pequena (63 kWh) é uma opção a considerar?

Em Portugal, pelo menos para já, está disponível apenas na versão Pro — e, por enquanto, apenas com cinco lugares. Mas graças aos diversos pacotes de equipamento opcionais podemos tornar o «nosso» ID. Buzz ainda mais exclusivo.

Volkswagen ID. Buzz vista traseira
© Thom V. Esveld / Razão Automóvel Agrada-me a forma como a Volkswagen «ressuscitou» o conceito base do «Pão de Forma» sem criar um modelo excessivamente retro. Sem dúvida um exemplo a seguir.

Confesso que era um dos modelos que tinha mais curiosidade em testar.

Agora, depois de o Diogo Teixeira o ter conduzido na Dinamarca, testámos o Volkswagen ID. Buzz em Portugal para perceber se tem «substância» ou é só um «exercício de estilo». Recordem esse vídeo aqui:

Espaço para tudo

Quando entramos no Volkswagen ID. Buzz fica evidente que «casar» o formato MPV (monovolume) com a plataforma MEB é uma receita de sucesso.

À frente há tanto espaço que quase que dava para colocar um terceiro banco entre o condutor e o passageiro; atrás o espaço é referencial e só lamento a ausência de três bancos individuais como é usual nos MPV.

Ainda assim, o banco traseiro desliza 15 cm, permitindo aumentar (ainda mais) a capacidade da bagageira. Os seus 1121 litros de capacidade são o «sonho» de qualquer família e permitem viajar sem nos preocuparmos com a quantidade de bagagem. Na dúvida dá para levar quase tudo.

Volkswagen ID. Buzz vista lateral
© Thom V. Esveld / Razão Automóvel As portas traseiras têm abertura elétrica e permitem um acesso muito facilitado ao habitáculo. Uma mais valia na hora de colocar as cadeiras dos miúdos nos bancos traseiros.

Adeus, sobriedade. Olá, jovialidade

Ainda no interior do Volkswagen ID. Buzz, destaque para o ambiente jovial, luminoso e colorido. Bem em linha com o «Pão de Forma» original e sem dúvida do agrado de quase toda a gente que tive oportunidade de sentar no seu interior.

Os materiais são maioritariamente duros ao toque, mas não suscitam dúvidas acerca da sua durabilidade ou qualidade. A robustez também está em bom plano, mas quando o piso está mais degradado, o outro MPV da Volkswagen, a Multivan, faz ainda melhor em termos de amortecimento.

Só é pena que o sistema de infoentretenimento continue a ter uma utilização pouco intuitiva: demasiados submenus e um tempo de resposta que podia ser melhor.

Só uma família constituída por cinco pessoas de compleição idêntica à do Arnold Schwarzenegger poderá queixar-se de falta de espaço a bordo do ID. Buzz.

Por fim, a posição de condução também merece elogios. Mais alta do que em vários SUV e em combinação com a extensa área vidrada, permite-nos uma boa visibilidade para o exterior,  algo crucial quando conduzimos um modelo tão grande como o ID. Buzz.

Grande, mas fácil de conduzir

Se nas fotografias o ID. Buzz parece compacto, basta aproximarmo-nos dele para nos relembrarmos de que mede 4,71 m de comprimento; 1,98 m de largura e quase dois metros de altura.

Em cidade, as dimensões do ID. Buzz obrigam a alguma atenção nas manobras. Mas há «boas notícias»: a enorme superfície vidrada que referimos anteriormente permite-nos ver todos os «cantos» da carroçaria, as várias câmaras têm uma boa resolução, o raio de viragem de apenas 11,1 m torna-o mais «curto» do que é na realidade.

Volkswagen ID. Buzz pormenor jantes
© Thom V. Esveld / Razão Automóvel Mesmo em ritmos mais apressados o ID. Buzz pauta-se pela estabilidade e segurança que transmite ao condutor.

Já em estrada aberta estas dimensões traduzem-se numa ótima estabilidade e bom conforto de rolamento. Aliás, o ID. Buzz deixa bem claro de que não se trata de um furgão convertido para transportar passageiros como é, por exemplo, o Peugeot e-Traveller.

Dinamicamente o ID. Buzz vale-se das enormes rodas (jantes de 21″ e pneus com 235 mm à frente e 265 mm atrás) e de um amortecimento convincente que garantem bons níveis de aderência. É capaz até de disfarçar as quase 2,5 toneladas de peso nos traçados sinuosos.

Quando travamos, aí sentimos que o ID. Buzz é um veículo bastante pesado, mas tudo se passa com segurança e previsibilidade, exatamente o que se quer num modelo familiar.

O «peso» da experiência

Por fim, o motor elétrico. Com 150 kW (204 cv) e 310 Nm de binário máximo já permite impor bons ritmos, mas o que mais me surpreendeu foi a sua eficiência, comprovando a experiência acumulada da Volkswagen no «mundo» dos elétricos.

Após quase 1000 km percorridos ao volante do ID. Buzz alcancei uma média de 19 kWh/100 km e acreditem que não andei a poupar bateria nem andei exclusivamente em cidade, muito pelo contrário.

Volkswagen ID. Buzz pormenor ecrã central
© Thom V. Esveld / Razão Automóvel Quando a carga da bateria se esgota, é possível recarregar a bateria de 5% a 80% em 30 minutos com uma potência máxima de até 170 kW.

Ao volante do ID. Buzz percorri largos quilómetros em autoestrada; «enfrentei» chuvas torrenciais que colocaram de parte quaisquer instintos de poupança de energia e me obrigaram a usar o ar condicionado. Até me «obriguei» a passear pela cidade de Lisboa.

Aliás, foi nessa utilização que, curiosamente, o ID. Buzz se mostrou mais «guloso», com a média a subir até aos 25 kWh/100 km.

No final de contas, a autonomia oficial de 418 km não anda muito longe da realidade, principalmente se usarmos o bom sistema de cruise control adaptativo que permite «esquecer» o acelerador em autoestrada.

Não é barata, mas é competitiva

Com um preço que arranca nos 62 907 euros (51 144 euros se excluirmos o IVA) o Volkswagen ID. Buzz está longe de ser considerado «acessível», mas quando o comparamos com a concorrência afigura-se como uma proposta bastante competitiva.

Se olharmos apenas para os rivais 100% elétricos, o ID. Buzz tem mais autonomia e potência do que os «gémeos» da Stellantis e da Toyota. É mais barato que todos eles e não possui os «genes de comercial» que encontramos nesses modelos.

Se gostam de discrição o ID. Buzz não é para vocês. A sua passagem capta quase tantas atenções como a chegada de um novo jogador ao Benfica.

Já se alargarmos o «espectro de opções» aos modelos a combustão é impossível não ver na sua «irmã», a Volkswagen Multivan, um dos mais sérios «rivais».

Afinal de contas, consegue ser mais versátil que o ID. Buzz e é igualmente espaçosa, mas não consegue igualar o mesmo apelo visual.

Além disso, não beneficia de todos os apoios destinados à compra de modelos elétricos — tem uma versão híbrida plug-in, mas não recebe tantas benesses fiscais —, o que pode ajudar o ID. Buzz a «vencer a contenda» no mercado.

Volkswagen ID. Buzz Pro

8.5/10

A espera por um novo «Pão de Forma» foi longa, mas valeu a pena. O Volkswagen ID. Buzz é, até ao momento, um dos melhores senão o melhor membro da família ID.
Tem argumentos para lá da sua imagem e as atenções que é capaz de gerar levam-me a perguntar porque razão não foi este o primeiro modelo com a plataforma MEB (específica para elétricos) a ser lançado, pois teria sido um ótimo «cartão de visita» ou até “Halo Car” para a nova plataforma.

Prós

  • Espaço
  • Eficiência do sistema elétrico
  • Estilo
  • Relação conforto/comportamento

Contras

  • Bancos traseiros pouco modulares
  • Sistema de infoentretenimento pouco intuitivo
  • Preço

Especificações

Versão base:62.907€

Classificação Euro NCAP: 5/5

72.030€

Preço unidade ensaiada

  • Arquitectura: Motor elétrico
  • Posição: Traseiro
  • Carregamento: Bateria com capacidade total de 82 kWh; Útil: 77 kWh
  • Distribuição: Motor elétrico
  • Potência: 150 kW (204 cv)
  • Binário: 310 Nm

  • Tracção: Traseira
  • Caixa de velocidades:  Caixa redutora de uma velocidade

  • Largura: 4712 mm
  • Comprimento: 1985 mm
  • Altura: 1937 mm
  • Distância entre os eixos: 2988 mm
  • Bagageira: 1121 litros
  • Jantes / Pneus: Frente: 235/45 R21; Trás: 265/40 R21
  • Peso: 2484 kg

  • Média de consumo: 21,3 kWh/100 km
  • Velocidade máxima: 145 km/h
  • Acelaração máxima: >10,2s

    Tem:

    • 3 tomadas USB-C à frente
    • Ajuste de altura para os bancos da frente, manual
    • Ar-condicionado auto bi-zona Climatronic
    • Assistente de desvio e travagem
    • Banco da 2a fila dobrável
    • Cabo de carga modo 3 (16 A)
    • Cabo de carga p/ tomada doméstica (10 A)
    • Front Assist com deteção de peões e ciclistas
    • Iluminação periférica com projeção de logotipo
    • Indicador da pressão dos pneus
    • Pacote Open & Close Plus c/ Keyless Advanced e SAFELOCK (inclui: puxadores das portas iluminados; portão traseiro vidrado elétrico c/ Easy Open/Close; portas laterais elétricas; iluminação de perímetro traseiro)
    • Palas de sol com espelho e iluminação
    • Proteção proativa p/ os passageiros c/ Front Assist
    • Retrovisores exteriores elétricos com rebatimento e aquecidos
    • Sistema de reconhecimento de sinais de trânsito
    • Vidros escurecidos atrás

Pintura Branco Candy/Amarelo Pomelo — 2184,52 €
Jantes liga leve “Bromberg” 21″ — 399,07 €
Pacote “Styling” — 1340 €
Pacote de assistentes Plus — 783,50 €
Pacote Infotainment Plus — 1203,31 €
Pacote Comfort Plus — 1496,21 €
Pacote Premium Style Plus c/ vol. branco — 1717,10 €.

Sabe esta reposta?
Qual era a potência do Volkswagen Lupo GTI?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

Glórias do Passado. Volkswagen Lupo GTI, genuíno “pocket rocket”