Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 41 088 euros

Testámos o Volkswagen Tiguan 2.0 TDI Life com 122 cv. É preciso mais?

Será que a variante menos potente do 2.0 TDI que equipa o Volkswagen Tiguan é suficiente? Para descobrir pusemo-lo à prova no nível de equipamento Life.

Tendo em conta que os consumidores, geralmente, “fogem” das versões base, a versão Life assume especial importância no seio da gama do bem sucedido Volkswagen Tiguan.

Versão intermédia entre a mais simples variante “Tiguan” e a topo de gama “R-Line”, quando combinada com o 2.0 TDI na variante de 122 cv com caixa manual de seis relações, o nível Life apresenta-se como uma proposta bastante equilibrada.

No entanto, tendo em conta as dimensões do SUV germânico e a sua aptidão familiar, não serão os 122 cv que declara algo “curtos”? Para descobrir pusemo-lo à prova.

A NÃO PERDER: Testámos o Skoda Karoq Sportline 2.0 TDI. O mais apetecível dos Karoq?
Volkswagen Tiguan TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Simplesmente Tiguan

Tanto no exterior como no interior, o Tiguan mantém-se fiel à sobriedade que lhe é característica, sendo que, na minha opinião, isto deverá pagar dividendos positivos no futuro.

Afinal de contas, as formas mais “clássicas” e sóbrias têm tendência para envelhecer melhor, sendo esse um fator que pode vir a influenciar o valor de retoma futuro do SUV alemão, algo que acontece com outras propostas da Volkswagen.

No que diz respeito a temas como o espaço ou a robustez da montagem e qualidade dos materiais, faço minhas as palavras do Fernando quando testou o Tiguan mais barato que podes comprar: apesar de originalmente ter sido lançado em 2016, o Tiguan continua a ser uma das referências do segmento neste capítulo.

VÊ TAMBÉM: Volvo XC40 T2 (129 cv). Testámos o SUV mais acessível da marca sueca

E o motor, é o certo?

Pois bem, se parados, o Tiguan testado pelo Fernando e este que testei são praticamente iguais, mal “damos à chave” as diferenças tornam-se rapidamente evidentes.

Para começar, o som. Apesar de o habitáculo estar bem isolado, o típico matraquear dos motores Diesel (do qual até não desgosto, como deves saber se leste este artigo) acaba por se fazer sentir e relembra-nos que lá à frente mora um 2.0 TDI e não um 1.5 TSI.

Volkswagen Tiguan TDI
São confortáveis, mas os bancos dianteiros oferecem pouco apoio lateral.
VÊ TAMBÉM: TUDO NOVO! Testámos o arrojado e inédito Hyundai Tucson Hybrid

Já em andamento, é a resposta dos dois motores que separa estes Tiguan. É que se no caso da variante a gasolina os 130 cv pareciam um pouco “justos”, no Diesel, curiosamente, os mais baixos 122 cv parecem ser suficientes.

É claro que as prestações não são balísticas (nem se esperava que fossem), mas graças ao maior binário — 320 Nm contra 220 Nm — que está disponível logo às 1600 rpm e até às 2500 rpm, podemos praticar uma condução relaxada sem ter de recorrer em excesso à bem escalonada e suave caixa manual de seis relações.

Motor 2.0 TDI 122 cv
Apesar de ter apenas 122 cv o 2.0 TDI dá boa conta e si. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mesmo com quatro pessoas a bordo e (muita) carga o 2.0 TDI nunca se negou, respondendo sempre com boas prestações (tendo em conta o peso do conjunto e a potência do motor, é claro) e, acima de tudo, consumos comedidos.

Numa condução normal andaram sempre pelos 5 a 5,5 l/100 km e quando decidi levar o Tiguan até às “terras do Guilherme” (a.k.a, o Alentejo) e me foquei numa condução mais económica (sem pastelar, mas a cumprir os limites de velocidade das nossas nacionais) cheguei a alcançar médias de… 3,8 l/100 km!

VÊ TAMBÉM: Testámos o sereno (mas rápido) C5 Aircross Hybrid, o primeiro híbrido plug-in da Citroën

É alemão, mas parece francês

No capítulo dinâmico, este Tiguan é a prova de que as jantes de menor dimensão e os pneus de maior perfil também têm os seus encantos.

Tal como o Fernando referiu, quando testou o outro Tiguan com jantes de 17”, nesta combinação o SUV alemão tem um pisar e um nível de conforto que parece… francês. Apesar disso, as suas origens dizem “presente” sempre que chegam as curvas. Sem ser entusiasmante, o Tiguan é sempre competente, previsível e seguro.

