Indústria

Fim da linha. GM acaba com a marca australiana Holden

Quando 2021 chegar ao fim vai levar consigo a marca australiana Holden. Com esta decisão, a GM põe ponto final numa história com 164 anos.

A senda de alienação de marcas do seu portefólio por parte da GM (General Motors) continua. Em 2004 fechou a Oldsmobile, em 2010 (devido à bancarrota) a Pontiac, a Saturn e a Hummer (o nome vai regressar, em 2012 vendeu a SAAB, em 2017 a Opel e agora, no final de 2021 marcará o adeus da australiana Holden.

De acordo com Julian Blisset, vice-presidente de operações internacionais da GM, a decisão de fechar a Holden deveu-se ao facto de o investimento necessário para tornar a marca novamente competitiva na Austrália e na Nova Zelândia ser superior ao retorno expetável.

A GM acrescentou ainda que a decisão de terminar as operações da Holden se enquadra num esforço para “transformar as operações internacionais” por parte da empresa norte-americana.

VÊ TAMBÉM: Novo Toyota Yaris (2020). Primeiro teste em PORTUGAL
Holden Monaro
O Holden Monaro tornou-se célebre depois de ter surgido no Top Gear e foi vendido no Reino Unido pela marca Vauxhall e nos EUA como Pontiac GTO.

Fecho da Holden é notícia, mas não surpreende

Apesar de só agora ter sido anunciado, o desaparecimento da marca australiana Holden há muito que se adivinhava. Afinal de contas, a marca fundada em 1856 e que em 1931 se juntou ao portefólio da GM, há já algum tempo que lutava contra uma quebra crescente das vendas.

Outrora líder dos mercados australiano e neo-zelandês, já em 2017 a GM tinha decidido terminar a produção de veículos na Austrália, ou seja, dos (poucos) modelos locais da Holden, como o Commodore ou o Monaro.

Desde então, a marca australiana passou apenas a vender modelos, como o Opel Insignia, o Astra ou outros modelos de marcas da GM, aos quais era apenas aplicado o símbolo da Holden e, claro está, o volante do lado direito.

Para teres uma ideia da quebra das vendas da Holden, em 2019 a marca vendeu na Austrália pouco mais de 43 mil unidades face às quase 133 mil unidades comercializadas em 2011 — as vendas têm estado em declínio nos últimos nove anos.

A líder do mercado, a Toyota, como comparação, vendeu pouco mais de 217 mil unidades em 2019 — só a Hilux vendeu mais que toda a Holden em 2019.

VÊ TAMBÉM: O Isuzu Trooper… não, Opel Monterey… não! O Acura SLX foi alvo de um restomod
Holden Commodore
O Holden Commodore é um ícone da marca australiana. Na sua última geração tornou-se num Opel Insignia com outro símbolo (na imagem podes ver a penúltima geração).

Para além do desaparecimento da Holden, a GM anunciou ainda a venda da sua fábrica na Tailândia à chinesa Great Wall. Na Austrália e na Nova Zelândia a GM tem 828 funcionários e na Tailândia 1500.

Entretanto, a Ford Austrália (que também deixou de produzir automóveis naquele país) recorreu ao Twitter para se despedir da sua “eterna” rival — tanto em vendas, como na competição, sobretudo nos sempre espetaculares V8 Supercars.

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do Lotus Omega?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lotus Omega (1990). A berlina que comia BMW’s ao pequeno-almoço

Mais artigos em Notícias