Desde 32 507 euros

Ford Focus Active 1.5 Diesel testado. Precisamos mesmo de um SUV?

Conduzimos o Ford Focus na versão Active, a mais aventureira, e com um motor Diesel de 120 cv. Uma combinação improvável para os dias que correm ou uma solução que faz sentido?

De acordo com os mais recentes dados da Jato Dynamics, os SUV já representam quase metade das vendas de carros novos na Europa. E a verdade é que basta sair à rua para rapidamente “validarmos” estes números. Mas e quem, por algum motivo, não precisa ou não quer optar por um SUV, mas precisa de alguma capacidade adicional fora de estrada, como faz? Bem, é aí que entra este Ford Focus Active.

Tal como o Fiesta Active que testámos recentemente, o Focus Active assume-se como uma alternativa aos SUV dentro da gama Ford, acrescentando mais versatilidade, mais irreverência e mais capacidade… fora de estrada que o Focus “convencional”.

Mas será que isso chega para fazer deste Focus Active uma alternativa válida? Passei quatro dias com ele, divididos por autoestrada e estradas secundárias — até houve tempo para uma pequena incursão pelos “maus caminhos”… — para saber tudo sobre este familiar de “calças arregaçadas”, que aqui se apresenta com um motor Diesel 1.5 EcoBlue de 120 cv.

A NÃO PERDER: Ford Focus ST-Line 1.0 Ecoboost (155cv). Compensa comprar o mais potente?
Ford Focus Active
As proteções nos para-choques e nas cavas das rodas dão ao Focus Active um “look” mais robusto. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

É um Focus… diferente!

As diferenças visuais para um Focus “normal” são suficientemente significativas para que o Focus Active se distancie e não se deixe confundir. Para isso muito contribuem as barras de tejadilho, as proteções da carroçaria e claro, a maior altura ao solo: + 30 mm no eixo dianteiro e + 34 mm no eixo posterior.

O resultado é um visual mais robusto e que convida a um leque de utilização mais vasto, sobretudo no que aos trilhos diz respeito. Ao contrário do que manda a “lei”, eu sou dos que defendem que os gostos se discutem… e muito. Mas neste caso em particular não tenho dúvidas: o Focus Active resulta muito bem a vários níveis.

Ford Focus Active
Sim, pareceu-nos uma excelente ideia colocar este Focus Active em três rodas… © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Posição de condução elevada

No interior, são os bancos com almofadado reforçado e com costuras contrastantes que mais se destacam, já que permitem uma posição de condução ligeiramente mais elevada (tão apreciada pelos clientes da tipologia SUV) e, como consequência, uma maior visibilidade para fora.

Ford Focus Active
Bancos dianteiros desta versão são específicos e oferecem suporte lateral reforçado. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Tal como já tínhamos identificado noutros ensaios ao Focus, a qualidade de montagem exibe-se em muito bom plano, algo que fica evidente quando levamos este Active para fora de estrada, onde as irregularidades do terreno colocam outros desafios.

VEJAM TAMBÉM: Renovado Ford Focus “apanhado”. Que novidades esconde?

Quanto à “arrumação” da consola e do tabliê, nada a apontar. Em linha com as mais recentes propostas da marca da oval azul, este Focus Active disponibiliza um ecrã de 8” ao centro do tabliê — serve de terminal para o sistema de infoentretenimento da Ford, o SYNC3 — que permite integração com o smartphone através do Apple CarPlay ou Android Auto.

De destacar os comandos físicos que permitem controlar o sistema multimédia e a climatização. Podem não ser visualmente tão apelativos quanto as propostas digitais que já se vão vendo no mercado — sim, estou-me a referir a ti Volkswagen Golf —, mas são simples e funcionam. E isso faz toda a diferença.

No capítulo da habitabilidade, tudo se manteve inalterado face ao Focus “convencional”. Isto quer dizer que temos quotas de referência no segmento e que nos permitem acomodar de forma muito confortável dois adultos (ou duas cadeiras de bebés, por exemplo…) no banco traseiro.

