Desde 68 855 euros

Novo Peugeot 508 PSE (360 cv). TRÊS MOTORES no Peugeot de produção mais potente de sempre

Depois de uma longa espera, o Peugeot 508 PSE, o Peugeot de produção mais potente de sempre, está a chegar a Portugal e nós já o pusemos à prova.

Depois de vos termos apresentado os números do Peugeot 508 PSE, os seus preços e até termos visto o seu protótipo por duas vezes ao vivo, agora tivemos oportunidade de o conduzir.

Para se consagrar como o Peugeot de produção mais potente de sempre, o 508 PSE recorre não a um, não a dois mas a três motores: um de combustão interna, com quatro cilindros e 1.6 l de capacidade, turbo; e dois motores elétricos, um montado à frente (na caixa automática de oito velocidades ou e-EAT8) e outro atrás.

O motor de combustão entrega 200 cv e os motores elétricos debitam, respetivamente, 110 cv (81 kW) no caso do motor dianteiro e 113 cv (83 kW) no caso do traseiro para oferecerem uma potência máxima combinada de 360 cv e um binário de 520 Nm.

A NÃO PERDER: Peugeot 308 “finta” falta de chips com painéis de instrumentos analógicos
Peugeot 508 PSE

Prestações de respeito

Estes números permitem ao Peugeot de estrada mais potente de sempre alcançar os 100 km/h em 5,2s e os 250 km/h de velocidade máxima (limitada eletronicamente). A juntar a tudo isto, o sistema híbrido plug-in alimentado por uma bateria de 11,8 kWh permite uma autonomia em modo 100% elétrico de 46 km (ciclo WLTP).

Já o carregamento pode ser feito em menos de 7h numa tomada doméstica; em 4h numa tomada de 16 A (amperes) e em menos de 2h numa Wall Box de 32 A.

Quanto à experiência de condução do Peugeot 508 PSE, se o ditado diz que “uma imagem vale por mil palavras”, deixo-vos o vídeo no qual o Guilherme Costa vos detalha como é conduzir o mais potente Peugeot de sempre:

Primeiras impressões

7 / 10
É o primeiro modelo Peugeot Sport Engineered e não será certamente o último. Os técnicos da marca francesa conseguiram um equilíbrio muito interessante: o 508 PSE é um familiar confortável e simultaneamente divertido de conduzir. É pena que a capacidade da bateria que alimenta os dois motores elétricos não seja maior. Ainda assim, são 46 km (ciclo WLTP) sem gastar uma gota de combustível.

  • Comportamento;

  • Consumo;

  • Dotação de equipamento;

  • Conforto de rolamento.

  • Autonomia elétrica «curta»;

  • Peso do conjunto.

Preço

68.795

Data de comercialização: Maio 2021


Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Peugeot 405?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

E dura, dura, dura… o Peugeot 405 continua a ser produzido

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto