Força Diesel à «moda antiga». Teste ao Jeep Gladiator Overland V6 CRD

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 80 100 euros

Força Diesel à «moda antiga». Teste ao Jeep Gladiator Overland V6 CRD

O Jeep Gladiator Overland foi a minha companhia durante mais de 600 km. De Lisboa à Costa Vicentina por maus caminhos… como é óbvio.

Quase três décadas. Foi o tempo que a mítica marca americana demorou até regressar novamente ao segmento das pick-up com o novo Jeep Gladiator.

Em boa hora o fez. É um modelo que nós desejávamos e não sabíamos. Foi a sensação com que fiquei após ter viajado durante uma semana na sua companhia.

Bem sei que as pick-up são veículos de trabalho — pelo menos, no sentido tradicional do segmento. Mas quando a esta equação juntamos a marca Jeep, a sua história e o seu design, passamos a ter um veículo que é muito mais que o seu propósito factual.

TÊM DE VER: Ofensiva elétrica da Jeep arranca com revelação dos Avenger, Recon e Wagoneer S
JEEP Gladiator de traseira
Face ao Wrangler, a grande diferença encontra-se na secção traseira, onde agora encontramos uma prática e volumosa caixa de carga. © Razão Automóvel

Dito isto, o Jeep Gladiator não é uma pick-up para todos. Pode ser para todos — sim, porque as características de trabalho estão lá todas.

Mas é sobretudo para os que fazem surf, os que gostam de desportos radicais ou, simplesmente, para aqueles que se apaixonam pelos mais de 5,5 m de comprimento desta pick-up americana. Eu faço parte deste último grupo.

Preciso de uma pick-up destas dimensões? Não, mas gostava de ter uma na minha garagem.

Os mais de 600 km que percorri ao seu volante, num percurso que ligou Lisboa à magnifica Costa Vicentina deixou-me esta certeza.

Isto apesar de saber que, face ao tipo de todo o terreno que faço em 99% das ocasiões, há outras propostas, mesmo dentro da marca, que são mais que suficientes:

Porém, todos nós sabemos que escolher um automóvel não é uma decisão meramente racional. E nesse particular, a Jeep tem o condão de produzir modelos muito desejáveis. O Gladiator é apenas mais um.

Motor Diesel. O mais potente do segmento

Em Portugal, podem comprar o Jeep Gladiator com qualquer motor desde que seja o 3.0 Multijet com 264 cv de potência e 600 Nm de binário.

No segmento das pick-up, este é motor Diesel mais potente à venda na Europa.

Um motor que tem uma enorme virtude: consegue ridicularizar os 2400 kg que pesa esta enorme pick-up. A velocidade máxima está limitada a 177 km/h e a aceleração dos 0-100 km/h cumprem-se em apenas 8,6s — ou seja, as acelerações são mais rápidas que a maioria dos automóveis à venda em Portugal.

JEEP Gladiator detalhe traseira com vista para estrada e mar ao fundo
Seja em estrada ou em autoestrada, este motor oferece sempre uma excelente resposta apesar do peso do Jeep Gladiator. © Razão Automóvel

Parte desta rapidez deve-se ao excelente trabalho da caixa automática de oito velocidades. É rápida, eficiente e ajuda imenso o nosso Jeep Gladiator a moderar o seu apetite por gasóleo.

A marca anuncia consumos de 9,6 l/100 km. Um valor que surpreendentemente não foge muito à realidade.

Terminei os dias em que privei com o Gladiator com uma média final de 11,2 l/100 km. E nem sempre fui meigo com o pedal do acelerador — exigências dos testes…

Portugal dos pequeninos

O motor é interessante, mas aquilo que nos choca verdadeiramente são as dimensões do Jeep Gladiator. Acho que nunca conduzi algo tão grande apenas com carta de ligeiros.

Ao volante do Jeep Gladiator, tudo à nossa volta parece o «Portugal dos pequeninos».

Conduzimos numa posição muito alta e todas as estradas parecem encolher perante as suas dimensões. Demora alguns dias até conseguirmos interiorizar que temos mais de 5,5 m de veículo para gerir.

Trail rated jeep
Todas as versões do Gladiator receberam o selo «trail rated», sinónimo de aptidões todo o terreno muito acima da média. © Razão Automóvel

Uma vez ultrapassado o período de habituação torna-se tudo mais fácil. As dificuldades em encontrar estacionamento mantêm-se — como seria de esperar… —, mas passamos a gerir melhor o quotidiano ao volante desta enorme pick-up.

Liberdade e aventura

É automático. Assim que nos sentamos ao volante dos Jeep Gladiator somos bafejados com um sentimento de evasão e aventura difícil de contrariar. Não sei como explicar, mas tudo neste modelo nos convida a aproveitar a vida.

Podemos inclusivamente arrancar as portas (são removíveis), e praticamente todos os painéis do habitáculo, transformando esta pick-up numa espécie de descapotável todo o terreno. Não o fiz, mas vontade não me faltou.

Vista parcial traseira da Gladiator na praia com mar ao fundo
Na Costa Vicentina decidi abandonar o asfalto. Fui de Porto Covo até Vila Nova de Mil Fontes praticamente sem pisar alcatrão. © Razão Automóvel

A sensação que temos é que podemos ir a todo o lado, sem limitações. O que não é totalmente incorreto. Recordo que o Gladiator está equipado com um sistema de tração Selec-Trac 4×4, com caixa de transferência de duas velocidades, eixos Dana 44 de terceira geração e diferencial traseiro autoblocante.

Os ângulos em todo o terreno, não são tão interessantes como no Jeep Wrangler, fruto do aumento da distância entre eixos. Mas estão longe de defraudar as expectativas. Contamos com 41º de ângulo de ataque, 25º de saída e 18,4º de ângulo ventral.

A maior limitação estará no pneus de origem, que permitem uma boa utilização em asfalto, mas que carecem de maior aderência em pisos fora do asfalto. Mas tenho sérias dúvidas que os futuros proprietários deste modelo mantenham as especificações de origem.

O conforto e o Jeep Gladiator

Não é um automóvel ligeiro, mas também não é um veículo de trabalho. O Jeep Gladiator conseguiu conciliar de forma muito interessante as capacidades de trabalho com o conforto de rolamento.

interior Jeep Gladiator
O interior é prático, bem construído e muito bem equipado para um veículo deste segmento. © Razão Automóvel

Em autoestrada, é a caixa automática de oito relações que ajuda a manter os níveis de ruído dentro do aceitável — sabendo de antemão que este Jeep não é um exemplo neste aspeto, apesar de estar equipado com um extra que reforça a quantidade de material de isolamento acústico no interior.

LEIAM TAMBÉM: Nova Ford Ranger Raptor. V6 biturbo a gasolina, mais capaz e ainda mais espetacular?

Por outro lado, não nos falta equipamento de conforto. A começar nos bancos elétricos e aquecidos, e terminando no sistema de infoentretenimento Uconnect Rádio com ecrã de 8,4″. Temos tudo aquilo que podemos esperar de um automóvel moderno: até sistema de manutenção na faixa de rodagem e travagem automática.

Descubra o seu próximo automóvel:

Razão e emoção em conflito

Por tudo aquilo que já escrevi, já deu para entender que o Jeep Gladiator não é apenas um exercício de estilo muito bem executado. É sobretudo um produto com muitas qualidades. A maior de todas é talvez o facto de ser tão desejável.

Feitas as contas, é uma proposta que só faz sentido caso necessitem mesmo da capacidade de carga do Gladiator. Caso contrário, se forem como eu, que faço apenas incursões todo o terreno ligeiras, há outras opções igualmente competentes e, até, mais eficientes.

Preço

unidade ensaiada

84.000

Versão base: €80.100

IUC: €799

Classificação Euro NCAP: N/D

  • Motor
    • Arquitectura: 6 cilindros em V
    • Capacidade: 2987 cm3
    • Posição: Dianteira Longitudinal
    • Carregamento: Injeção direta common-rail; turbo de geometria variável; intercoolar.
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv./cil. (24 válv.)
    • Potência: 264 cv às 3600 rpm
    • Binário: 600 Nm entre 1400-2800 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Às quatro rodas
    • Caixa de velocidades: Automática (conversor de binário) de 8 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 5591 mm / 1894 mm / 1843 mm
    • Distância entre os eixos: 3488 mm
    • Bagageira: Caixa de carga: 1531 mm x 1442mm; Capacidade: 600 kg
    • Jantes / Pneus: 255/70 R18
    • Peso: 2478 kg (EU)
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 9,7 l/100 km
    • Emissões de CO2: 257 g/km
    • Vel. máxima: 177 km/h
    • Aceleração: 8,6s
  • Equipamento
    • Sistema de áudio Hi-Fi Premium Alpine com 9 altifalantes incluindo subwoofer
    • Sistema multimédia UConnect Rádio 8,4" NAV (MP3, AUX, USB, Bluetooth)
    • Jantes em liga leve de 18"
    • Revestimento da caixa de carga em preto
    • Auto High Beam - regulação automática de máximos
    • Câmara de estacionamento traseira
    • Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros
    • Ar condicionado automático
    • Espelhos retrovisores exteriores aquecidos
    • Fecho automático da porta da caixa de transporte
    • Volante em pele com comandos multifunções
    • Barras tubulares laterais
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Banco traseiro rebatível assimetricamente 60/40
Extras
Azul Hydro: 1100 €; Pack Black Leather: 2350 €; Pack Heated: 450 €;
Avaliação
7 / 10
Muito provavelmente é mais pick-up do que alguma vez vão precisar. O motor também terá mais potência do que necessário. Há algo louco e irracional neste produto que acaba por fazer todo o sentido depois de o conduzirmos. Se querem ir para fora de estrada, não querem passar despercebidos e os 80 000 euros vos parecem justos, é das melhores propostas disponíveis no mercado.
  • Resposta do motor;
  • Estilo;
  • Equipamento;
  • Aptidões TT.
  • Isolamento acústico;
  • Dimensões;
  • Feedback da direção.

Mais artigos em Testes, Ensaio