Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 15 519 euros

Testámos o Fiat Panda Sport. O citadino faz justiça à designação?

O Fiat Panda Sport é a versão que mais chama a atenção na renovada gama do citadino italiano. Mas será que a designação faz sentido?

Talvez inspirada pelo sucesso de modelos de outrora como os Cinquecento Sport (ou Sporting) e Panda 100HP (que nunca cá chegou), a Fiat decidiu “apimentar” a atual geração do Panda e o resultado foi o Fiat Panda Sport.

Contudo, ao contrário do que fez na anterior geração do Panda, desta vez a Fiat optou por uma abordagem mais “modesta”. O que quero dizer com isto? Simples. Enquanto o Fiat Panda 100HP contava com um espevitado motor a gasolina de 1.4 l e 100 cv, o novo Panda Sport manteve-se fiel à motorização mild-hybrid de 70 cv que equipa os seus “irmãos de gama”.

Posto isto, será que o visual mais desportivo é suficiente para justificar a designação oferecida a este Panda, ou o simples facto de contar “somente” com 70 cv faz com que a designação “Sport” seja algo otimista?

A NÃO PERDER: Novo Fiat 500 em vídeo. O melhor 100% elétrico do segmento?
Fiat Panda Hybrid © Fernando Gomes / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Não passa despercebido

Comecemos por aquilo que mais atenções capta: o visual. Neste campo a Fiat não deixou “créditos por mãos alheias” e foi capaz de oferecer ao já bem conhecido Panda um agradável nível de distinção.

A pintura mate exclusiva e as jantes de 16″ ajudam a tornar mais desportivo o visual normalmente “fofinho” do Panda, e a completar tudo isto temos os tradicionais logótipos a identificar a versão.

Já no interior, às qualidades já reconhecidas aos restantes Fiat Panda — uma boa ergonomia, montagem que não merece grandes reparos e muitos espaços de arrumação — o Sport junta um tabliê cor de titânio, painéis das portas específicos, novos bancos e diversos detalhes em ecopele.

Ora, numa avaliação estática, o Fiat Panda Sport não desilude, fazendo justiça à designação que a marca italiana lhe ofereceu. Aliás, neste “campeonato dos pequenitos”, o Panda Sport faz um jogo semelhante ao do Hyundai i10 N Line, não se acanhando no campo estético perante o mais recente modelo sul-coreano.

Descubra o seu próximo carro:

Números modestos

Porém, debaixo do capô do mais aguerrido dos Fiat Panda encontramos o mesmo 1.0 l de três cilindros em linha com 70 cv ao qual surge associado um motor elétrico BSG (Belt-integrated Starter Generator) que recupera energia nas fases de travagem e desaceleração.

Aqui o Panda Sport “perde” terreno para a (pouca) concorrência. Apesar de os citadinos “desportivos” serem uma visão cada vez mais rara, modelos como o já referido Hyundai i10 N Line ou o Volkswagen Up! GTI apresentam números mais interessantes. O primeiro oferece 100 cv e o segundo chega aos 115 cv (e há cerca de 20 anos o Lupo GTI chegava aos 125 cv!).

LEIAM TAMBÉM: Já testámos o Citroën AMI. O derradeiro elétrico para a cidade?

Contudo, os números são somente “metade” da história. É verdade que são modestos, mas no dia a dia, a caixa manual de seis velocidades com relações curtas e o sistema mild-hybrid ajudam a “disfarçar” a menor potência e oferecem uma agradável desenvoltura ao citadino italiano.

Fiat Panda Hybrid
A bagageira com 225 litros enquadra-se na média do segmento. © Fernando Gomes / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

É verdade que as prestações nunca chegam a impressionar (ou sequer entusiasmar), mas temos potência mais do que suficiente para serpentear alegremente pelo trânsito e para “saltar” para a frente do pelotão no trânsito citadino. Já em autoestrada, as mesmas relações de caixa curtas acabam por nos obrigar a ir a cerca de 3000 rpm aos 120 km/h.

VEJAM TAMBÉM: Testámos e fomos “picados” pelo Abarth 595C Monster Energy Yamaha

Quanto ao comportamento, o Panda Sport faz justiça, na medida do possível, à designação. É verdade que o centro de gravidade é alto, mas a agilidade impressiona, a direção é precisa e direta q.b. (mas excessivamente leve no modo “City”, indicado somente para manobras) e até quando “apertamos” com ele em curva acabamos por ser surpreendidos com uma agradável previsibilidade e bons níveis de aderência.

