Aventura

Carros velhos. Uma paixão que não é para todos

Num mundo cada vez mais tecnológico e complexo, há quem encontre na simplicidade dos carros velhos a escapatória perfeita. Uma escapatória que não é para todos.

Este artigo é sobre os corajosos. Os corajosos que passaram das palavras aos atos: ver um carro num site de classificados e comprá-lo. Ter um carro velho não é para todos.

Corajosos que assumiram o risco. O risco dos problemas mecânicos, o risco das despesas inesperadas, o risco das peças que já não existem. Enfim, todos os riscos que são normais nos carros velhos.

Quem conseguir atravessar este «cabo das tormentas», vai certamente encontrar do outro lado, muitas estórias para contar. Este artigo é sobre eles.

Aventura a partir de 500 euros

Thom V. Esveld e José Maria Gomes são dois dos nossos heróis. Dois exemplos de como é possível viver a experiência dos automóveis sem gastar rios de dinheiro. As imagens que acompanham este artigo são sobre isso mesmo.

Fiat Panda ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

O Thom V. Esveld vocês já conhecem. É o fotógrafo da Razão Automóvel e um apaixonado pela natureza, pela fotografia e pelas compras arriscadas. O seu primeiro carro? Um Datsun 510/1600 «Tri-S» de volante à direita que já tinha feito ralis.

Uma escolha sensata? Nem pensar. Épica? Sem dúvida.

Mercedes-Benz 190d
Nem todos os carros do Thom foram compras emocionais. Em tempos teve um Mercedes-Benz 190d muito racional. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Na garagem do Thom, sucederam-se outros carros — alguns deles verdadeiros chaços — mas a lista já é demasiado extensa para nomear todos eles. Ah… estive à beirinha de lhe comprar este Mercedes-Benz 190d mas na hora da verdade, faltou-me a coragem.

Quando o meu telefone toca depois das 22h00 e do outro lado está o Thom já sei: “então Thom, qual foi carro que encontraste desta vez?”.

O Zé Maria Gomes torce pelo mesmo clube do Thom. Ele também comprou um carro velho há pouco tempo. Neste caso, um Fiat Panda. Um carro que lhe custou a módica quantia de 500 euros.

VÊ TAMBÉM: O taxista que comprou dois Mercedes-Benz W123, mas só usou um
Fiat Panda
Podes ir até ao fim do mundo num Fiat Panda. Mas vai com tempo… vai demorar. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Pouco para ser feliz. É possível?

Tanto o Zé como o Thom, defendem a mesma máxima: não é preciso muito para ser feliz ao volante. Palavras que já saíram caras a ambos.

No caso do Zé Maria, desde que comprou o Panda já investiu — há quem prefira a expressão «enterrou» — mais de 2000 euros. Debaixo do capot daquele Panda há segredos que não podem ser revelados e por fora, mais parece um Fiat Panda 4X4.

Carros, amigos, natureza. Admite, depois de veres isto apetece-te fazer o mesmo. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

No caso do Thomas, a sua mais recente aquisição é um pouco mais estatutária e luxuosa.

Um Mercedes-Benz 300d (W123) com decoração de ralis, rádio DB e pneus cardados. Depois da excelente experiência com o 190d decidiu dobrar a «dose». Um carro maior e com mais motor.

Meter gasóleo e seguir viagem. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Equipados com rampas, jerricans, umas cintas e muita boa disposição, afirmam que conseguem ir até ao fim do mundo. Mesmo que às vezes sejam precisas 4 horas para fazer 500 metros num areal que não era suposto existir.

©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Carros velhos? Não é para todos

Quando eu escrevo “carros velhos”, não é num sentido pejorativo. Também não escrevo “carros clássicos” porque não basta ser antigo, para ser clássico.

Nenhum dos carros que até agora mencionei são — ou virão a ser — clássicos. E não há mal nenhum nisso. Velhos? Sim, com orgulho.

Arriscar, sem medo de riscar ou estragar. Nos carros velhos há receios que não existem. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Seja como for, este tipo de aventuras não é para todos. Exige paciência, exige gostar de automóveis. Exige gostar de mecânica e, às vezes, até mesmo sem gostar, passar horas agarrados às ferramentas a tentar contrariar os problemas.

Enfim, passar noites sem dormir para que naquele fim-de-semana esteja tudo pronto para mais uma aventura. Seja na estrada ou fora dela.

É este exercício que custa alguns cabelos brancos e, às vezes, uma “nota preta”. Tempo e dinheiro que muitos não estão dispostos a investir.

Parar. Onde, como e onde queremos. ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Carros velhos não é definitivamente para todos. Mas quem consegue superar estas dificuldades diz que não troca o seu “velhinho” por nada.

E tu. De que lado estás?

Eu continuo à procura do meu futuro chaço. Mas só me vou dedicar a ele quando acabar de restaurar a minha «velha» Honda NX 250 — podes acompanhar o processo no meu Instagram.

Assim que terminar também vou comprar um carro velho. Só me falta escolher o modelo. Estou indeciso. Aceito sugestões…

©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados
Aventura Panda x Mercedes 300d (18) ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados
©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados
tenda carro ©Thomas Van Esveld - Todos os direitos reservados

Agradecimentos: Obrigado ao Thom V. Esveld e ao pessoal da Duplex Tents pelas imagens. Da próxima vez talvez me junte a vocês, falta só o carro.

Sabes responder a esta?
Em que ano foi apresentado o Volvo 480?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te do Volvo 440? Comemora 30 anos de existência!

Mais artigos em Crónicas