Ford Focus Active
Lá atrás, na bagageira, 375 litros de capacidade que podem ser “esticados” até aos 1354 litros com os bancos posteriores rebatidos. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Melhorou na “terra”… mas e o resto?

Esta era uma das dúvidas que tinha antes de me sentar ao volante. Além do visual mais aventureiro, esta variante Active conta com um conjunto de molas, amortecedores e barras estabilizadores específicos, distintos do Focus “convencional”.

A NÃO PERDER: Testámos o Ford Puma Vignale com caixa automática. O lado “mais fino” do Puma?

Sendo o Focus uma referência em termos dinâmicos — este chassis convence ao fim de muito poucos quilómetros, acreditem… — no segmento, tinha receio que estas alterações tivessem afetado o comportamento em estrada. Mas rapidamente percebi que essas qualidades estavam intactas, e se estavam!

Ford Focus Active
Focus Active oferece maior altura ao solo que o Focus “convencional”: + 30 mm no eixo dianteiro e + 34 mm no eixo posterior. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Apesar da maior altura ao solo, o Focus Active continua a ter um comportamento exemplar em estrada e convida-nos regularmente a tirar proveito do que este chassis tem para oferecer. E é aqui, na capacidade em curva e no potencial dinâmico, que eu acho que este Focus Active começa a ganhar a “corrida” a muitos SUV.

O centro de gravidade mais baixo tem um papel importante nesta minha opinião, mas está longe de ser a única razão. Esta variante aventureira partiu de uma base dinâmica muito boa e a Ford conseguiu manter isso nesta versão mais apta para caminhos sinuosos. É certo que o Active dá outra confiança nesse capítulo, mas nota-se que houve uma preocupação em não deixar que isso roubasse o protagonismo a tudo o resto.

A NÃO PERDER: Ford Puma ST. 200 CV para o mais desportivo dos Puma

Respondida que estava esta minha dúvida — a resposta do Focus Active foi peremptória… — era altura de perceber a verdadeira mais-valia do Focus Active: a capacidade de andar por “maus caminhos”.

Ford Focus Active
Este Focus Active vai onde a grande maioria dos SUV de tração dianteira consegue ir. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

E aqui, o Active vai mais longe que todos os outros Focus, ainda que a altura ao solo continue a ser o seu maior “handicap“. Mas a menos que vão para terrenos muito acidentados, este Focus Active não “deve” nada aos SUV.

Andei com ele em estradões de terra, com algumas pedras soltas, e fiquei surpreendido. A forma como a suspensão absorve todas as irregularidades do asfalto — mesmo a velocidades de 50 km/h… — é quase irrepreensível. Mas a somar a tudo isso, e mesmo sendo muito seguro e previsível, não dispensa a mesma dose de diversão que oferece em asfalto, o que me deixou com um sorriso de orelha a orelha enquanto o conduzia.

Dois modos de condução específicos

Para o bom desempenho fora de estrada muito contribuem os dois modos de condução específicos da versão Active: escorregadio e trilho, que se juntam aos outros três já disponíveis nas restantes versões da gama Focus (Eco/Normal/Sport).

Ford Focus Active
Cinco modos de condução à escolha: escorregadio e trilho são exclusivos. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Estes modos influenciam a atuação do controlo de tração e do controlo de estabilidade e são verdadeiras mais valias quando enfrentamos troços de terra ou mesmo alguma lama. É certo que não têm a mesma eficácia de um sistema de tração integral — este Focus Active “puxa” apenas à frente — mas cumprem muito bem a sua função.

Como seria de esperar, o modo Sport deixa tudo mais interessante na hora de “atacar” uma estrada com curvas mais pronunciadas, uma vez que torna a resposta do acelerador mais imediata e deixa a direção bastante mais pesada. E para minha surpresa, isso não tem um impacto muito negativo nos consumos.

LEIAM TAMBÉM: Depois do híbrido plug-in, testámos o Ford Kuga 100%… octanas. Escolha acertada?

Agora vamos falar de Diesel…

Como já devem ter reparado, ainda não falei — exceto no início… — do motor Diesel que equipa este Focus. Mas foi propositado.

Ford Focus Active
Faróis adaptativos LED são opcionais e custam 1015 euros. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Tantas vezes alvo de perseguição, o motor Diesel está muito longe de estar morto. Essa é, pelo menos, a minha convicção, uma vez que sou um tipo de condutor que faz alguns milhares de quilómetros todos os meses, grande parte deles em autoestrada.

E voltei a confirmar esta minha “teoria” com o Focus Active equipado com um 1.5 EcoBlue de 120 cv, aqui associado a uma caixa automática de oito velocidades, que se mostrou sempre em muito bom plano: bem escalonada, com passagens suficientemente rápidas e com um funcionamento suave.

Ford Focus Active
Motor 1.5 EcoBlue produz 120 cv e 300 Nm de binário máximo. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Este motor “casa” na perfeição com esta proposta Active, que vê reforçadas as suas capacidades de estradista. Em parte por culpa do maior conforto que exibe, mas muito por causa deste bloco Diesel, que nunca me deixou com a sensação de ser algo “curto” e me convenceu com a tranquilidade e os consumos que mostrou em autoestrada: 5,7 l/100 km.

Com uma condução mais cuidada é possível ficar mais próximo dos 5 l/100 km/h, registo que volta a deixar este Focus de “calças arregaçadas” numa boa posição face aos SUV. E isto com uma versão de caixa automática, que costumavam ser, tradicionalmente, mais gastadoras. Ainda o são, como neste caso: no teste à carrinha Focus Active com o mesmo motor, mas com caixa manual de seis velocidades conseguimos consumos ainda mais baixos.

RELACIONADO: A carrinha para esquecer os SUV. Ford Focus Active SW Diesel testada
Ford Focus Active © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

É o carro certo para si?

Se procuram uma solução divertida e com argumentos capazes de rivalizar com um SUV de tração dianteira, este Focus Active é um modelo a considerar.

A maior altura ao solo face ao Focus e as alterações ao nível da suspensão fazem com que ele seja capaz de explorar terrenos mais acidentados, onde um familiar dito “normal” já passa mal.

A NÃO PERDER: Ford Puma testado. A prova que os B-SUV podem ser também cativantes de conduzir

Estradões de terra, alguma lama ou trilhos com pedras soltas são desafios que passam a estar ao alcance. E mesmo que a altura ao solo seja uma limitação em terrenos com maior desnível ou obstáculos mais altos, acredite que um SUV de tração dianteira dificilmente vai resolver isso.

Ford Focus Active
O Focus Active não se deixa confundir com os restantes Focus. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Neste capítulo, acredito que este Focus Active consegue fazer tudo o que um SUV de tração dianteira faz, com a diferença de que exibe outro tipo de argumentos no asfalto, onde o centro de gravidade mais baixo e o fantástico chassis do Focus fazem toda a diferença.

Quero com isto dizer que no mesmo “pacote” passamos a ter uma proposta mais aventureira, capaz de o levar por “maus caminhos”, sem que tenha que abdicar de uma condução mais envolvente e dinâmica em estrada. E isso é algo que muitos SUV não conseguem oferecer. O Ford Puma é uma das exceções…

A NÃO PERDER: Ford Kuga PHEV. É o híbrido plug-in mais barato do segmento e nós já o testámos

Espaçoso, muito bem construído e sem ruídos chatos a invadirem o habitáculo, o Ford Focus Active é uma escolha muito segura, sobretudo quando associado a este motor Diesel de 1.5 litros com 120 cv, onde vê tudo isto reforçado com qualidades de estradista superiores e consumos muito contidos.

Ford Focus Active
Acabamos em grande, novamente de roda no ar… © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Com preços a começar nos 32 507 euros, o Ford Focus Active está longe de ser uma proposta acessível, mas decorrem atualmente campanhas que o deixam com um valor um pouco mais atrativo.

Preço

unidade ensaiada

36.650

Versão base: €32.507

IUC: €147

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1499 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta Common Rail + Turbo de geometria variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 120 cv (às 3600 rpm)
    • Binário: 300 Nm (entre 1750 - 2250 rpm)
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de 8 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4397 mm / 1844 mm / 1502 mm
    • Distância entre os eixos: 2700 mm
    • Bagageira: 375 litros (1354 litros)
    • Jantes / Pneus: 215/50 R18
    • Peso: 1394 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4,8 l/100 km
    • Emissões de CO2: 126 g/km
    • Vel. máxima: 193 km/h
    • Aceleração: 10,2s
  • Equipamento
    • Difusores dianteiros e traseiros Active
    • Grelha frontal exclusiva Active
    • Protecções nas cavas das rodas Active
    • Pára-choques dianteiro e traseiro exclusivo Active
    • Faróis automáticos
    • Faróis de nevoeiro dianteiros com luzes de canto
    • Luzes diurnas LED
    • Spoiler traseiro na cor da carroçaria
    • Frisos dos faróis em preto
    • Ar condicionado automático
    • Bancos rebatíveis EasyFold 60:40
    • Câmara de visão traseira
    • Carregador sem fios
    • Sistema automático de velocidade com limitador de velocidade
    • Punho da alavanca de mudanças forrada a couro
    • Capas de pedais em alumínio
    • Seleção de 5 modos de condução
    • Rádio SYNC3 com ecrã táctil TFT de 8'' e 6 altifalantes
    • Ford Pass Connect
    • Sistema auxiliar de estacionamento à frente e atrás
    • Suspensão elevada
    • Apple CarPlay, Android Auto, Applink
    • Estofos em tecido com pespontos em azul
    • Volante forrado a couro
    • Limitador de velocidade inteligente
    • Assistência à pré-colisão (com travagem activa)
    • Travagem pós-colisão
    • Assistente ao arranque em subida (HLA)
    • Assistência à manutenção de faixa
    • Retrovisores eléctricos aquecidos e recolhíveis
    • Sistema de deteção de deflação de pneus (DDS)
    • Jantes de liga leve 17"
Extras
Pintura metalizada "Panther Blue" — 634 €; Sistema de Navegação Premium com B&O Play — 305 €; Faróis Adaptativos LED — 1015 €; Jantes de Liga Leve 18'' Active — 407 €; Head Up Display — 407 €; Pack Driver (Sistema de Estacionamento Automático; Câmara de visão traseira; Protecção das portas; Sensores de estacionamento à frente e atrás e Sistema de deteção de ângulo morto) — 609 €; Pack Driver Plus (Sistema de Reconhecimento de Sinais de Trânsito; Faróis máximos automáticos; Sistema de deteção de obstáculos; Controlo automático de velocidade adaptativo; Sistema Stop&Go e Sistema de aviso de saída de estrada) — 407 €; Pack Winter (Volante aquecido; Bancos aquecidos; Pára-brisas “Quick clean”) — 355 €.
Avaliação
8 / 10
Nota: 8,5. O Ford Focus Active é um automóvel que faz muitas coisas bem e que nos leva a pôr em causa a necessidade de haver SUV. Mais pesados, mais gastadores e quase sempre menos divertidos de conduzir, os SUV de tração dianteira não vão muito mais longe do que este Focus de "calças arregaçadas". E esse é mesmo o maior elogio que lhe posso fazer, uma vez que em tudo o resto continua a ser um… Ford Focus, com todas as coisas boas que isso representa: qualidade de montagem, espaço no habitáculo, acerto da direção, potencial do chassis e capacidade dinâmica.
  • Versatilidade
  • Comportamento dinâmico
  • Competência fora de estrada (trilhos)
  • Direção
  • Grafismos do ecrã do painel de instrumentos
  • Botões do volante algo duros
Sabe responder a esta?
Qual é a capacidade da bagageira do novo Ford Puma?

Mais artigos em Testes, Ensaio