Nestas situações o Tiguan conta com um bom controlo sobre os movimentos da carroçaria e uma direção precisa e rápida. Já menos positiva nestas situações é a ausência de maior apoio lateral oferecido pelos simples (mas confortáveis) bancos que equipam a versão Life.

Volkswagen Tiguan TDI
Os bancos traseiros deslizam longitudinalmente e permitem fazer variar a capacidade da bagageira entre os 520 e os 615 litros. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Adeus, Diesel? Testámos a Renault Mégane ST E-TECH (híbrida plug-in)

É o carro certo para mim?

Bem construído, espaçoso e com um visual sóbrio, o Volkswagen Tiguan apresenta-se nesta variante Life com o motor 2.0 TDI de 122 cv e caixa manual como uma das propostas mais equilibradas do segmento.

A oferta de equipamento já é bastante razoável (tudo aquilo de que normalmente precisamos está lá, inclusive todos os “anjos da guarda” eletrónicos) e o motor permite uma utilização descontraída e, acima de tudo, económica.

Volkswagen Tiguan TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Há SUV com motores a gasóleo e com maior performance? Há, inclusive o Tiguan conta com versões de 150 cv e 200 cv deste motor.

Além do mais, por culpa da nossa fiscalidade, esta opção Diesel vê-se agora a braços com novos tipos de concorrentes, nomeadamente, o Tiguan eHybrid (híbrido plug-in). Apesar de ainda ser à volta de 1500-2000 euros mais caro, oferece mais do dobro da potência (245 cv) e 50 km de autonomia elétrica — o potencial de consumos ainda menores que o Diesel é bem real… basta carregar a bateria frequentemente.

No entanto, para aqueles que acumulam facilmente muitos quilómetros, sem que isso implique um “assalto” à carteira, este Volkswagen Tiguan Life 2.0 TDI de 122 cv pode muito bem ser a proposta ideal.

Preço

unidade ensaiada

41.942

Versão base: €41.088

IUC: €225

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1968 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta common rail + turbo de geometria variável + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cilindro (16 válv.)
    • Potência: 122 cv entre as 2750 e as 4400 rpm
    • Binário: 320 Nm entre as 1600 e as 2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4509 mm / 1839 mm / 1675 mm
    • Distância entre os eixos: 2678 mm
    • Bagageira: 520-615-1510 litros
    • Jantes / Pneus: 215/65 R17
    • Peso: 1598 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,2 l/100 km
    • Emissões de CO2: 134 g/km
    • Vel. máxima: 191 km/h
    • Aceleração: 10,9s
  • Equipamento
    • Câmara traseira
    • Sistema de navegação
    • Jantes de liga leve de 17''
    • Ar condicionado automático "Climatronic"
    • Bancos dianteiros com regulação em altura
    • Banco dianteiro do passageiro rebatível
    • Barras de tejadilho Pretas
    • Cruise Control Adaptativo ACC
    • Faróis dianteiros em LED
    • Gavetas por baixo dos bancos dianteiros
    • Interface USB-C
    • Pacote Driver Assistance "Plus"
    • Reconhecimento de sinais de trânsito
    • Retrovisor interior com função anti-encandeamento
    • Retrovisores exteriores elétricos, aquecidos e rebatíveis eletricamente
    • Sensor de chuva
    • Sistema "Front Assist" com sistema de travagem de emergência em cidade (City Emergency Brake)
    • Sistema "Lane Assist" com "Traffic Jam Assist"
    • Sistema "Park Assistt"
    • Sistema "Side Assist"
    • Bluetooth
    • Sistema de deteção de fadiga
    • Sistema de monitorização dos peões
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Volante multifunções em couro
Extras
Bagageira com abertura e fecho elétrico — 372 €; Digital Cockpit Pro — 482 €.
Avaliação
8 / 10
Pode não ser a proposta mais emocionante de conduzir nem a mais vistosa, no entanto, o Volkswagen Tiguan faz bem tudo aquilo que se pode exigir a um SUV familiar. Espaçoso, confortável, robusto e com uma boa oferta de equipamento de série, nesta variante equipada com o 2.0 TDI de 122 cv, o Tiguan presenteia-nos ainda com baixos consumos e prestações adequadas às necessidades de uma família. Face a tudo isto, não só este motor vale a pena para as famílias (que não têm muita pressa em chegar ao destino) como é daqueles que nos levam a querer partir em viagem sem pensar muito no destino.
  • Consumos
  • Equipamento de série
  • Montagem robusta e rigorosa
  • Conforto
  • Espaço
  • Banco do condutor confortável, mas sem apoio
  • Comandos do sistema de climatização
Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Volkswagen Eos?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te quando as capotas metálicas eram a “última bolacha do pacote”?

Mais artigos em Testes, Ensaio