Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 73 250 euros

Testámos o Mercedes-Benz E 220 d Cabriolet. Descapotáveis e Diesel fazem sentido?

Na versão E 220 d, o Mercedes-Benz Classe E Cabriolet conjuga o charme dos descapotáveis com a economia dos motores Diesel. A combinação certa?

Sejamos honestos. Os SUV até podem dominar o mercado, mas quando chega o verão, muitos devem ser os que se imaginam de cabelos ao vento, num final de tarde, com um descapotável. Precisamente como o Mercedes-Benz Classe E Cabriolet que tivemos oportunidade de testar.

Numa altura em que a marca alemã já assumiu que vai repensar a sua oferta de descapotáveis, o Classe E Cabriolet mantém-se na gama e vê a sua oferta em Portugal contar com dois motores Diesel e dois a gasolina.

Tendo em conta que, para a maioria dos petrolhead, conjugar um motor Diesel com uma carroçaria descapotável é o equivalente a pedir um bitoque sem bife, pusemos à prova o Mercedes-Benz E 220 d Cabriolet para descobrir se é assim um “pecado” tão grande este casamento “não aprovado”.

A NÃO PERDER: Testámos o Mercedes-Benz GLC 300 de. Compensa eletrificar o Diesel?
MB E220d Cabrio
Apesar de apreciar a elegância e imponência do E 220 d Cabriolet gostava que este não fosse tão semelhante ao seu “irmão mais novo”, o Classe C Cabriolet, principalmente na secção traseira. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Passar despercebido não é opção

Como é habitual nos descapotáveis, o Mercedes-Benz Classe E Cabriolet faz virar muitas cabeças à sua passagem, algo que se torna ainda mais evidente quando abrimos a capota, que pode ser feito até aos 60 km/h, e que permite a todo o mundo ver mais de perto o elegante interior com tons claros.

As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Por lá tenho de elogiar a robustez geral — a capota garante um bom isolamento acústico — e a agradabilidade visual e tátil dos materiais. Já menos merecedor de elogios é, como seria de esperar, o espaço nos bancos de trás, com as viagens mais longas naqueles lugares a não prometerem ser experiências particularmente prazerosas.

Quanto à bagageira, esta acaba por não se “queixar muito” por guardar a capota, perdendo apenas 75 litros no processo (de 385 litros passa para 310).

Focado no conforto

Dinamicamente não são precisos muitos quilómetros para perceber que o descapotável de 4,83 m de comprimento não pretende conquistar-nos pela dinâmica desportiva — nem é esse o seu objetivo.

Apesar de ter tração traseira e uma direção direta e com bom peso, este abdica do divertimento que a tração posterior poderia permitir em detrimento de um comportamento previsível e estável.

Além disso, também a suspensão é mais talhada para o conforto, convidando-nos a longas roadtrip com o mar como “pano de fundo”. E é precisamente devido a este carácter “relaxado” e estradista que o motor Diesel começa a parecer uma escolha… adequada.

Descubra o seu próximo carro:

O som do Diesel

Como é óbvio não vos vou dizer que mal nos apercebemos de que se trata de um motor Diesel. É claro que quando o colocamos a trabalhar não ouvimos o sedoso trabalhar de um motor a gasolina, mas sim o tradicional matraquear de um tetracilíndrico Diesel. Contudo, não é de todo difícil conviver com ele.

Com 194 cv às 3800 rpm e 400 Nm entre as 1600 e as 2800 rpm, o 2.0 l da Mercedes-Benz começa logo por ser mais do que adequado à tarefa de mover os 1870 kg do Classe E Cabriolet, permitindo-nos imprimir ritmos bem mais elevados do que o caráter descontraído do descapotável alemão até convidaria. Contudo, é na frugalidade que está a sua maior qualidade.

Com calma e em estrada aberta consegui médias tão baixas como 3,6 l/100 km, mesmo quando o explorei mais não foram muito além dos 7,5 l/100 km e no final de quase 1000 km percorridos ao volante do modelo alemão a média fixava-se nos 4,8 l/100 km!

E é esta frugalidade que faz deste motor uma boa opção para o Mercedes-Benz Classe E Cabriolet, principalmente quando levamos em conta o carácter mais relaxado da proposta alemã.

Mercedes-Benz Classe E 220 d Cabriolet
Com a capota fechada o isolamento a bordo é quase o mesmo que num carro com teto rígido e não perdemos assim tanta elegância. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Ora, uma vez que o Classe E Cabriolet não procura oferecer a experiência dinâmica de propostas como o BMW M440i xDrive Cabrio que o Miguel Dias testou, o motor Diesel permite-nos usufruir de uma condução relaxada ao “ar livre” durante… mais tempo.

Quanto ao som, podemos sempre aumentar o volume do rádio ou abrir todas as janelas para melhor ouvir o ambiente à volta, mas a ritmos constantes o Diesel “canta baixinho”. Só quando apertamos mais com ele, é que a sua natureza Diesel vem claramente ao de cima.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o BMW Z4 sDrive20i. É preciso mais?

É o carro certo para si?

