Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

296 GTB. Primeiro Ferrari de produção com motor V6 é um híbrido plug-in

O Ferrari 296 GTB inaugura uma nova era na marca italiana, estabelecendo-se como o primeiro carro de estrada da construtora a recorrer a um motor V6.

São tempos de mudança estes que se vivem na indústria automóvel. Depois de ter eletrificado alguns dos seus modelos, a Ferrari deu mais um “passo” rumo ao futuro com o novíssimo Ferrari 296 GTB.

É grande a “honra” que recai sobre o modelo cujas fotos-espia vos trouxemos há uns tempos. Afinal de contas, trata-se do primeiro Ferrari de estrada a receber um motor V6, mecânica à qual associa ainda outra “concessão” à modernidade feita por parte da casa de Maranello: um sistema híbrido plug-in.

Antes de vos darmos a conhecer ao pormenor o “coração” deste novo Ferrari, deixem-nos apenas explicar-vos a origem da sua designação. O número “296” combina a cilindrada (2992 cm3) com o número de cilindros de que dispõe, enquanto o acrónimo “GTB” significa “Gran Turismo Berlinetta”, sendo há muito usado pela marca do Cavallino Rampante.

A NÃO PERDER: Restomod quer levar o Ferrari Testarossa para lá dos 300 km/h
Ferrari 296 GTB

O primeiro de uma nova era

Apesar de há muito existirem motores V6 da Ferrari, o primeiro remonta a 1957 e animava o monolugar Dino 156 de Fórmula 2, esta é a primeira vez que um motor com esta arquitetura surge num modelo de estrada da marca fundada por Enzo Ferrari.

Trata-se de um motor totalmente novo, 100% produzido e desenvolvido pela Ferrari (a marca continua “orgulhosamente só”). Apresenta os já citados 2992 cm3 de capacidade, e tem os seus seis cilindros dispostos num V a 120º. A potência total deste motor é de 663 cv.

Este é o motor de produção com maior potência específica por litro da história: 221 cv/litro.

Mas há mais detalhes que importa referir. Pela primeira vez na Ferrari, encontramos os turbos colocados no centro das duas bancada de cilindros — uma configuração conhecida por «hot V», cujas vantagens podes conhecer neste artigo da nossa seção AUTOPÉDIA.

De acordo com a Ferrari, esta solução não só permite poupar espaço como reduz o peso do motor e baixa o centro de gravidade. Associado a este motor encontramos outro motor elétrico, montado em posição traseira (outra estreia na Ferrari) com 167 cv que é alimentado por uma bateria com 7,45 kWh de capacidade e que permite percorrer até 25 km sem gastar uma gota de gasolina.

Ferrari 296 GTB
Aqui está o novíssimo motor do 296 GTB.
LEIAM TAMBÉM: Hot V. Estes motores em V são mais “quentes” que os outros. Porquê?

O resultado final deste “casamento” é uma potência máxima combinada de 830 cv às 8000 rpm (um valor superior aos 720 cv do F8 Tributo e do seu V8) e um binário que ascende aos 740 Nm às 6250 rpm. Encarregue de gerir o envio do binário às rodas traseiras encontra-se uma caixa automática DCT de oito relações.

Tudo isto permite à mais recente criação de Maranello alcançar os 100 km/h em apenas 2,9s, cumprir os 0 aos 200 km/h em 7,3s, percorrer o circuito de Fiorano em 1min21s e atingir uma velocidade máxima superior a 330 km/h.

Por fim, uma vez que se trata de um híbrido plug-in, o “eManettino” traz-nos alguns modos de condução “especiais”: aos modos tipicamente Ferrari como os “Performance” e “Qualify” juntam-se os modos “eDrive” e “Hybrid”. Em todos eles o nível de “envolvimento” do motor elétrico e a travagem regenerativa são parametrizados consoante o foco do modo escolhido.

Ferrari 296 GTB

“Ar de família” mas com muitas novidades

No campo da estética é notório o esforço no campo da aerodinâmica, destacando-se as entradas de ar reduzidas (em dimensões e número) ao mínimo indispensável e a adoção de soluções de aerodinâmica ativa para criar maior downforce.

O resultado final é um modelo que manteve o “ar de família” e que rapidamente causa uma associação entre o novo Ferrrari 296 GTB e os seus “irmãos”. Já no interior a inspiração veio do SF90 Stradale, principalmente o foco na tecnologia.

Esteticamente o tabliê apresenta-se com um formato côncavo, destacando-se por lá o painel de instrumentos digital e os comandos táteis colocados nas laterais deste. Apesar do visual moderno e tecnológico, a Ferrari não abdicou dos detalhes que relembram o seu passado, destacando-se o comando na consola central que relembra os comandos da caixa em “H” dos Ferrari do passado.

VEJAM TAMBÉM: Edição limitada do 812 Superfast terá o V12 mais potente de sempre da Ferrari

Assetto Fiorano, a versão hardcore

Por fim, há ainda a destacar a versão mais radical do novo 296 GTB, a variante Asseto Fiorano. Focada nas prestações, esta traz consigo uma série de medidas de redução de peso às quais se junta uma aerodinâmica ainda mais cuidada com vários apêndices em fibra de carbono no para-choques dianteiro a permitirem aumentar em 10 kg a downforce.

Além disso, esta traz consigo os amortecedores ajustáveis Multimatic. Especialmente pensados para o uso em pista, estes derivam diretamente dos usados em competição. Por fim, e sempre com as pistas em mente, o Ferrari 296 GTB conta ainda com pneus Michelin Sport Cup2R.

Com a entrega das primeiras unidades prevista para o primeiro trimestre de 2022, o Ferrari 296 GTB ainda não tem preços oficiais para Portugal. Contudo, foi-nos dada uma estimativa (e trata-se mesmo de uma estimativa uma vez que os preços são definidos pela rede comercial após a apresentação oficial do modelo) que aponta para um preço, com os impostos incluídos, de 322 mil euros para a “versão” normal e 362 mil euros para a versão Assetto Fiorano.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o Ferrari 365 GT4 BB?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Fomos enganados. Afinal BB em Ferrari 365 GT4 BB não significa Berlinetta Boxer

Mais artigos em Notícias