Entrevista

GP de Portugal 2021. As expectativas de Alonso e Ocon, pilotos da Alpine F1

À conversa com os pilotos da Alpine F1, Fernando Alonso e Esteban Ocon, ficámos a par das suas expectativas para o GP de Portugal e do futuro da modalidade.

Encarregue de ocupar o lugar que era antes da Renault no paddock, a Alpine F1 vai estrear-se no Grande Prémio de Portugal e no Autódromo Internacional do Algarve (AIA). Ocasião apropriada para conversar com os seus pilotos, Fernando Alonso e Esteban Ocon, sobre as suas expectativas para a terceira prova do calendário.

Como seria de esperar, a conversa arrancou com a opinião do bicampeão do mundo acerca do circuito português, com Alonso a mostrar-se fã da pista onde a equipa da Razão Automóvel também já correu no Troféu C1 (ainda que a velocidades bem mais baixas).

Apesar de nunca ter competido no AIA, o piloto espanhol conhece o circuito, não só graças aos simuladores, como nos testes que já teve oportunidade de realizar, o que o levou a descrever a pista portuguesa como sendo  “fantástica e desafiante”. Para isto, segundo o piloto da Alpine F1, contribui o facto de praticamente nenhuma secção do circuito ser idêntica a outra de qualquer outra pista.

TÊM DE VER: Toto Wolff: “Não acho que a F1 aguente uma equipa que seja campeã 10 vezes seguidas”
Alpine A521
Alpine A521

Expectativas moderadas

Se ambos os pilotos da Alpine F1 mostraram apreciar o circuito de Portimão, por outro lado, Alonso e Ocon revelaram cautela quanto às expectativas para este fim de semana. Afinal de contas, ambos relembraram que as diferenças no pelotão são muito pequenas e o mais pequeno erro ou quebra de forma paga-se caro.

Além disso, tanto para o bicampeão do mundo como para o seu jovem colega, o A521, o monolugar da Alpine F1, precisa de evoluir bem mais, tendo-se constatado até uma quebra de performance face ao carro do ano passado.

Ora, tendo em conta as dificuldades da Renault em Portimão em 2020, os pilotos da Alpine F1 apontam como metas chegarem à Q3 (a terceira fase da qualificação) e pontuarem na prova portuguesa. Quanto ao favorito à vitória, Ocon foi taxativo: “penso que a vitória vai sorrir ao Max Verstappen“.

Ano ideal para inovar

Pudemos questionar os pilotos da Alpine F1 também sobre as novas corridas sprint de qualificação. Acerca destas, ambos os pilotos se mostraram adeptos da medida. Nas palavras de Alonso:

"É uma boa ideia mudar algo para tornar os fins de semana de corridas mais entusiasmantes. 2021 é o ano ideal para experimentar coisas novas, pois é um ano de transição para as novas regras".

Fernando Alonso

Sobre as novas regras, Fernando Alonso assumiu que é onde a Alpine F1 está mais focada, pois permitirão “equilibrar” o pelotão da Fórmula 1. Já Ocon assumiu: “ainda não andei no simulador com as especificações para 2022, mas pelo que ouvi dizer os carros serão mais lentos. Ainda assim, parece-me que será mais fácil ultrapassar e as corridas deverão ser mais renhidas”.

A NÃO PERDER: Fomos celebrar com a Renault os 40 anos sobre a primeira vitória de um Turbo na F1

Ainda há muito a discutir

Ao olharmos para o pelotão atual há algo que salta à vista: a “mistura” entre experiência (há quatro campeões do mundo em pista) e juventude.

Acerca deste assunto, Ocon “sacudiu a pressão”, assumindo que a presença na equipa de um piloto como Alonso não só lhe permite aprender como é motivadora, pois “todos os jovens querem mostrar que conseguem bater-se com os melhores”.

Já Alonso relembrou que esta mistura permite corridas onde os vários pilotos assumem abordagens completamente diferentes, uns mais assentes na experiência e outros na velocidade pura.

Quanto a expectativas para esta temporada da Alpine F1, Alonso mostrou-se focado no futuro, enquanto Ocon assumiu que repetir um pódio como obteve no GP de Sakhir em 2020 será difícil. Contudo relembrou que ainda há muito a descobrir acerca das potencialidades do carro.

Esteban Ocon, Laurent Rossi e Fernando Alonso,
Da esquerda para a direita: Esteban Ocon, Laurent Rossi (CEO da Alpine) e Fernando Alonso, ao lado dos Alpine A110 que usam como carros de apoio nas provas.

Por fim, nenhum deles se quis comprometer com prognósticos para o campeonato. Apesar de tanto Alonso como Ocon reconhecerem que, para já, tudo aponta na direção de uma luta “Hamilton vs Verstappen”, os pilotos da Alpine relembraram que o campeonato ainda está no início e só por volta da 10ª ou 11ª prova é que será possível ter dados concretos que apontem na direção dos favoritos.

GP PORTUGAL 2021: Todos os horários do GP de Portugal 2021 de Fórmula 1

Sabe responder a esta?
Qual é a potência do Renault Twingo Electric?

Mais artigos em Notícias