Ao volante

O novo Kia Ceed aposta forte na dinâmica. Ficámos convencidos?

A apresentação da terceira geração do Kia Ceed ocorreu por terras algarvias, revelando-se uma séria alternativa às referências do segmento.

Em Algarve, Portugal

Para onde é que o GPS está-me a levar? Devia sair da rotunda e seguir a placa a dizer Lisboa, mas o GPS indicava outro percurso para chegar ao IC1, um percurso mais curto, aparentemente. E minha nossa… que percurso!

A faixa de asfalto que se desenrolava à minha frente era simplesmente fantástica: algo estreita, sem bermas, enrugada, com depressões, serpenteando montanhas, subia e descia — por vezes acentuadamente —, curvas de todos os tipos e, crucialmente, sem trânsito — cruzei-me apenas com quatro ou cinco carros ao longo de 20 e poucos quilómetros —, e também sem rails de proteção — nalguns casos uma saída de estrada garantiria uma descida ou queda abrupta de dezenas, senão, centenas de metros…

Uma estrada, excitante e até perigosa, digna de uma etapa do mundial de ralis e eu ao volante do novo Kia Ceed… Diesel, e caixa auto — ohhhh destino!  Os deuses petrolheads gozavam comigo.

Mas o inesperado aconteceu. Quanto mais avançava pela M502, mais o novo Kia Ceed impressionava. Longe de ser um desportivo, revelou-se bem mais capaz do que estava à espera. Irregularidades e depressões simplesmente eram absorvidas pela suspensão sem grandes dramas — apesar de, numa ou outra situação, haver movimento a mais na carroçaria, a suspensão independente do Ceed esteve sempre à altura do desafio, com o carro a nunca perder compostura, mesmo com o elevar do ritmo.

No entanto e a meu ver, o que sobressaiu foi a direção. Precisa — a marca anuncia que é 17% mais direta do que a do antecessor —, com o peso certo e com uma resposta natural, inspira grande confiança quando atacamos de forma mais empenhada a próxima curva.

Justificava-se o destaque no discurso da marca dedicado às questões dinâmicas, e com correspondência direta quando ao volante — uma passagem pelo Kartódromo Internacional do Algarve já tinha deixado muito boas impressões. Depois do Kia Stinger já ter convencido do ponto de vista da condução, o novo Ceed parece seguir-lhe os passos — temos aqui uma proposta genuína no segmento para quem aprecia conduzir.

Kia Ceed
Embora dinâmico, o Kia Ceed não castiga os ocupantes.

Aqueles 20 e poucos quilómetros convenceram e deram para ter um retrato nítido das aptidões dinâmicas do novo Kia Ceed: amortecimento a tender para o firme, mas confortável q.b. e capaz de absorver eficazmente as ofensas do alcatrão; previsível nas reações, mas a demonstrar agilidade e até a cativar na condução; e uma direção genuinamente bem calibrada. Deixa expetativas elevadas para o Kia Ceed GT, a ser dado a conhecer em 2019, equipado com o 1.6 T-GDi de 200 cv.

Quem quiser mais, terá de optar pelo «todo poderoso» Hyundai i30 N, que assume a expressão máxima desta plataforma no seio do gigante coreano. Podes recordar as nossas aventuras ao volante deste hot hatch neste link — vais dar o tempo por bem empregue.

Estradista nato

Apesar da combinação 1.6 CRDi e caixa de dupla embraiagem não ser a mais indicada para aquele troço, revelou-se, talvez, a melhor escolha para os 300 e tal quilómetros de viagem que me aguardavam.

Os números são idênticos ao antecessor, com 136 cv, mas o 1.6 CRDi é um motor novo, denominado U3. Destacou-se, sobretudo, pela insonorização — o som dos Diesel raramente tem interesse, pelo que foi com agrado que não passou mais do que um longínquo murmúrio, durante maior parte da viagem.

Kia Ceed
Nesta nova geração não haverá versão coupé.

De notar, também, a caixa 7DCT, cuja calibração pareceu-me ser a mais acertada de sempre num produto Kia/Hyundai. Nesta nova geração do Ceed esta caixa vem munida de um modo Sport. Não só torna a ação do acelerador mais acutilante — o carro parece perder centenas de quilos de um momento para o outro —, como revela uma boa sensibilidade à pressão no acelerador sem levar obrigatoriamente todas as relações para lá das 4 000 rpm.

A restante viagem não foi tão “colorida”. O IC1 é um tédio — só ultrapassado pelo tédio da autoestrada —, mas permitiu averiguar igualmente a muito boa supressão de ruídos aerodinâmicos, mas a não tão boa supressão do ruído de rolamento — a nossa unidade vinha equipada com jantes de 17″ e borracha desportiva, cortesia dos Michelin Pilot Sport. Fatores que em parte justificam integralmente os elogios à dinâmica, que de resto já tínhamos feito noutros momentos ao Hyundai i30 nas suas diversas versões.

Consumos do novo Kia Ceed

O extenso contacto dinâmico permitiu também ter uma ideia muito concreta dos consumos. Conduzir como se o tivéssemos roubado, pela serra adentro, originou consumos de 9,2 l/100 km; a ritmos mais serenos e estabilizados entre os 80-120 km/h (com algumas ultrapassagens mais vigorosas pelo meio) no IC1 obtive 5,1 l/100 km, e já na A2, em direção a Lisboa, a 130-150 km/h, o computador de bordo marcava 7,0 l/100 km. A diversidade de percursos e ritmos — que já incluiu algumas incursões citadinas, nos dias seguintes —, resultou numa média global de 6,3 l/100 km.

Interior

A bordo, e com muito tempo ao volante, deu também para apreciar um interior que, apesar de visualmente não ser o mais inspirado, estava robustamente construído, com alguns materiais agradáveis ao toque e, no geral, ergonomicamente correto.

Não sou o maior fã de ecrãs táteis, mas é razoavelmente fácil navegar pelas opções disponibilizadas, mas há espaço para melhorar, tanto em usabilidade como apresentação.

No entanto, há pormenores que necessitam de uma mais urgente revisão. Os dois instrumentos analógicos circulares no painel de instrumentos, dependendo da posição do sol, apresentavam reflexos que tornava a sua leitura praticamente impossível. Critica semelhante aos dígitos da temperatura integrados nos comandos manuais do ar condicionado, que são praticamente invisíveis durante o dia. E o metalizado que reveste a consola onde se encontra o manípulo da caixa pode chegar mesmo a encadear quando o sol incide diretamente.

A Kia anuncia um incremento nas cotas internas do Ceed, apesar de manter o mesmo comprimento e distância entre eixos do antecessor (4310 mm e 2650 mm, respetivamente), com espaço abundante nos bancos traseiros e uma mala com 395 l, uma das maiores no segmento. A visibilidade é, no geral, boa, apesar de, em algumas curvas, o pilar A revelar-se algo intrusivo. Para trás, a câmara traseira acaba por ser um “mal necessário” para as manobras de parqueamento.

Convence também a gasolina

Além do 1.6 CRDi, houve oportunidade para um contacto, mais curto — não só em estrada como no kartódromo — com o novo motor Kappa, o 1.4 T-GDi, com 140 cv e caixa manual de seis velocidades, a gasolina. É mais rápido que o 1.6 CRDi — são menos 100 kg de peso(!) —, e a caixa manual tem uma ação positiva, e fornece um superior nível de interação. Mas, menos satisfatória, foi a resposta do pedal do acelerador, dando até a percepção, incorreta, de que o motor era algo amorfo — há que carregar com mais convicção.

Kia Ceed 1.4 T-GDi Kappa

Uma crítica que se estende ao pedal do acelerador do 1.6 CRDi, mas ao contrário deste equipado com a 7DCT, as variantes com caixa manual não dispõem de um modo Sport, o que permitiria atenuar significativamente a falta de precisão do pedal.

Mais positivo era um dos extras desta unidade. Um generoso teto panorâmico, que permite inundar o habitáculo de luz, e não é fixo, permitindo a circulação de muito ar, perfeito para as noites quentes de verão que se aproximam.

Novo Kia Ceed com vontade própria

Estreia absoluta da Kia, na Europa, é a integração de tecnologias de condução autónoma de nível 2. Entre elas está a assistência em fila de trânsito (Lane Follow Assist) — controla aceleração, travagem e direção de acordo com o veículo da frente —, que combina o cruise control inteligente com o Lane Keep Assist (assistente de manutenção na faixa).

Houve oportunidade de testar o sistema em autoestrada, e parece magia ver o carro assumir o controlo da direção, mantendo-o na faixa de rodagem, até mesmo em curvas um pouco mais pronunciadas.

Dito isto, não é um carro autónomo, e não são precisos mais do que poucos segundos para nos alertar para voltar a colocar as mãos no volante, mas deu para demonstrar que a tecnologia efetivamente funciona.

Em Portugal

O novo Kia Ceed estará disponível a partir de julho, com o 1.6 CRDi 7DCT testado, com o nível de equipamento TX, a começar nos 32 140 euros. Com a campanha de lançamento, o preço fica-se pelos 27 640 euros. Para saber mais em pormenor todos os preços, versões e equipamentos do novo Kia Ceed em Portugal, é só seguir o destaque.

Primeiras impressões

8 / 10
Ficámos convencidos, sim senhor. Bem construído, bem equipado, espaçoso e confortável, além de manter uma muito boa relação valor-preço, adiciona um novo argumento ao seu arsenal: dinâmica. A direção destaca-se — está muito bem conseguida —, e o comportamento é eficaz e previsível, mas não entediante.

  • Comportamento eficaz

  • Direção precisa e com resposta natural

  • Qualidade de montagem

  • Habitabilidade

  • Visibilidade de alguns instrumentos

  • Falta apelo visual ao interior

  • Resposta do acelerador

Preço

32.140

Data de comercialização: Julho 2018


Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos