Apresentação

Eletrificado e mais hi-tech. Este é o novo Land Rover Discovery Sport

O atualizado Land Rover Discovery Sport esconde muito mais novidades do que à primeira vista aparenta ter — vamos conhecê-las…

O Land Rover Discovery Sport foi apresentado em 2014, o que ao ritmo que a indústria automóvel está a mudar hoje em dia, parece uma eternidade. Altura de renovar o modelo mais vendido da marca britânica.

Por fora, parece que nada mudou — as diferenças resumem-se essencialmente aos para-choques e óticas dianteiras e traseiras (LED) —, mas por baixo da pele exterior as diferenças são substanciais.

O novo Discovery Sport passa a assentar sobre a plataforma PTA (Premium Transverse Architecture), estreada pelo novo Range Rover Evoque — uma evolução da anterior D8. O resultado é um incremento de 13% na sua rigidez estrutural, e no permitir adotar novas tecnologias, onde se inclui a eletrificação parcial das suas motorizações.

VÊ TAMBÉM: Metemos o novo Range Rover Evoque numa piscina. E não só…

Eletrificação

Essa eletrificação é conseguida através de um sistema mild-hybrid (semi-híbrido) de 48 V e também através de uma variante híbrida plug-in (PHEV) — a ser apresentada ainda este ano —, que casará o motor elétrico com um bloco Ingenium de três cilindros.

O sistema mild-hybrid permite poupar até 8 g/km nas emissões de CO2 e até 6% no consumo de combustível. Também permite uma funcionalidade mais avançada do sistema start-stop, desligando o motor de combustão a partir dos 17 km/h, e o motor elétrico pode “injetar” 140 Nm de binário extra, em caso de necessidade.

RELACIONADO: Range Rover Sport PHEV. O primeiro SUV a alcançar a “Porta do céu”

Motores

No lançamento estarão disponíveis dois blocos Ingenium de quatro cilindros com 2.0 l de capacidade — um a gasóleo e outro a gasolina —, surgindo em diversas variantes. Do lado do Diesel temos o D150, D180 e D240, enquanto do lado dos Otto temos o P200 e P250 — a designação resulta da combinação do tipo de motor/combustível, “D” para Diesel e “P” para Petrol (gasolina), e do número de cavalos que disponibiliza.

O acesso à gama faz-se através do D150, apenas com tração dianteira, sendo também a versão com menores consumos e emissões — 5,3 l/100 km e 140 g/km de CO2 (NEDC2). É a única motorização que pode ser combinada com uma caixa manual de seis velocidades, e também é a única que não integra o sistema mild-hybrid.

Todas as outras versões trazem obrigatoriamente o já mencionado sistema mild-hybrid, uma caixa automática de nove velocidades e tração às quatro rodas — esta última acompanhada pelo sistema Terrain Response 2 com quatro modos de condução específicos dependendo do tipo de terreno.

Off-road

Sendo um Land Rover, espera-se sempre por capacidades referenciais quando o alcatrão acaba, ou pelo menos acima da média. O novo Discovery Sport, além do sistema Terrain Response 2, apresenta ângulos de 25º, 30º e 20º, respetivamente de ataque, saída e ventral, e uma capacidade de vau de 600 mm. A distância ao solo é de 212 mm e consegue trepar pendentes com até 45º de inclinação (versões AWD).

Land Rover Discovery Sport 2019
Os vários modos disponíveis no sistema Terrain Response 2

O Land Rover Discovery Sport passa a poder ter a tecnologia Clear Sight Ground View, que também vimos no novo Evoque. Basicamente torna o capot “invisível”, recorrendo a três câmaras exteriores, permitindo ver o que está imediatamente por baixo e à frente do compartimento do motor, revelando-se um auxiliar valioso na prática do todo o terreno — nada de andar a raspar o cárter devido ao calhau que não vimos…

Land Rover Discovery Sport 2019
Parece magia… Podemos ver o que acontece por baixo do compartimento do motor.

Os Discovery Sport AWD vêm ainda munidos de dois sistemas: o Driveline Disconnect, que desacopla o eixo traseiro quando em velocidades estabilizadas para garantir maior poupança de combustível e o Active Driveline (disponível em apenas algumas motorizações), efetivamente um sistema eletrónico de vetorização de binário.

VÊ TAMBÉM: Novo seis cilindros em linha da JLR chega também ao Range Rover

Interior

A renovação do Land Rover Discovery Sport é mais sentida no interior do que no exterior. Mantém-se a possibilidade de escolher entre duas ou três filas de bancos, ou seja, entre cinco e sete lugares, com a segunda fila a ser do tipo deslizante e a rebater em três partes (40:20:40).

A plataforma PTA oferece também um packaging superior, notando-se no aumento de espaço útil no interior. A capacidade da bagageira é superior em 5% quando todos os bancos estão rebatidos, atingindo os 1794 l; e a capacidade total dos espaços de arrumação aumentou 25%, onde verificamos, por exemplo, um volume de 7,3 l para o compartimento entre os dois bancos dianteiros.

As maiores diferenças notam-se na adoção do mais recente sistema de info-entretenimento Touch Pro acedido através de um ecrã tátil de 10,25″, compatível com Apple Car Play e Android Auto. O painel de instrumentos é 100% digital, composto por um ecrã de 12,3″.

VÊ TAMBÉM: A Land Rover volta a mostrar o Defender, mas ainda com camuflagem

Carregamento sem fios para smartphones, entradas USB nas três filas de bancos, três entradas de 12 V, e até atualizações de software “over the air” fazem agora parte do cardápio do Discovery Sport, assim como a possibilidade de vir com um retrovisor digital.

RELACIONADO: Range Rover Velar, agora com um V8 Supercharged e 550 cv

Este funciona como um retrovisor normal, mas quando necessitamos, “transforma-se” num ecrã de alta resolução que transmite o que a câmara traseira está a ver.

VÊ TAMBÉM: Land Rover Discovery ganha Diesel biturbo de 306 cv e mais segurança

Quando chega?

Já é possível encomendar o novo Land Rover Discovery Sport com preços a começar nos 48 855 euros.

Sabes responder a esta?
Qual o modelo da Rover que serviu de base ao Streetwise?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Rover Streetwise
Em cheio!!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Rover Streetwise

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos