Ainda é um puro e duro? Jeep Wrangler 4xe (380 cv) PHEV

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Vídeo

Ainda é um puro e duro? Jeep Wrangler 4xe (380 cv) PHEV

O Jeep Wrangler electrificou-se e nós fomos descobrir se isso colocou em causa as suas aptidões fora de estrada. Será que passou no teste?

Depois de há uns meses termos ido conhecer o Jeep Wrangler 4xe em primeira mão a Turim, em Itália, agora foi vez de o colocarmos à prova em território nacional, e logo num sítio muito especial: Quinta do Conde.

Considerado por muitos uma espécie de paraíso do todo o terreno, foi lá que este o icónico modelo da Jeep teve que provar que, apesar de agora ser um híbrido plug-in, não perdeu a capacidade de andar por maus caminhos.

E ficou tudo registado em vídeo, até mesmo os percalços que surgiram durante as filmagens e que acabaram com o carro da produção (um Land Rover Freelander) e até o Jeep Wrangler 4xe «atascados».

 

A NÃO PERDER: Exclusivo. Guiámos a Jeep Gladiator, a pick-up mais potente que podem comprar na Europa
As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Qualquer habitué da Quinta do Conde vos dirá que aquele terreno esconde várias armadilhas e nós fomos «apanhados» por uma delas. Mas aí, a maior «fatia» da culpa até nem foi do Wrangler. Ainda que acredite que se fosse a versão Rubicon — equipada com pneus cardados — provavelmente o desfecho teria sido outro.

O mais capaz fora de estrada?

Mas azares à parte, o Wrangler 4xe deu boa conta si e no final deixou-me com a certeza de que este é o modelo mais capaz fora de estrada que a marca norte-americana já vendeu na Europa.

E é muito fácil explicar o motivo. Graças ao boost de potência elétrica, garantida pelo segundo motor elétrico (o único que tem funções de tração), temos sempre muito binário disponível desde o momento em que carregamos no acelerador.

Jeep Wrangler 4xe © Miguel Dias / Razão Automóvel

Ao contrário do que acontecia com os Wrangler com motorização convencional, onde éramos de certa forma obrigados a carregar mais no acelerador para atingir o binário necessário para ultrapassar determinado obstáculo, agora conseguimos fazê-lo de maneira bastante mais suave e progressiva.

Potência para «dar e vender»

E se a massa extra acrescentada pelo sistema elétrico e pela bateria de 17,3 kWh se faz sentir em estrada, onde a carroçaria se «queixa» com alguma facilidade, quase nem damos por ele nos percurso off-road. E a «culpa» é de toda a força e potência disponíveis, que estão sempre disponíveis quando as convocamos.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Jeep Compass Trailhawk 4xe. Vale a pena eletrificar a “aventura”?

No total temos à nossa disposição 380 cv de potência máxima combinada e 637 Nm de binário, fruto do «casamento» entre um motor 2,0 l turbo a gasolina com dois motores elétricos.

Jeep Wrangler 4xeGraças a este poderio mecânico, que é gerido por uma caixa automática de oito velocidades e enviado às quatro rodas, este Wrangler 4xe é capaz de acelerar até aos 156 km/h e de fazer o sprint dos 0 aos 100 km/h em rápidos 6,4s.

Mas os consumos…

A massa extra faz-se sentir nos consumos, sobretudo quando a bateria de esgota. Se alternando entre o modo Híbrido e o E-Save, conseguimos fazer consumos médios inferiores a 4,0 l/100 km, sem o apoio do sistema elétrico o melhor que conseguimos foi uma média de 11 l/100 km em autoestrada.

VEJAM TAMBÉM: Anti-Wrangler. Conduzimos o Ford Bronco, o verdadeiro todo o terreno da Ford

Mas quanto queremos explorar os atributos todo o terreno deste modelo, acreditem que é relativamente fácil chegar (e até ultrapassar) a barreira dos 15 l/100 km.

Descubra o seu próximo carro

E o preço?

A partir de agora, esta é a única motorização disponível na Europa para o Jeep Wrangler, que também passa a estar apenas disponível na configuração de cinco portas.

No nosso país, o preço arranca nos 69 375 euros para a versão de entrada de gama, a Sahara. Porém, a unidade testada neste vídeo é a 80th Anniversary — celebra os 80 anos da Jeep — e estava avaliada em 82 504 euros.

Preço

unidade ensaiada

82.504

Versão base: €72.675

IUC: €204

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1995 cm3
    • Posição: Dianteiro longitudinal
    • Carregamento: Inj. direta, turbo, intercooler
    • Distribuição: 4 válv./cil., 16 válvulas
    • Potência: Motor combustão: 272 cv; Motor Elétrico 1: 46 kW (63 cv); Motor Elétrico 2: 107 kW (145 cv); Potência máxima combinada: 380 cv
    • Binário: Motor combustão: 400 Nm; Motor Elétrico 1: 53 Nm; Motor Elétrico 2: 245 Nm; Binário Máximo Combinado: 637 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Às 4 rodas
    • Caixa de velocidades: Automática (conversor de binário) de 8 vel.
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4,882 m / 1,894 m / 1,901 m
    • Distância entre os eixos: 3,008 m
    • Bagageira: 533 l (1910 l)
    • Jantes / Pneus: 255/70 R18
    • Peso: 2383 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4,1 l/100 km; Autonomia elétrica: 50 km
    • Emissões de CO2: 94 g/km
    • Vel. máxima: 156 km/h
    • Aceleração: 6,4s
  • Equipamento
    • Painel de instrumentos específico Híbrido Plug-In, Visor TFT a Cores de 7”
    • Sistema de Infoentretenimento UconnectTM com ecrã tátil de 8,4’’
    • Compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto (c/ fios)
    • Sistema de som Alpine Premium de 552 W de 9 altifalantes com subwoofer
    • Cruise Control & Cruise Control em todo-o-terreno Selec Speed
    • Controlo de Estabilidade Eletrónico (ESC) e Controlo de Estabilidade de Atrelado (TSC)
    • Assistência ao Arranque em Subidas (HSA) e Sistema Anticapotamento (ERM)
    • Monitorização da carga da bateria com LED no painel de instrumentos
    • Retrovisor eletrocromático com sensor de luminosidade
    • Sensores de Estacionamento Traseiros e dianteiros
    • Retrovisores exteriores de comando elétrico com desembaciamento
    • Sistema 4x4 Command-Trac® 2,72:1 & Eixos Dana® 30/44
    • Caixa de transferência com sistema de seleção de utilização temporária
    • Relação de transmissão ao eixo traseiro 3,45
    • Diferencial traseiro autoblocante Trac-Lok
    • Sistema de Iluminação Full Led
    • Exclusivas jantes de alumínio de 18” com pneus A/T
    • Ar condicionado automático de duas zonas
    • Estofos em pele 80th Anniversary
    • Capota rígida de 3 peças da cor da carroçaria
Extras
Pintura Metalizada Verde Sarge — 1100 €; Bancos dianteiros aquecidos — 350 €; Safety Pack (Cruise Control Adaptativo, Alerta de colisão frontal e travagem de emergência) — 1000 €; Auto High Beam - regulação automática de máximos — 200 €; Trail Rail Management System — 400 €.
Avaliação
7 / 10
Bastou a Jeep apresentar a versão híbrida plug-in do Wrangler para os mais céticos questionarem: será digno de carregar esse nome? E a resposta é rápida e simples: sim, é. Não só mantém as capacidades todo o terreno como até as viu reforçadas: graças ao boost elétrico não temos de andar sempre a subir rotações em busca de mais binário. E isso permite-nos avançar de forma mais progressiva, sobretudo nos obstáculos mais acidentados. E a somar a isso ainda passamos a ter a possibilidade de andar em modo 100% elétrico, o que ajuda a reforçar a versatilidade deste modelo, que ganha mais trunfos na "selva" urbana. Mas há um preço a pagar: a massa elevado. E isso faz-se sentir em estrada, onde não é tão composto como o anterior Diesel, e nos consumos, sobretudo quando a bateria se esgota.
  • Sistema híbrido
  • Capacidade off-road
  • Performances
  • Versatilidade
  • Consumos quando a bateria se esgota
  • Autonomia 100% elétrica
  • Isolamento acústico
  • Peso
Sabe responder a esta?
Qual a potência máxima combinada do protótipo elétrico Jeep Magneto?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Magneto. O Wrangler 100% elétrico está pronto para o maior evento da Jeep

Mais artigos em Testes, Ensaio