Desde 24 283 euros

Testámos o Ford Focus Active. Quem não tem cão…

Enquanto espera pelos novos SUV dos segmentos mais baixos, a Ford usa os crossover para atrair os condutores mais aventureiros. Depois do Ka+ e do Fiesta, foi a vez do Focus ter a sua versão Active, que testámos com o motor 1.0 EcoBoost de 125 cv.

As vendas dos SUV do segmento dos campactos continuam a subir, a taxas de dois dígitos, praticamente obrigando todos os construtores a lançar modelos deste género.

No caso da Ford, o Kuga não tem tido no nosso país a capacidade de atrair tantos compradores como a marca gostaria, esperando com ansiedade pelos novos SUV, já prontos a ser lançados e que vão revolucionar a oferta da marca nesta faixa do mercado.

Mas enquanto isso não acontece, a Ford alarga a sua gama de versões Active, os crossover feitos com base nos seus modelos de maior difusão, estamos a falar do KA+, do Fiesta e agora do Focus, que está disponível tanto na carroçaria ensaiada de cinco portas, como na carrinha.

VÊ TAMBÉM: Ford prepara eletrificação com Fiesta e Focus EcoBoost Hybrid

O conceito não tem muito de novo e assenta em dois pilares, o primeiro é a parte estética, exterior e interior, e o segundo a parte mecânica, com algumas alterações relevantes. Comecemos pela segunda parte, que é a mais interessante.

Mudou mais do que parece

Face ao Focus “normal”, o Active tem molas, amortecedores e barras estabilizadoras diferentes, com taragens capazes de lhe dar outra resistência em caminhos de terra ou de neve e gelo. A altura ao solo foi aumentada em 30 mm, no eixo da frente e em 34 mm, no eixo traseiro.

Mais interessante, ao contrário das outras versões, que usam uma suspensão traseira de barra de torção nas motorizações menos potentes, no Focus Active todas as versões estão equipadas com suspensão traseira multibraço, o que acaba por ser um “brinde” para quem opta pelo Active. Esta solução usa um pequeno sub-chassis traseiro, melhor isolado, e casquilhos com rigidez diferente aos esforços laterais e longitudinais.

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost

É a maneira de conseguir maior conforto em caminhos de terra, sem degradar o lendário comportamento dinâmico em estradas de asfalto.

Os pneus do Ford Focus Active também são de perfil mais alto, com medida 215/55 R17, de série e os opcionais 215/50 R18, que estavam montados na unidade ensaiada. Mas continuam a ser vocacionados inteiramente para o asfalto, o que é pena, para quem gostaria de levar o Focus Active para caminhos mais pedregosos.

Mais dois modos de condução

O botão de seleção dos modos de condução, posicionado na consola central sem o protagonismo que merecia, tem mais duas opções além das três (Eco/Normal/Sport) que estão disponíveis nos outros Focus: Escorregadio e Trilhos.

No primeiro caso, o controlo de estabilidade e tração é ajustado para reduzir a patinagem em pisos como lama, neve ou gelo e torna o acelerador mais passivo. No modo “Trilhos”, o ABS é ajustado para maior deslizamento, o controlo de tração permite mais rotação das rodas, para libertar os pneus do excesso de areia, neve ou lama. O acelerador também fica mais passivo.

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost

Enfim, são as modificações possíveis de serem feitas sem alterar muito a base de trabalho, portanto com o mínimo de custos.

Os SUV representam mais de 1 em cada 5 novos Ford vendidos na Europa. A nossa família Active de modelos crossover oferece aos nossos clientes uma opção estilo SUV ainda mais atraente. O novo Focus Active não se limita a ser mais um elemento dessa família: o seu chassis único e as novas opções de Modos de Condução dão-lhe real capacidade para sair dos circuitos habituais e explorar novos caminhos.

Roelant de Waard, Vice-Presidente de Marketing, Vendas e Serviço da Ford Europa

Estética “aventureira”

Quanto à parte estética, por fora são óbvios os alargamentos dos guarda-lamas, o desenho das jantes e dos para-choques, inspirados no “off-road” e as barras no tejadilho. No interior são os bancos com almofadado reforçado, costuras a cor contrastante e o logotipo Active, que também aparece em chapas nas embaladeiras. Há outros detalhes de decoração e de escolhas de tons específicos para esta versão.

Para quem gosta deste tipo de crossovers, decerto não ficará desapontado com o aspeto deste Focus Active, que mantém todos os outros benefícios da nova geração Focus, tais como o maior espaço habitável, melhor qualidade de materiais, muito mais equipamento disponível e novos auxílios eletrónicos à condução, entre os que são de série e os opcionais. Esta unidade estava “carregada” de opcionais, para nós os podermos testar todos, fazendo o preço subir, claro.

