Desde 30 020 euros

Ao volante do Peugeot e-208. Vale a pena optar pelo 100% elétrico?

Vale a pena comprar um Peugeot e-208, quando temos uma gama de motores de combustão tão interessante na gama 208? A resposta está nas próximas linhas.

O Peugeot 208 tem sido um dos carros sensação do segmento B. Não é de agora, há muito que o 208 é presença assídua no topo das tabelas de vendas em Portugal. Mas esta nova geração teve uma receção melhor do que as previsões mais otimistas da marca, onde também podemos incluir o e-208.

O design exterior bem conseguido, o interior bem construído e agradável, preços ajustados, equipamento completo e uma gama de motores para todos os gostos têm sido os principais trunfos desta nova geração do utilitário francês.

No caso da versão 100% elétrica, o Peugeot e-208, devemos mencionar outros trunfos. Uma autonomia elétrica superior a 300 km (em condições reais), uma resposta muito agradável do motor e claro… silêncio a bordo. Há apenas um senão: o preço.

VÊ TAMBÉM: “É o novo normal”. Testámos o Opel Corsa-e… o Corsa 100% elétrico
Peugeot e-208
Será que compensa optar por esta versão 100% elétrica? Vamos tentar responder a esta questão nas próximas linhas. © Guilherme Costa / Razão Automóvel

Ao volante do Peugeot e-208

Não vou fazer mais considerações sobre o design exterior do 208 — podes rever este vídeo no canal de YouTube da Razão Automóvel sobre o Peugeot e-208. Vamos concentrar-nos naquilo que realmente importa: as sensações ao volante.

Quem procura um 100% elétrico procura um carro agradável de conduzir. Pois bem, o Peugeot e-208 é extremamente fácil de levar e muito confortável em cidade. Em estrada o cenário é em tudo similar. A resposta do motor elétrico de 136 cv é sempre imediata e os consumos surpreendem: 16,2 kWh/100 km em circuito misto sem fazer grandes concessões ao ritmo.

Peugeot e-208 infotainment
Sem sair da cidade — terreno de eleição do e-208 — é possível alcançar os 340 km de autonomia anunciados. © Guilherme Costa / Razão Automóvel

Em autoestrada, o Peugeot e-208 também dá muito bem conta de si. A velocidade máxima está limitada a 150 km/h, porém, não me parece que esse seja um fator dissuasor.

É mais importante destacar que num posto de carregamento rápido o Peugeot e-208 consegue carregar a 100 kW. Ou seja, podemos carregar 80% das baterias em apenas 30 minutos. Ou devo dizer “poderemos”, porque para já a infraestrutura não acompanha a evolução dos modelos que têm saído para o mercado.

VÊ TAMBÉM: 508 Peugeot Sport Engineered. Este é o Peugeot de produção mais potente de sempre
Tempo de carregamento
Num carregador normal de 7,4 kW, são necessárias oito horas para uma carga completa. Numa tomada trifásica de 11 kW são necessárias 5h15min.

Já numa estrada sinuosa, o Peugeot e-208 não é tão ágil como as versões equipadas com motor de combustão. Apesar de ser seguro e decidido na forma como aborda as curvas, nota-se a inércia dos 1530 kg de peso — são quase mais 300 kg do que as versões alimentadas a hidrocarbonetos. Ainda assim, o Peugeot e-208 não vira as costas a uma condução mais empenhada.

Resumindo e baralhando. O Peugeot e-208 é a versão mais agradável de conduzir da gama 208 — não é um elogio pequeno, estamos a falar de um dos melhores utilitários do segmento neste particular.

Faz swipe na galeria de imagens:

VÊ TAMBÉM: Razão vs emoção. Testámos o elétrico Honda E

É mais agradável. Mas compensa?

Não é a pergunta para «um milhão de Euros», mas é uma pergunta que vale pelos menos 12 000 euros no momento da aquisição — tendo em consideração a versão equivalente com motor a gasolina.

A partir de 30 020 euros já podes ter um Peugeot e-208 na garagem, na versão menos equipada (Active). Mas o melhor é mesmo considerares a versão intermédia (Allure) que nós testámos, e que já tem uma dotação de equipamento mais condizente com o preço deste 100% elétrico.

Peugeot e-208 © Guilherme Costa / Razão Automóvel

Porém, olhar apenas para o custo de aquisição é uma aritmética demasiado simplista. Deves considerar a poupança durante todo o ciclo de utilização do carro. O custo por quilómetro num elétrico é menor.

Dependendo da tua tarifa energética, cada 100 km num carro elétrico custa cerca de um euro, contra mais de nove euros num motor de combustão. A esta poupança devemos adicionar ainda os custos de manutenção mais reduzidos dos carros elétricos.

Compensa? Depende do que valorizares. A agradabilidade de condução adicional de um elétrico não é mensurável, mas é percetível. Já a questão da poupança, dependerá do número de quilómetros anuais que faças.

As contas poderão tornar-se mais simples se comprares o teu Peugeot e-208 através de uma empresa. Consulta este artigo da UWU Solutions — parceira da Razão Automóvel em assuntos fiscais — para perceberes do que estamos a falar.

TENS DE LER: Vais comprar um carro elétrico? Fica a saber que benefícios tens como particular

Ficha técnica

Versão base: €33.720

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Bateria: de iões de lítio; Capacidade: 50 kWh (46 kWh úteis)
    • Potência: 136 cv
    • Binário: 260 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Caixa redutora (1 velocidade)
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4055 mm / 1745 mm / 1430 mm
    • Distância entre os eixos: 2540 mm
    • Bagageira: 265 l
    • Jantes / Pneus: 195/55 R16
    • Peso: 1530 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 16,4 kWh/100km
    • Emissões de CO2: 0 g/km
    • Vel. máxima: 150 km/h
    • Aceleração: 8,1s
Avaliação
8 / 10
O Peugeot e-208 é um dos melhores elétricos da atualidade. O preço é mais elevado do que os seus congéneres a combustão, mas a essa desvantagem o e-208 responde com um silêncio e agradabilidade de condução assinalável. Ainda não é um elétrico para todas as carteiras, mas é a par do Peugeot 208 um excelente utilitário.
  • Condução muito agradável;
  • Design;
  • Autonomia convicente;
  • Resposta do motor.
  • Preço;
  • Infraestrutura de carregamento em Portugal é uma condicionante.

Mais artigos em Testes, Ensaio