Por fim, se no campo das prestações a manutenção da mecânica mild-hybrid até pode ter “limitado” algumas aspirações mais desportivas, no sempre importante capítulo da economia esta paga dividendos, permitindo obter médias na casa dos 5,0 a 5,5 l/100 km, mesmo quando levamos o Panda Sport para longe do seu “habitat natural”, a cidade. Já por lá é difícil ver o computador de bordo marcar mais de 6,0 a 6,5 l/100 km.

A NÃO PERDER: Testámos o Dacia Sandero ECO-G (GPL). Muito mais que um “preço-canhão”

É o carro certo para si?

O novo Fiat Panda Sport está longe de ser um sucessor para o muito mais espevitado (e também mais caro e gastador) Panda 100HP, mas não deixa de ser bem sucedido no desempenho do “papel” que lhe foi atribuído: oferecer uma versão de imagem mais desportiva à completa gama Panda para quem não é particularmente fã do espírito utilitário das versões Cross e Life.

É verdade que as prestações são (muito) modestas, mas o visual permite-lhe destacar-se na “selva urbana”, os consumos são adequados para um modelo que vai passar grande parte da sua existência em cidade e nem o comportamento desilude.

Numa era em que há cada vez menos modelos citadinos (e a tendência é que continuem a desaparecer), é sempre agradável ver a Fiat apostar em mais uma versão do seu “eterno” Panda.

Preço

unidade ensaiada

18.572

Versão base: €15.519

IUC: €103

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção Direta
    • Distribuição: 1 a.c.c. / 2 válv. por cilindro
    • Potência: 70 cv às 6000 rpm
    • Binário: 92 Nm às 3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de 6 relações
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 3686 mm / 1662 mm / 1635 mm
    • Distância entre os eixos: 2300 mm
    • Bagageira: 225 litros
    • Jantes / Pneus: 195/45 R16
    • Peso: 1055 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,3 l/100 km
    • Emissões de CO2: 121 g/km
    • Vel. máxima: 164 km/h
    • Aceleração: 13,9s
  • Garantias
    • Mecânica: 4 anos sem limite de quilómetros
  • Equipamento
    • Rádio com ecrã tátil de 7" com USB, Bluetooth
    • Compatibilidade com Android Auto e Apple CarPlay
    • Comandos multimédia no volante
    • Telecomando abertura/fecho portas
    • Volante regulável em altura
    • Vidros dianteiros elétricos
    • Ar condicionado manual
    • Start&Stop
    • Banco do condutor com regulação em altura
    • Capas dos espelhos retrovisores exteriores e puxadores das portas na cor da carroçaria
    • Jantes em liga leve de 16''
    • Faróis de nevoeiro
    • Logotipo Sport
Extras
Pintura Mate Cinzento — 800 €; Banco traseiro com configuração 3 lugares e rebatimento por inteiro — 150 €; Pack City (Retrovisores eléctricos com desembaciamento e sensor temperatura exterior; Sensores de estacionamento traseiros) — 300 €; Pack Pandemónio (Vidros traseiros escurecidos; Volante e comando da caixa de velocidades em ecopele; Pinças dos travões dianteiros em vermelho) — 350 €; Roda sobresselente de emergência — 250 €.
Avaliação
7 / 10
O Fiat Panda tem nesta versão Sport uma proposta especialmente pensada para quem procura um citadino mais "aguerrido". É verdade que a potência e a prestação são modestos, mas no capítulo estético o Panda Sport não desilude, cumprindo na perfeição com o seu principal objetivo: destacar-se dentro da gama Panda e no trânsito urbano. Agora com uma maior oferta tecnológica, o Panda vê desta forma os seus argumentos renovados para mais uma "batalha" num segmento que parece estar em "vias de extinção".
  • Agilidade
  • Design
  • Consumos
  • Prestações modestas
  • Ausência de sistemas de segurança ativa
Sabe responder a esta?
Qual era a velocidade máxima do Fiat Coupé 2.0 20v Turbo?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Glórias do Passado. Fiat Coupé 2.0 20v Turbo, o fim da linhagem

Mais artigos em Testes, Ensaio