Bem sei que a experiência de conduzir um descapotável tem várias “vertentes” e uma delas é precisamente ter um motor com uma sonoridade agradável. Contudo, o motor Diesel que equipa o E 220 d Cabriolet tem tantas qualidades que acaba por nos fazer esquecer a sua voz “mais grossa”.

Capota Mercedes-Benz Classe E Cabriolet
Com a capota aberta, se fecharmos os quatro vidros e acionarmos os defletores de vento quase nem nos damos conta de que vamos a bordo de um descapotável, mesmo em autoestrada. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Para quem quer disfrutar de tudo o que de bom existe acerca de ter um descapotável, mas não quer abdicar de percorrer largos quilómetros a bom ritmo sem ter especiais preocupações com os consumos, então o Mercedes-Benz E 220 d Cabriolet é a escolha ideal.

Às qualidades do seu propulsor, o Mercedes-Benz Classe E Cabriolet junta ainda a qualidade típica das propostas da casa de Estugarda, um elevado nível de conforto a bordo e um estilo que continua atual, mesmo quatro anos depois da sua chegada ao mercado.

Preço

unidade ensaiada

84.050

Versão base: €73.250

IUC: €225

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1950 cm3
    • Posição: Dianteira longitudinal
    • Carregamento: Injeção direta common rail + Turbo de Geometria Variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv. por cil. (16 válv.)
    • Potência: 194 cv às 3800 rpm
    • Binário: 400 Nm entre 1600-2800 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Traseira
    • Caixa de velocidades: Automática de 9 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4835 mm / 1860 mm / 1428 mm
    • Distância entre os eixos: 2873 mm
    • Bagageira: 310 litros (com a capota recolhida); 385 litros (com a capota fechada)
    • Jantes / Pneus: 245/40 R19 (à frente); 275/35 R19 (atrás)
    • Peso: 1870 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,6 l/100 km
    • Emissões de CO2: 148 g/km
    • Vel. máxima: 237 km/h
    • Aceleração: 7,7 s
  • Equipamento
    • Apple CarPlay e Android Auto
    • Bancos Traseiros Rebatíveis
    • Patilhas de Selecção da Caixa de Velocidades DIRECT SELECT Integradas no Volante
    • Cruise control
    • Touchpad
    • Sistema de controlo da pressão dos pneus
    • Sistema Multimédia MBUX
    • Forro do Tejadilho em Tecido em Bege Macchiato
    • Ar-condicionado Automático
    • Guarda-lamas AMG de maior dimensão
    • AMG DINAMIC SELECT
    • Pack Bancos Conforto (inclui: ajuste lombar de 4 vias)
    • Assistente de sinais de trânsito
    • Consola central em "sen wood" castanha claro brilhante
    • Bancos dianteiros aquecidos
    • Iluminação ambiente
    • Carregamento wireless e ligação via Bluetooth para smartphone
    • Pack confort cabrio (inclui: AIRCAP e AIRSCARF)
    • Pack Conectividade navegação (inclui: Serviços de navegação; Módulo Comunicações Mercedes me Connect 4G; Sistema de navegação MB)
    • Sistema de travagem com discos maiores no eixo frontal
    • Embaladeiras das Portas Iluminadas com Inscrição "Mercedes-Benz"
    • Assistente ativo de faixa de rodagem
    • Assistente de ângulo morto
    • Cockpit Panorâmico
    • Pack KEYLESS-GO (inclui: acesso e arranque mãos livres)
    • MULTIBEAM LED (inclui: assistente de máximos Plus; sistema de luzes inteligente MULTIBEAM LED)
    • Pack Estacionamento com Câmara 360º (inclui: sistema de estacionamento ativo com PARKTRONIC e câmara de marcha atrás)
    • Espelhos anti encadeamento
    • Espelhos rebatíveis
    • Realidade aumentada MBUX para sistema de navegação
    • Protecção de peões
    • Carregamento USB na zona traseira
Extras
Head-up Display — 1016,26 €; Capota de Lona em Encarnado Escuro — 203,25 €; Acabamentos em Madeira Castanha Brilhante — 81,30 €; Linha AMG (inclui: linha de design interior AMG; pack de iluminação interior; volante desportivo multifunções em pele Confort; tabliê em pele ARTICO; linha de design exterior AMG; suspensão AGILITY Control afinação desportiva) — 2926,83 €; Jantes em liga leve AMG de 10 raios e 19" — 203,25 €; Pack Premium — 2642,28 €; Pack de assistência à faixa de rodagem — 365,85 €;
Avaliação
8 / 10
O Mercedes-Benz E 220 d Cabriolet prova que devemos abandonar preconceitos. É verdade que não oferece a experiência sonora mais gratificante, contudo o seu motor Diesel é pujante e, acima de tudo, económico. Se a tudo isto juntarmos ainda uma qualidade geral referencial acabamos por perceber porque razão a Mercedes-Benz continua a apostar no Classe E Cabriolet num mercado cada vez mais dominado pelos SUV.
  • Conforto
  • Relação consumos/prestações
  • Estilo
  • Qualidade geral
  • Espaço nos bancos traseiros
  • Sonoridade do motor Diesel
Sabe responder a esta?
Por que outro nome era conhecido o Fiat Cinquecento Sport?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Fiat Cinquecento Sport (mas só em Portugal)

Mais artigos em Testes, Ensaio