Regresso ao Futuro

Lembras-te deste? Audi A2, à frente do tempo

Apresentado em 1999, há 20 anos, chegou a altura de revisitar o futurista Audi A2. Um flop comercial, mas a sua relevância é incontestável.

Ainda recordo o impacto que teve o Audi A2 quando foi lançado em 1999. Poderíamos reduzi-lo a um rival do primeiro Mercedes-Benz Classe A (W168), lançado dois anos antes, mas seria uma injustiça. O A2 era muito mais que isso.

O Audi A2 era um concentrado de tecnologia e design, com muitos a colocarem-lhe o epíteto de carro do futuro — o séc. XXI estava mesmo ao virar da esquina… —, um futuro onde os automóveis seriam mais leves e consequentemente económicos, com níveis otimizados de aproveitamento de espaço (permitindo carros de dimensões compactas), fruto dos avanços em packaging, aerodinâmica e materiais.

Como estavam (em grande parte) enganados…

RELACIONADO: Audi mostra as diversas formas do alumínio desde 1923
Audi A2 ASF
O “esqueleto” em alumínio do A2, ou como a Audi lhe chama Audi Space Frame (ASF)

Foi o primeiro veículo compacto a ser construído totalmente em alumínio, uma solução que na altura, apenas tínhamos visto no A8, o topo de topo de gama de Ingolstadt, e no… Honda NSX. Seria um dos elementos definidores do A2, com o outro a ser o seu design ditado pelas leis aerodinâmicas (traseira tipo Kamm e um Cx de apenas 0,28) e pelo rigor da sua estética, com uma execução magistral das suas linhas e superfícies.

Era conceptualmente brilhante, como o primeiro Classe A, mas o A2 revelava um nível de execução que o seu rival de Estugarda apenas podia sonhar. O Audi A2 não era apenas um automóvel, era um puro manifesto de intenções.

A sua construção em alumínio (Audi Space Frame) fazia dele um carro bastante leve. Praticamente todas as versões estavam a sul da tonelada, com as mais leves, o 1.4 (gasolina) e o super-económico 1.2 TDI 3L, a ficarem abaixo dos 900 kg — o baixo peso ajudava a manter as prestações dos motores, modestos em cavalos, em níveis decentes, e os consumos em níveis irrisórios.

O formato MPV da carroçaria e o excelente packaging tornavam-no bastante espaçoso, usável e versátil para ocupantes e bagagens, superiorizando-se facilmente aos pequenos familiares da altura e até a alguns de hoje, apesar das muito compactas dimensões, com apenas 3,82 m de comprimento e 1,67 m de largura — a bagageira de 390 l superioriza-se aos 380 l do Audi A3 atual, por exemplo.

O interior era tipicamente… Audi. Rigoroso nas formas, nos materiais e construção — este não era um carro pequeno feito para ser barato, era um Audi como os outros, mas em ponto pequeno.

As críticas não se fizeram esperar pelos media, e todas elas não podiam ser mais positivas, tendo como pontos fortes o espaço, conforto, comportamento e economia de combustível. No entanto, o entusiasmo dos media não transbordou para o mercado.

O Audi A2 foi um flop…

Ao longo dos seis anos da sua carreira (1999-2005) foram vendidos quase 177 mil unidades. Compare-se com o rival, o primeiro Classe A, que vendeu 1,1 milhões de unidades! As perdas para a Audi foram avultadas, à volta dos 1,3 mil milhões de euros…

As razões por trás do insucesso foram várias, como o seu design — apesar de magistralmente executado, nunca foi consensual, mas a principal razão foi mesmo o preço.

O desenvolvimento de um carro de raíz para um dos segmentos mais baixos do mercado e mais sensíveis ao preço, com materiais e técnicas de construção que só encontrávamos em carros de luxo e desportivos, não podia ficar barato. O Audi A2 tinha custos de produção acima de um Volkswagen Golf, o que se refletia também no preço de venda ao público — difícil de justificar…

Outra questão prendia-se com a sua carroçaria em alumínio. Reparar mossas podia custar uma pequena fortuna — hoje em dia, com a desvalorização, mais depressa veríamos uma seguradora dar o A2 como perda total, do que reparar um painel danificado.

No entanto, quem os ainda tem não os quer largar, dado o conjunto de características que o definem, que são tão relevantes hoje em dia como eram na altura: um carro único, compacto, espaçoso e super-económico e com uma qualidade duradoura? Difícil de resistir, e sem dúvida um futuro clássico.

Audi A2
O perfil foi ditado pela aerodinâmica, com a autoria das linhas a pertencer a Derek Jenkins, a trabalhar sob a supervisão de Peter Schreyer — esse mesmo, que transformou a imagem da Kia e agora é um dos líderes da Hyundai.
VÊ TAMBÉM: Lembras-te deste? Volkswagen Polo G40, o terrífico

Ainda relevante? Claro que sim…

Olhando para o panorama automóvel de hoje, com os requisitos exigentes no que toca a emissões e, consequentemente consumos, carros como o Audi A2 seriam uma melhor resposta para ultrapassar estes desafios, mas não… Escolhemos o caminho contrário.

Os carros cresceram para todos os lados e fomos invadidos por crossovers e SUV — tipologias que não poderiam estar mais afastadas de tudo o que determinou a concepção do A2.

Audi A2
Audi A2 Colour Storm, um dos últimos esforços para ressuscitar a carreira comercial

Apesar do flop comercial e de toda a aura de experimentalismo que ditou o A2, não só continua a ser relevante, como foi determinante para cimentar a Audi como uma tour de force tecnológica e a mais séria rival às já melhor estabelecidas Mercedes-Benz e BMW.

O A2 daria lugar ao mais convencional e derivado A1, que encontrou maior eco no mercado e também nas contas da Audi. No entanto, o A2 não foi esquecido pelo construtor alemão. Em 2011 apresentou um concept que recuperou o nome A2 e as suas premissas, mas transportou-as para um futuro que se adivinhava elétrico. Este ano (2019), e já com o foco na condução autónoma, a Audi apresentou o AI:Me, que apesar dos traços muito mais expressivos, muitos viram nele um futuro A2.

Hoje em dia, no entanto, o carro que mais se aproxima do conceito que determinou o A2 não é um Audi, mas sim um… BMW. O BMW i3 também quis responder aos desafios do futuro, apostando em novos materiais (fibra de carbono) e novos métodos de construção, para mitigar os efeitos do excesso de peso dos veículos elétricos (a culpa é das baterias), que prejudicam a autonomia.

TESTE: Testámos o BMW i3s: agora só em modo elétrico

Adota igualmente uma forma monovolume, mas o seu estilo é bem mais expressivo, longe do rigor e austeridade do A2, mas tal como este, nada consensual. Os paralelismos continuam no seu custo, preço e carreira comercial, longe de serem os ideais. E tal como o A2, prepara-se para não ter um sucessor direto.


Sobre o “Lembras-te deste?”. É a rubrica da Razão Automóvel dedicada a modelos e versões que de alguma forma se destacaram. Gostamos de recordar as máquinas que outrora nos fizeram sonhar. Embarca connosco nesta viagem no tempo aqui na Razão Automóvel.

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos