Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

C5 X. Já estivemos, brevemente, com o novo topo de gama da Citroën

O novo Citroën C5 X passou por Portugal, o que deu oportunidade para conhecê-lo ao vivo antes da sua comercialização no início de 2022.

A única unidade do Citroën C5 X que passou por Portugal foi uma das primeiras a sair da linha de produção — faz parte do primeiro lote de unidades de pré-produção —, estando a fazer um roadshow por oito países europeus para um primeiríssimo contacto.

Ainda não foi desta vez que o pude conduzir e averiguar as suas qualidades como estradista, como é expectável tradicionalmente de um grande Citroën, mas permitiu constatar outros aspetos do novo topo de gama da marca francesa.

C5 X, o regresso do grande Citroën

O C5 X marca o regresso da Citroën ao segmento D, sucedendo ao anterior C5 (que deixou de ser produzido em 2017) e… a tradição já não é o que era.

VEJAM TAMBÉM: Carros que hoje são mais bonitos do que quando foram lançados

O novo C5 X deixa de lado os traços tradicionais de outras berlinas do segmento e também, em parte, das grandes berlinas com o cunho da Citroën (como o C6, XM ou o CX).

Apesar de inspirado pelo ousado concept CXperience de 2016, o C5 X segue um caminho próprio, misturando vários géneros nas suas formas. Por um lado continua a ser uma berlina, mas a sua carroçaria de dois volumes (e cinco portas) com um inclinado óculo traseiro deixa-o a meio caminho entre uma berlina e uma carrinha, e a sua altura ao solo acrescida é claramente uma herança dos bens sucedidos SUV.

Citroen C5 X © Fernando Gomes / Razão Automóvel

Se nas primeiras imagens que vi do modelo revelou ser pouco consensual, neste primeiro contacto ao vivo a opinião não mudou. As proporções e volumes continuam a ser distintos e desafiantes, e as soluções gráficas encontradas para definir a sua identidade, tanto à frente como atrás — que começámos por ver no C4 —, também estão longe de encontrar consenso.

Por outro lado, dificilmente será confundindo na estrada com qualquer um dos seus potenciais rivais.

O segmento mudou, o veículo também teria de mudar

Esta distinção clara da “receita” do segmento justifica-se pelas mudanças que o próprio segmento sofreu nos últimos anos.

Citroën C5 X

Em 2020, na Europa, foram os SUV a tipologia mais vendida no segmento D com uma quota de 29,3%, à frente das carrinhas com 27,5% e das tradicionais berlinas de três volumes com 21,6%. Na China, onde o C5 X vai ser produzido, a tendência ainda é mais clara: metade das vendas do segmento são SUV, seguidos das berlinas, com 18%, com as carrinhas a terem uma expressão marginal (0,1%) — o mercado chinês prefere o formato monovolume (10%).

TÊM DE VER: Já testámos o Citroën AMI. O derradeiro elétrico para a cidade?

O design exterior do C5 X é assim justificado, como nos confirma Frédéric Angibaud, o designer do exterior do C5 X: “deve ser uma combinação perfeita entre versatilidade, segurança e estética, tendo simultaneamente em conta os aspetos ambientais e económicos”. O resultado final transforma-se assim num cruzamento entre uma berlina, o lado prático de uma carrinha e a a aparência mais desejada de um SUV.

Grande por fora e por dentro

Neste primeiro contacto ao vivo permitiu ainda constatar o quão grande é o novo C5 X. Assente sobre a plataforma EMP2, a mesma que equipa, por exemplo, o Peugeot 508, o C5 X tem 4,80 m de comprimento, 1,865 m de largura, 1,485 m de altura e uma distância entre eixos de 2,785 m.

O Citroën C5 X é, assim, uma das propostas de maiores dimensões do segmento, refletindo-se nas cotas internas.

Quando me sentei no seu interior, tanto à frente como atrás, espaço não faltou. Mesmo pessoas com mais de 1,8 m de altura deverão viajar muito confortavelmente atrás, devido não só ao espaço disponível, como também aos bancos que o equipam.

VEJAM TAMBÉM: Ford revelou Evos na China. Será este o sucessor crossover do Mondeo?

A aposta no conforto será, aliás, um dos principais argumentos do C5 X e os seus bancos Advanced Comfort, mesmo neste breve encontro estático, foram um dos pontos altos. Uma característica que se deve às duas camadas adicionais de espuma com 15 mm de altura cada, que promete tornar as longas distâncias numa brincadeira de crianças.

Fazendo jus às qualidades estradistas dos grandes Citroën do passado, está equipado com a suspensão de batentes hidráulicos progressivos, e pode vir ainda com suspensão de amortecimento variável — Advanced Comfort Active Suspension — que estará disponível em algumas versões.

Mais tecnologia

Mesmo tratando-se de uma unidade pré-série, as primeiras impressões do interior são positivas, com uma montagem robusta e materiais, no geral, agradáveis ao tacto.

Citroën C5 X

O interior destaca-se ainda pela presença de um ecrã tátil de até 12″ (10″ série) ao meio para o infoentretenimento e com índices elevados de conectividade (Android Auto e Apple CarPlay sem fios). Continuam a haver comandos físicos, como os da climatização, que se caracterizam por ter uma agradável e sólida ação no seu uso.

Destaca-se ainda pela estreia de um HUD avançado (Extended Head Up Display), que é capaz de projetar informação a uma distância percebida de 4 m numa área equivalente à de um ecrã de 21″, assim como pelo reforço dos assistentes à condução, permitindo condução semiautónoma (nível 2).

Citroën C5 X

Híbrido, como não podia deixar de ser

O Citroën C5 X deste primeiro “encontro” tratava-se de uma versão de topo e equipado com a motorização híbrida plug-in, a que terá maior protagonismo quando chegar ao mercado.

VEJAM TAMBÉM: O Citroën “boca de sapo” foi o carro mais estranho de sempre a vencer o Rally de Portugal

Não é uma novidade absoluta, pois já conhecemos esta motorização de muitos outros modelos da Stellantis, ou mais especificamente, de outros modelos do ex-Groupe PSA. Esta combina o motor de combustão 1.6 PureTech de 180 cv com um motor elétrico de 109 cv, garantindo uma potência máxima combinada de 225 cv. Equipado com uma bateria de 12,4 kWh deverá garantir uma autonomia elétrica superior a 50 km.

Citroën C5 X

É a única proposta híbrida na gama, por enquanto, mas será acompanhada por outras motorizações convencionais, mas sempre a gasolina — 1.2 PureTech de 130 cv e 1.6 PureTech de 180 cv —; o C5 X prescinde do motor Diesel. E também da caixa manual. Todas as motorizações estão associadas a uma caixa automática de oito velocidades (EAT8 ou ë-EAT8 no caso do híbrido plug-in).

Resta agora esperar por um próximo contacto ao vivo com o novo Citroën C5 X, desta vez, já com a possibilidade de o conduzir. Por agora ainda não foram anunciados preços para o novo topo de gama francês.

Mais artigos em Notícias