Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Entrevista

Pedro Fondevilla, diretor geral da CUPRA Portugal. “Não somos uma marca de modelos partilhados”

A Razão Automóvel esteve à conversa com Pedro Fondevilla, diretor geral da CUPRA Portugal. Do design à eletrificação, falámos sobre o futuro da marca espanhola no nosso país.

Para Pedro Fondevilla, que desde março está na dianteira dos destinos da CUPRA em Portugal, não há dúvida: “a marca vai continuar a crescer em Portugal”.

Um otimismo que não parece ser afetado pelos desafios que o setor automóvel atravessa.

“Só teme o futuro que não sabe para onde vai”, assume este responsável, que aponta como prioridade da sua liderança o crescimento da marca em Portugal, com ênfase na introdução dos modelos híbridos e elétricos.

TÊM DE VER: O futuro do Off Road? Já andámos no ABT CUPRA XE 100% ELÉTRICO

Para onde vai a CUPRA?

Com apenas três anos de presença no mercado e apesar do contexto mundial desfavorável — devido à crise pandémica motivada pelo COVID-19 — a CUPRA registou um crescimento de 11% em 2020, números que equivalem a um total de 27 400 unidades vendidas.

Pedro Fondevilla com Guilherme Costa
Antes de rumar a Portugal, Pedro Fondevilla exerceu funções como responsável de direção de produto da SEAT. O seu percurso profissional na indústria automóvel já contabiliza mais de 20 anos de experiência. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Parte deste crescimento deve-se, segundo Pedro Fondevilla, “à excelente recepção do CUPRA Formentor“. Um modelo que já equivale a 60% das vendas da CUPRA a nível mundial e a mais de 80% em Portugal. “Foi o primeiro modelo onde aplicámos 100% do ADN da marca. É um modelo com personalidade própria, e isso refletiu-se na procura”.

Para Pedro Fondevilla, é precisamente na “personalidade própria” que a CUPRA tem um dos seus fatores de sucesso: “Sabemos que o nosso design pode não ser do agrado de todos, mas quem gosta, gosta mesmo”. É por isso que o futuro da marca passa por mais modelos 100% CUPRA.

Não somos uma marca de modelos partilhados e temos um posicionamento único no mercado. A chegada do CUPRA BORN mostra o caminho que vamos continuar a seguir.

Pedro Fondevilla, Diretor geral da CUPRA Portugal

O CUPRA Born será o primeiro modelo 100% elétrico da marca espanhola. Um modelo que vai chegar a Portugal no final de 2021 e que será secundado pela chegada de outro elétrico, o CUPRA Tavascan, em 2024.

CUPRA UrbanRebel
A CUPRA vai marcar presença no Salão de Munique com o UrbanRebel Concept, um protótipo de linhas radicais que antecipa um elétrico urbano a lançar em 2025.

O desafio da eletrificação

A venda de modelos elétricos e eletrificados em Portugal aumentaram mais de 50% em 2020. Porém, na opinião de Pedro Fondevilla, a infraestrutura de carregamento de veículos elétrico no nosso país “ainda não está a conseguir acompanhar as necessidades e a vontade que os condutores têm de fazer esta transição. A rede de carregamento não é suficiente, há um longo caminho pela frente”.

É urgente que haja mais investimento público nas infraestruturas de carregamento. As marcas podem fazer a mudança, mas os nossos clientes também precisam das ferramentas para transitarem connosco.

Pedro Fondevilla, Diretor geral CUPRA Portugal
Pedro Fondevilla, diretor da CUPRA Portugal
Praticante de Padel há mais de 10 anos, Pedro Fondevilla voltou a encontrar-se com a modalidade através da CUPRA, que é desde 2018 a principal patrocinadora do World Padel Tour. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

No que à CUPRA diz respeito, os desafios são outros: “independentemente da tecnologia, os modelos CUPRA têm de ser gratificantes de conduzir.

VEJAM TAMBÉM: CUPRA Leon Sportstourer e-HYBRID. Imagem convence e o resto?

Os resultados da CUPRA mostram que há consumidores que não querem «naves espaciais». Querem automóveis com um design sofisticado e que sejam agradáveis de conduzir”, afirma este responsável, apontando a eletrificação como um dos principais desafios da marca.

Pedro Fondevilla, diretor da CUPRA Portugal
Fondevilla aponta a infraestrutura de carregamento deficitária como principal obstáculo ao crescimento das vendas de veículos elétricos no nosso país. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Relativamente à continuidade da oferta de modelos com motores de combustão na gama da CUPRA, Pedro Fondevilla não confirma nem desmente a continuidade desta tecnologia no futuro da marca, preferindo afirmar que “na CUPRA vamos ter sempre em atenção quais são as necessidades dos nossos clientes”. E como sabemos, na CUPRA ainda há espaço para modelos como o CUPRA Formentor VZ5:

Seja como for, parece que no futuro da CUPRA, o prazer de conduzir estará sempre no epicentro da marca, é a convicção de Pedro Fondevilla. Uma convicção alicerçada por mais de 20 anos de experiência no setor automóvel.

O percurso de Pedro Fondevilla

Licenciado em Administração e Gestão de Empresas pela Universidade de Barcelona e pós-graduado em Marketing pela ESADE Business School, Fondevilla iniciou a sua carreira profissional como controller em França no Grupo Renault, antes de voltar a Espanha com o mesmo Grupo.

Pedro Fondevilla, diretor da CUPRA Portugal © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Em 2006, ingressou no Grupo Volkswagen España Distribución (então VAESA), ocupando diversos cargos na área Comercial até chegar ao Departamento de Marketing da marca Volkswagen, cargo que ocupou até 2018, ano em que ingressou na SEAT S.A.

Mais artigos em Notícias