Espaço Hyundai

Nürburgring é só a «ponta do iceberg»…

O centro de testes da Hyundai no Nürburgring é apenas a face mais visível do processo de desenvolvimento dos novos modelos Hyundai. Hoje vamos conhecer a face menos visível e mais impressionante desse mesmo processo.

Como sabes, a Hyundai tem um objetivo: até 2021 quer ser a marca asiática nº1 da Europa. Um objetivo ambicioso, que assenta em algumas das maiores estruturas industriais jamais fabricadas pelo homem. Sem desenvolvimento e investimento tecnológico esse objetivo é impossível de alcançar.

Já conhecemos o centro de testes da Hyundai no Nurburgring, já visitámos a maior fábrica do mundo de automóveis em Ulsan, e também já conhecemos os detalhes da siderurgia onde a Hyundai transforma pedras em aço de elevada resistência para os seus automóveis e «super-navios».

Sabias que...
Em Portugal a Hyundai tem registado um crescimento acima dos 40% ao ano.

Vamos mais longe?

Hoje queremos ir mais longe. Hoje vamos afastar-nos da cidade de Ulsan, em direção ao sudoeste da Coreia do Sul — a nossa última viagem com o Espaço Hyundai foi até Dangjin se bem te recordas. Hoje vamos até Hwaseong, é lá que encontramos o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Namyang.

Namyang. Um dos mais importantes centro de testes da Hyundai.

Esta infraestrutura do Grupo Hyundai tem 33 mil metros quadrados e serve de «quartel general» a mais de 10 mil engenheiros, separados por diferentes edifícios e especialidades: robótica, mecânica, aerodinâmica, ergonomia, eletrónica, entre outras.

N Performance porquê?
A Hyundai nomeou o seu departamento desportivo com a letra N numa alusão a Nurburgring e a Namyang, locais onde estão sediados os departamentos da divisão desportiva da marca coreana.

É aqui, em Namyang, que desde 2007, nascem grande parte das tecnologias usadas pela Hyundai nos seus modelos. Um centro que trabalha em estreita colaboração com o Centro Tecnológico de Russelsheim, na Alemanha — a sede da Hyundai na Europa.

E porque o circuito de Nurburgring está constantemente rodeado de “câmaras indiscretas”, é em Namyang que a marca coreana desenvolve, testa e verifica a segurança e qualidade dos seus modelos antes de sujeitá-los aos escrutínio dos Salões Automóvel. Para garantir a máxima confidencialidade, Namyang está rodeado por um perímetro de segurança, onde não é permitida a recolha de imagens nem a circulação de veículos não autorizados.

Para testar a fiabilidade dos Hyundai i30 N, a marca submeteu dois exemplares deste modelo a duas provas de resistência de 24 Horas no Nurburgring. O mesmo motor e a mesma caixa de velocidades.

Podemos afirmar que Nurburgring é apenas a «face mais visível» de todo o processo de desenvolvimento de um novo Hyundai

Tecnologia de ponta

Além dos mais de 10 mil engenheiros, o centro de Namyang está equipado com todos os equipamentos e infraestruturas necessários para o desenvolvimento de um automóvel de acordo com os mais exigentes padrões de qualidade e segurança.

Um dos equipamentos mais importantes é o túnel de vento do Grupo Hyundai, inaugurado em 1999. É um dos cinco túneis de vento no continente asiático, espalhados pela China, Japão e Coreia do Sul.

namyang espaço hyundai portugal
É neste túnel de vento, capaz de simular ventos de 200km/h que a Hyundai testa a aerodinâmica dos seus modelos com vista à redução dos consumos e melhoramento do conforto acústico.

Por dia são testados neste túnel de vento mais de 30 modelos – inclusivamente modelos da concorrência, para aferir os “trunfos” dos rivais.

No exterior a multiplicidade de pistas de testes impressiona, ao todo são 34 pistas de testes com diferentes superfícies e configurações. A maior diz respeito a uma pista oval inclinada, que contorna todo complexo, que é usada para simular viagens a alta velocidade e monitorar o comportamento de todo o conjunto. A velocidade média dos testes nesta pista oval é de 180 km/h.

As restantes pistas de testes, num total de 34 layouts diferentes e 71 pisos diferentes (alcatrão, pedras, estrada molhada, buracos, lombas, etc) servem para testar o conforto dos novos modelos em condições reais de utilização e o desgaste dos componentes, bem como a solidez do interior.

Entre outros testes, podemos considerar os seguintes:

  • Simulações em túnel de vento;
  • Testes em estradas;
  • Teste electromagnético (para testar as interferências de outros modelos);
  • Simulador de neve/chuva e calor;
  • Bancos de ensaio para motores, travões, chassis e suspensão.

Tudo é testado até à exaustão para garantir a máxima fiabilidade de todos os componentes, sejam quais forem as condições. No final poderás fazer uma viagem daqui até à Lua com garantia — sim isso mesmo, podes saber mais neste link.

Ainda aguentam mais uma viagem?

Nós dissemos que no que a testes diz respeito, Nurburgring era apenas a ponta do iceberg. Portanto vamos “voar” diretamente de Namyang para a Califórnia (EUA), mais concretamente para o Deserto de Mojave.

A imagem aérea permite ter uma noção mais aproximada das reais dimensões do centro de desenvolvimento dos EUA.

É nestas condições de calor extremo, num dos pontos mais quentes do planeta Terra, que o Grupo Hyundai construiu em 2004 um centro de testes dez vezes maior do que o de Namyang – sim, isso mesmo, 10 vezes maior. São mais de 1 750 hectares de área total, com 116 km de pistas de testes.

O Grupo Hyundai construiu este centro com um objetivo muito claro: testar os seus modelos nas mais exigentes condições climatéricas do planeta. Só depois das soluções empregues nos modelos da Hyundai sobreviverem às exigências do deserto de Mojave, é que passam para produção. Se sobreviverem a isto, sobrevivem a tudo.

Hyundai i30 desvolvimento
Um Hyundai i30 em fase de testes.

Então e Nürburgring?

Não é só a fiabilidade que importa. A Hyundai quer que a dinâmica dos seus modelos seja segura, previsível e satisfaça as ambições dos condutores europeus. Neste contexto, Nurburgring é a ultima linha deste longo processo de desenvolvimento e testes em condições extremas.

Esta é a sede da Hyundai no Nürburgring.

É em Nürburgring que se procedem às últimas afinações antes do derradeiro momento: a «luz verde» para a produção. Um processo longo mas necessário para a Hyundai atingir o seu objetivo: ser a marca asiática nº1 na Europa. Feitas estas viagens, ainda tens coragem para ir até ao Polo Norte com o Espaço Hyundai? Vamos a isso.

Este conteúdo é patrocinado porHyundai