As primeiras impressões aparecem quando se abre a porta e se ocupa o lugar do condutor, que fica apenas um pouco mais alto do que nos outros Focus. A diferença não é muita e depende da posição de condução de cada um, mas está lá e proporciona uma melhor visibilidade no trânsito citadino.

De resto, a posição de condução continua excelente, com um volante de raio correto e pega perfeita, boa posição relativa do punho da caixa manual de seis velocidades, monitor central tátil fácil de alcançar e com teclas virtuais grandes; e um painel de instrumentos de fácil leitura, apesar de o computador de bordo não ser dos mais intuitivos, nem os botões do volante que o comandam.

A qualidade dos materiais desta nova geração do Focus está ao nível dos melhores no segmento, tanto na quantidade dos plásticos macios, como nas texturas e aparência geral.

Os bancos são confortáveis e com o apoio lateral suficiente e não falta espaço, nos lugares da frente. Na fila de trás, também há muito espaço para os joelhos e a largura cresceu face ao anterior Focus, tal como na mala, que tem uma capacidade de 375 l.

Excelente dinâmica

Voltando à condução, o motor 1.0 de três cilindros EcoBoost e 125 cv continua a ser um dos melhores da sua classe, com um funcionamento muito discreto e bem insonorizado. Em cidade, a sua resposta é sempre mais do que suficiente, linear e disponível desde os baixos regimes, nem obrigando a usar muito a caixa de velocidades manual de seis, que tem uma seleção suave e precisa, que dá gosto manipular.

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost

A direção está muito bem calibrada, entre a intensidade da assistência e a precisão, proporcionando movimentos muito suaves e controlados. A suspensão passa por bandas sonoras elevadas sem sacudir os ocupantes e consegue processar bem os buracos e outras irregularidades da estrada.

É confortável e controlado, um compromisso que não é nada fácil de atingir. Se é mais confortável que um Focus normal? A diferença é pequena mas percebe-se que o maior curso da suspensão trabalha a favor dessa causa, bem como a suspensão traseira multibraço.

Em autoestrada, não se dá conta de nenhum prejuízo causado pela suspensão mais alta, que consegue manter o carro muito estável e sem oscilações parasitas. Quando se passa para estradas secundárias, com curvas mais exigentes, a atitude geral do Focus Active continua a ser semelhante à dos outros modelos, com um fabuloso equilíbrio entre precisão da direção e do eixo da frente e uma atitude neutra em que se nota bem o desempenho da suspensão traseira.

Subscreve o nosso canal de Youtube.

Duas opções de condução

Quando se “atira” o Focus para uma curva, a frente mantém-se fiel à linha inicial e depois é a traseira a ajustar-se para evitar que apareça subviragem. Tudo isto com o controlo de estabilidade a trabalhar de maneira muito discreta, só entrando em cena se necessário.

A melhor parte é que o condutor pode optar por passar ao modo de condução Sport, que atrasa a intervenção do ESC e torna o acelerador mais sensível, ficando com as ferramentas de que precisa para jogar um pouco com a traseira, colocando-a a deslizar no ângulo que achar mais divertido.

Carregando mais velocidade para dentro da curva, percebe-se que a carroçaria se inclina um pouco mais e que o conjunto suspensão/pneus tem outra amplitude de movimentos em relação aos Focus mais baixos. Mas as diferenças são ténues e só se percebem quando se guia realmente depressa.

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost

Pode dizer-se que a suspensão multibraço praticamente compensa o que se perdeu em controlo dos movimentos da carroçaria, face a um ST-Line, por exemplo.

“Escorregadio e Trilhos”, para países com neve

Quanto aos dois modos de condução extra, à falta de neve e gelo, uma planície com erva alta serviu para ver que o modo “Escorregadio” realmente faz o que diz, facilitando a progressão e o arranque, mesmo quando se acelera a fundo. O efeito do modo “Trilhos”, testado num caminho de terra, não ficou tão óbvio, nem na diferente abordagem do ABS, nem do controlo de tração.  Certamente que os seus benefícios ficariam mais claros sobre neve ou gelo.

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost

Seja como for, os fatores mais limitativos de uma utilização do Ford Focus Active em caminhos sem asfalto são a altura ao solo de apenas 163 mm e os pneus de estrada. Em estradas de terra com muita pedra, é preciso cuidado, para não furar um pneu, tanto mais que o suplente é de medida reduzida.

Outros aspetos que mereceram destaque durante este teste foram o Head Up Display, que usa uma lâmina de plástico como ecrã, mas que tem uma leitura muito fácil. Também os sistemas de ajuda à condução se mostraram competentes, nomeadamente o reconhecimento de sinais de trânsito e a câmara traseira.

VÊ TAMBÉM: Ford Focus 1.5 EcoBoost Vignale SW. Testámos o Focus com sotaque italiano

É o carro certo para mim?

Para quem gosta da ideia de um Focus com visual “aventureiro”, esta versão Active não vai desiludir, desde logo porque os 10,3s na aceleração 0-100 km/h são um bom “tempo” para um motor de 125 cv e 200 Nm (em overboost), que emite 110 g/km de CO(NEDC2).

Ford Focus Active 1.0 EcoBoost
O pluri-vencedor 1.0 EcoBoost.

Quanto aos consumos, os 6,0 l/100 km anunciados para cidade, são um pouco otimistas. Durante a totalidade do teste, que incluiu todo o tipo de condução, o computador de bordo andou quase sempre acima dos 7,5 l/100 km, apesar da tecnologia de desativação do cilindro central.

Comparando preços, o valor base, sem opcionais, deste Ford Focus Active 1.0 EcoBoost 125 é de 24 283 euros, praticamente igual ao de uma versão ST-Line com o mesmo motor, existindo ainda um desconto de 3200 euros, oferta de 800 euros em opcionais e 1000 euros de apoio à retoma. Tudo somado, fica por pouco mais de 20 000 euros, o que dá uma boa margem para incluir uns quantos opcionais.

Preço

unidade ensaiada

29.950

Versão base: €24.283

IUC: €103

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira Transversal
    • Carregamento: Injeção direta, turbocompressor, intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv./cil. (12v)
    • Potência: 125 cv às 6000 rpm
    • Binário: 170 Nm Nm entre 1400 rpm - 4500 rpm (200 Nm c/ overboost)
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de 6 vel.
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4397 mm / 1825 mm / 1502 mm
    • Distância entre os eixos: 2700 mm
    • Bagageira: 375 l (1354 l com bancos rebatidos)
    • Jantes / Pneus: 215/50 R18
    • Peso: 1322 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,0 l/km
    • Emissões de CO2: 134 g/km
    • Vel. máxima: 196 km/h
    • Aceleração: 10,3s
  • Garantias
    • Pintura e corrosão: Pintura: 2 anos; Anti-Perfuração: 12 anos
    • Mecânica: 2 anos
  • Equipamento
    • Jantes em liga leve de 17”
    • Faróis nevoeiro LED
    • Saída de escape dupla
    • Sensores estacionamento frente e trás
    • Barras de tejadilho
    • Volante e punho da caixa forrados a pele
    • Embaladeiras com logo Active
    • Navegação SYNC3 com monitor de 8”
    • Applink, Android Auto e Apple Carplay
    • Ford Pass Connect
    • Cruise control
    • Travagem autónoma
    • Deteção de peões e ciclistas
    • Travagem pós-colisão
    • Aviso saída de faixa
    • Monitor pressão pneus
Extras
Carregador sem fios (152€); Pintura metalizada (508€); Navegação com B&O Play (305€); Tapete reversível na mala (51€); Tejadilho e capas dos retrovisores em preto (254€); Head Up Display (407€); Monitor ângulo morto (407€); Pack Interior Active: Detalhes interiores Active, tapetes com detalhes em azul (203€); Pack conforto: A/C auto, faróis auto, limpa para-brisas auto, chave inteligente, retrovisor interior eletrocromático, retrovisores exteriores recolhíveis (381€); Pack Driver: Estacionamento auto, câmara traseira, proteção nas portas (407€); Pack Driver Plus: Reconhecimento sinais, máximos auto, Cruise control adaptativo (407€); Pack parcial couro Active: estofos parcialmente em couro com pespontos azuis, banco do condutor elétrico, bancos aquecidos (762€); Pack Estilo Plus Active: jantes 18”, vidros escurecidos, faróis LED adaptativos (1423€).
Avaliação
8 / 10
Não é um SUV, é um crossover, por isso o Focus Active não oferece uma experiência de condução muito diferente de um Focus “normal”. Os fatores diferenciadores estéticos são suficientes, as alterações técnicas mostram uma certa preocupação da Ford em oferecer maior versatilidade de utilização, mas a tentação de montar pneus de perfil relativamente baixo acaba por definir o elo mais fraco, para quem estiver a pensar em usar o Focus Active em estradas pedregosas. Será certamente uma boa opção para locais com neve frequente, desde que equipado com os pneus adequados e, aí sim, fazendo valer a disponibilidade dos modos de condução específicos.
  • Motor
  • Dinâmica
  • Qualidade
  • Pneus de Estrada
  • Computador de bordo
  • Consumos
Sabes responder a esta?
Qual o motor do novo Mercedes-AMG A 35 4MATIC?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Mercedes-AMG A 35 4MATIC. O AMG mais BARATO que podes comprar

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos