296 GTS. Este é o primeiro descapotável V6 da Ferrari

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

296 GTS. Este é o primeiro descapotável V6 da Ferrari

O novo Ferrari 296 GTS apresenta-se ao serviço com um poderoso motor V6 e com um sistema híbrido que lhe permite fazer 25 km em modo elétrico.

A Ferrari acaba de apresentar o seu mais recente modelo, o 296 GTS, que pode ser visto como a versão roadster do 296 GTB que o Guilherme Costa conduziu recentemente nos arredores de Sevilha, Espanha.

É a própria Ferrari que diz que este é o seu primeiro descapotável a ser equipado com um motor de seis cilindros, tal como aconteceu com o coupé — não é o Dino, como alguns poderiam pensar.

Por isso mesmo, a animar este 296 GTS (de Gran Turismo Spider) está um V6 biturbo com 3,0 l de capacidade que produz 663 cv de potência, números que fazem dele o motor de produção com maior potência específica por litro da história: 221 cv/l.

A NÃO PERDER: Tração traseira e «super V6» com 830 cv. Primeiro teste ao Ferrari 296 GTB

A somar a este motor, que foi 100% desenvolvido e produzido pela Ferrari, está um motor elétrico com 122 kW (167 cv), que eleva a potência total combinada deste 296 GTS para uns impressionantes 830 cv (e um máximo de 740 Nm).

Números que impressionam

Graças a estes números, que são enviados às rodas traseiras através de uma caixa DCT (dupla embraiagem) de oito velocidades, este 296 GTS é capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em 2,9s (o mesmo do 296 GTB), dos 0 aos 200 km/h em 7,6s (mais 0,3s face ao 296 GTB) e de ultrapassar os 330 km/h de velocidade máxima.

Por fim, e uma vez que se trata de um híbrido plug-in, este Ferrari 296 GTS conta com uma bateria com 7,45 kWh de capacidade que lhe permite percorrer até 25 km em modo 100% elétrico, até uma velocidade máxima de 135 km/h.

Ferrari 296 GTS
A capota rígida deste Ferrari 296 GTS demora apenas 14s a abrir/fechar.

Só muda a capota rígida retrátil

Do ponto de vista estético, e em comparação com o «irmão» 296 GTB, só muda mesmo a capota rígida retrátil, que conta com abertura elétrica e que pode ser operada em andamento, até aos 45 km/h.

LEIAM TAMBÉM: Ferrari 296 GT3 já fez os primeiros quilómetros em Fiorano

De acordo com a Ferrari, bastam 14s para abrir ou fechar a capota deste 296 GTS, que é formada por duas peças rígidas. Atrás dos bancos, um pequeno vidro assume as vezes de corta-vento, para “garantir um ótimo conforto quando o tejadilho está aberto, mesmo a altas velocidades”.

Ferrari 296 GTS
Asa traseira ativa é inspirada, de acordo com a marca de Maranello, no LaFerrari.

Naturalmente, a adoção de uma capota rígida retrátil com acionamento elétrico também tem um impacto direto na massa, com este 296 GTS a anunciar mais 70 kg (1540 kg no total, a seco) que o 296 GTB.

Ferrari 296 GTS

Pack Assetto Fiorano disponível

Tal como acontece na variante Coupé, também o 296 GTS está disponível com o pack Assetto Fiorano, que acentua a sua «veia» desportiva.

A NÃO PERDER: Ferrari Challenge faz 30 anos. Conheçam o 348 Challenge que deu origem a tudo

Além de poder contar com uma decoração especial exclusiva, inspirada no Ferrari 250 Le Mans de 1965 (combina o vermelho com o azul), o 296 GTS com o pack Assetto Fiorano conta com uma aerodinâmica mais cuidada e com vários apontamentos em fibra de carbono no para-choques dianteiro, alterações que permitem um ganho de 10 kg de força descendente.

A somar a isto, o redesenhar do painel da porta permitiu poupar 8 kg, o habitáculo ganhou mais elementos em fibra de carbono e a suspensão passou a contar com amortecedores ajustáveis Multimatic, derivados dos amortecedores usados em competição.

Também a pensar numa utilização mais agressiva e focada nas performances, este pacote opcional acrescenta ao 296 GTS pneus Michelin Pilot Sport Cup2R.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi apresentado o Ferrari F40?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Ferrari F40. Três décadas a apaixonar (e intimidar)

Mais artigos em Notícias