Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

e-Niro Van. Elétrico da Kia ganhou versão comercial só para Portugal

O Kia e-Niro Van é um crossover elétrico transformado num comercial de dois lugares com mais capacidade de carga. Será que esta solução faz sentido?

A Kia Portugal aproveitou a apresentação nacional estática do EV6 para revelar uma inédita solução elétrica para o mercado nacional, denominada e-Niro Van.

Trata-se da versão comercial de dois lugares do Kia e-Niro, que está disponível com bateria de 39,2 kWh e 64 kWh e que oferece 1,5 m3 de capacidade de carga.

O ponto de partida é o Kia e-Niro “convencional”, de cinco portas, que depois recebe um kit de transformação — desenvolvido em Portugal — que lhe dá acesso à homologação como veículo comercial.

A NÃO PERDER: e-Niro Move 39. A versão mais acessível do crossover elétrico da Kia
Kia_e-Niro_Van 4 © Razão Automóvel

Por fora, não há rigorosamente nada que o denuncie como um comercial ligeiro. Nem mesmo a ausência dos bancos traseiros e a introdução de uma antepara metálica são percetíveis a partir de fora, já que este Kia e-Niro Van conta, de série, com vidros traseiros escurecidos.

A introdução deste crossover comercial elétrico é um sinal do nosso compromisso para com a generalização das motorizações elétricas e eletrificadas e um argumento único na gama ecológica da Kia, que já é uma das mais extensas e diversificadas do mercado português.

João Seabra, diretor-geral da Kia Portugal

O Kia e-Niro Van é disponibilizado com a mesma oferta de baterias da versão de cinco lugares — 39,2 kWh ou 64 kWh — que oferecem respetivamente, uma autonomia de 289 km ou 455 km no ciclo combinado WLTP, que se estende aos 405 km ou 615 km em circuito urbano WLTP.

Na versão com bateria de 39,2 kWh, o e-Niro Van oferece 100 kW (136 cv), número que sobe para os 150 kW (204 cv) na variante com a bateria de maior capacidade.

Kia_e-Niro_Van © Razão Automóvel

O que muda?

Mas se o grupo propulsor e as baterias são os mesmo que encontramos na versão de cinco portas, e se a imagem exterior não se alterou, o que muda, afinal, nesta versão comercial?

LEIAM TAMBÉM: Ansiedade com a autonomia? Nenhuma. Testámos o elétrico Kia e-Niro

Além das diferenças óbvias ao nível da capacidade de carga, o facto de ser um comercial elétrico faz com que este e-Niro Van passe a ser elegível aos incentivos do Estado para a aquisição de veículos ligeiros de mercadorias elétricos, através do Fundo Ambiental, que pode ascender aos 6000 euros para empresas e particulares.

Kia e-Niro

Preços

O Kia e-Niro Van está disponível com preços desde 36 887 euros (ou 29 990 euros + IVA) para a versão com bateria de 39,2 kWh e desde 52 068 euros (ou 34 000 euros + IVA) para a versão de 64 kWh.

Se tivermos em conta os 6000 euros de incentivos do Estado para a aquisição de veículos ligeiros de mercadorias elétricos, o preço de entrada do e-Niro Van desce para os 30 887 euros.

A somar a isto, os clientes empresariais ainda podem recuperar a totalidade do IVA, o que no limite pode deixar este elétrico por um preço a rondar os 23 990 euros.

A NÃO PERDER: EV6. Já sabemos quanto custa o novo crossover elétrico da Kia
Kia_e-Niro_Van © Razão Automóvel

Todos os Kia e-Niro Van vendidos em Portugal vão fazer-se acompanhar dos bancos traseiros e dos cintos correspondentes, sem que isso implique qualquer pagamento extra. Ao fim de dois anos, proprietários e empresas podem optar por desinstalar o kit de transformação em viatura comercial e recuperar a configuração original de cinco lugares.

Tal como as restantes unidades da marca sul-coreana, o e-Niro Van usufrui de uma garantia de fábrica de sete anos ou 150 000 km. Esta garantia abrange também a bateria e o motor elétrico.

Sabe responder a esta?
Qual a potência máxima do Kia EV6 GT?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Kia EV6 GT. Será que consegue ser mais rápido que verdadeiros desportivos?

Mais artigos em Notícias