Ao volante

Conduzimos o Kia Picanto GT Cup. A fundo no Estoril!

No que toca a primeiros contactos, este foi claramente diferente — não é todos os dias que podemos conduzir um carro de competição em circuito, mesmo quando se trata de um "modesto" Kia Picanto GT Cup.

Em Circuito do Estoril, Estoril

Podem estar a imaginar que não é mais do que um mero Kia Picanto, mas este não é um Picanto qualquer.

O Kia Picanto GT Cup é a nova máquina para um troféu da marca coreana, que promete recuperar o espírito de fórmulas passadas — quem não se lembra dos Toyota Starlet ou, bem mais recentemente, dos Honda Logo? —, onde o controlo dos custos é a palavra de ordem. Mas não é, de todo, a palavra dominante. Diversão meus caros, diversão…

Picanto mais picante

A máquina é “modesta”, mas não é por isso que é menos séria nos seus propósitos. Felizmente, a escolha para este campeonato recaiu sobre o Kia Picanto GT, a variante mais espevitada do citadino, equipada com um motor 1.0 T-GDi de 100 cv  — existe um troféu semelhante na Polónia, mas com os Picanto 1.2 de 84 cv. Viva Portugal… 

E refiro felizmente, porque tratando-se de uma unidade turbo, foi “fácil” extrair mais cavalos e garantir melhores performances. O Picanto recebeu uma nova admissão, novo — e bastante audível — sistema de escape da Metal Custom e uma ECU reprogramada, elevando a potência até uns mais sumarentos 140 cv. Acusa apenas 960 kg na balança, pelo que as prestações já estão num patamar que nenhum Picanto alguma vez ousou estar.

Segurança máxima

O objetivo foi de que o carro permanecesse o mais próximo do de série para manter os custos controlados, pelo que muitos dos componentes são exatamente os mesmos que encontramos no carro de série. Por exemplo, tanto a caixa de cinco velocidades manual, como os travões são exatamente os mesmos do Kia Picanto GT.

Mas não impediu que outras alterações fossem efetuadas. O Kia Picanto GT Cup recebeu novo kit de amortecedores e molas, Bilstein e Eibach respetivamente e os pneus 195/50 R15 são da Hankook. Apesar dos travões serem os de série, o sistema recebeu tubos em malha de aço e óleo de travões da AP Racing.

Ao nível de segurança, como dá para observar na imagem acima, o Picanto ganha um emaranhado de tubos — um senhor roll bar — homologado pela FIA, fechos no capot e mala, corta corrente, uma base e respetiva bacquet da Sparco, assim como cintos da mesma marca, e finalmente, uma rede para a janela do piloto.

Ao volante

Finalmente chegou a minha vez — os Kia Picanto GT Cup disponíveis não ficavam muito tempo parados na via das boxes.

Kia Picanto GT Cup
Pronto para a ação. A posição de condução é bastante baixa, com o volante a ficar demasiado alto, mas passado um minuto em pista, já nem ligamos

Capacete colocado e entrar no carro. Tarefa que exige um pouco mais de cuidado, já que agora parte da abertura está ocupada pelo generoso roll bar. A bacquet está numa posição muito mais baixa do que os bancos regulares dos outro Picanto, mas ainda assim dá para ver perfeitamente para onde queremos apontar a «bala» coreana. É colocado o arnês de cinco apoios, que nos prendem firmemente à bacquet, porta fechada, e ainda deu para uns segundos de pausa para apreciar o interior — ou melhor, pela falta dele.

Quase todos os revestimentos interiores foram removidos, e ficamos rodeados por um mar de chapa. Se faz barulho por fora, imaginem no interior, sem nenhum isolamento acústico, a não ser o capacete.

Arrancar é tão fácil como num qualquer carro de série e agora é um assunto entre moi, o Picanto e o Circuito do Estoril. Apesar de estreito e alto — mesmo com os amortecedores e molas específicos, que “colam” o carro ao asfalto, continua a ser um carro alto — o Picanto inspirou sempre confiança.

Mesmo na abordagem à curva 7 (Orelha) — ligeiramente a descer e relevé da curva incorreto — resultando no desequilíbrio do carro, com a traseira a soltar-se e a necessitar de várias correções no volante, a tarefa de o voltar a colocar “nos eixos” é facilmente conseguida — lembra-te de na próxima volta só virar o volante após a travagem estar concluída… 

É uma pequena máquina muito divertida de explorar, de reações neutras e progressivas. Mesmo quando vemos o velocímetro passar dos 120 km/h na Parabólica, continuamos a confiar na máquina — se calhar não ia depressa o suficiente… 

Os 140 cv ajudam a que no final da reta da meta vejamos mais de 180 km/h, e depois é travar forte para a Curva 1… Nota-se que o escalonamento da caixa está muito longe do ideal, com o Picanto GT Cup a reter o mesmo escalonamento do carro de série — será que dá para atingir os 200 km/h no final da reta?

Qual o tempo efetuado? Não faço a menor ideia, nem era esse o objetivo deste contacto, nem seria a pessoa mais correta para o fazer. Teremos de esperar pela estreia do troféu a 6 de maio.

Quanto custa?

O apoio da Kia Portugal garante custos controlados para este novo campeonato. O preço consiste na aquisição de um Kia Picanto GT, por 11 500 euros, e na sua transformação que implica a aquisição de um kit Troféu por 12 750 euros mais IVA. Parece muito, mas no panorama dos automóveis de competição é mesmo “uma pechincha”. Estás pronto a correr!

O campeonato KIa Picanto GT Cup

Antes do início do campeonato haverá no Estoril, a 6 de maio, um evento de entrega dos carros aos seus respetivos pilotos. O campeonato propriamente dito terá início no dia 11 de maio, na mais evocativa das provas, a Rampa da Falperra.

Kia Picanto GT Cup

O campeonato está limitado a 30 lugares, e divide-se em duas categorias, Junior e Pro, com a primeira a permitir pilotos com idade entre os 16 e os 27 anos, e a segunda com idade superior aos 27 já mencionados.

Além dos prémios monetários para os três primeiros classificados no final do campeonato, existem prémios monetários por prova, até ao 10º classificado.

Para ficares a saber tudo sobre este campeonato, vai a www.kiapicantogtcup.com.

Kia Racing Opportunity

Como já aconteceu em anos anteriores, a Kia Portugal em conjunto com a CRM Motorsport e o Circuito do Estoril, vão promover mais uma edição do Kia Racing Opportunity, que dará a possibilidade a dois jovens talentos de participarem na primeira época do Kia Picanto GT Cup.

As inscrições estão abertas até 30 de abril, através do site relativo ao evento, com a inscrição no valor de 160 euros. A participação está limitada a 144 inscritos e a seleção será levada a cabo nos dias 7 e 8 de maio.

Primeiras impressões

Não se pode pedir muito mais pelo custo da máquina. As alterações efetuadas no Kia Picanto GT Cup não foram extensivas, mas são eficazes: não há Kia Picanto mais rápido ou capaz a curvar, obviamente. Lamenta-se apenas o escalonamento da caixa de velocidades que se mantém idêntico ao carro de série e que provou não ser o mais adequado ao circuito do Estoril. A Kia Portugal espera que o troféu se mantenha no ativo pelo menos durante quatro anos, o que não parece ser difícil. Segundo os organizadores é de esperar evoluções na pequena máquina durante esse período de tempo, sempre com elevado foco no custo/benefício e… gozo. Por mim, tem o selo de aprovação. As voltas efetuadas no Estoril revelaram um carro rápido e divertido q.b. e confiável para atacarmos as curvas "sem medos". E isto foi sozinho — junte-se agora mais duas, três dezenas de pilotos…

  • Motor

  • Comportamento

  • Escalonamento da caixa

  • Posição de condução

Preço

27.183

Sabes responder a esta?
Qual a potência do Kia Picanto 1.0 T-GDi de série?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Kia Picanto X-Line 1.0 T-GDi. Vitamina turbo!

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos