Circuito de Vila Real

O Circuito de Vila Real e o orgulho de ser português

Mesmo que Tiago Monteiro não tivesse vencido uma das corridas do WTCR, quem se deslocou até ao Circuito de Vila Real ficou a ganhar.

Simplesmente impressionante. A 50.ª edição do Circuito Internacional de Vila Real ficará seguramente para a história como uma das melhores de sempre.

Houve de tudo. Uma moldura humana com mais de 200 mil pessoas ao longo do fim de semana; muita ação em pista; e claro, um português no degrau mais alto do pódio.

Portugal é um grande país

Portugal pode ser um país pequeno, mas é um grande país.

VÊ TAMBÉM: Fado, futebol e… Fafe!

Veja-se a dimensão da organização do Circuito de Vila Real. Embora seja a organização mais pequena do WTCR (Taça do Mundo de Carros de Turismo), tudo correu como se exige num evento desta dimensão.

Dos mais pequenos Kia Picanto GT Cup, aos «todos poderosos» TCR’s, sem esquecer a presença dos clássicos, a ação em pista foi uma constante.

E se em termos de organização Portugal se agigantou, o que dizer do publico português? Apaixonado, conhecedor e sempre presente. Segundo a organização, ao longo do fim de semana, mais de 200 mil pessoas deslocaram-se até ao Circuito de Vila Real.

A descida de Mateus

Já estava rendido ao Circuito de Vila Real pelo ambiente que por lá se vive. Mas fiquei ainda mais impressionado depois de ter tido oportunidade de dar uma volta ao circuito, ao lado de Gabrielle Tarquini – piloto da Hyundai no WTCR.

Gabrielle Tarquini com Diogo Teixeira e Guilherme Costa © Razão Automóvel
Diogo e Guilherme com Gabrielle Tarquini

Uma volta que soube a pouco, mas que deu para perceber o grau de exigência do Circuito de Vila Real.

De todas as curvas, a que mais me impressionou foi a descida de Mateus. No Hyundai i30 N atingimos os 200 km/h. Impressionante.

Agora adicionem mais 80 km/h, uma travagem forte, apenas seis metros de largura de asfalto, zero margem para erros e nenhuma escapatória.

Não basta talento para fazer a descida de Mateus a fundo, também é preciso coragem.

Ganhei memórias que guardarei para a vida e uma admiração por estes pilotos ainda maior.

Tiago Monteiro, Tiago Monteiro…

Não há palavras para descrever a performance de Tiago Monteiro em Vila Real. Nem num guião de Hollywood alguém arriscaria um regresso às vitórias tão heróico. Felizmente, a realidade supera sempre a ficção.

Dois anos após uma grave lesão, Tiago Monteiro regressou às vitórias. Diante do seu público, diante do seu país.

Uma vitória forjada com muito amor próprio, orgulho, talento e vontade de vencer. É disto que se fazem os campeões.

Tiago Monteiro © Guilherme Costa
Tiago Monteiro

Tiago Monteiro regressou às corridas quando já poucos contavam com o seu regresso, e voltou a vencer quando ainda menos pensavam que isso fosse possível.

Para o ano há mais, e nós lá estaremos! Que orgulho em ser português, que orgulho em ter feito parte disto.

Mais artigos em Crónicas

Os mais vistos