Espaço Hyundai

De que aço são feitos os Hyundai?

As marcas de automóveis são todas similares. Umas maiores outras mais pequenas, mas todas se limitam a produzir, distribuir e vender carros. Certo? Errado.

A Hyundai é diferente. A marca coreana – que como vimos aqui tem sotaque alemão – é a única marca a nível mundial capaz de transformar pedras em automóveis.

E não, transformar pedras em automóveis não é uma figura de estilo. É literalmente isso que a Hyundai faz.

Como, onde e porque é que o faz? É isso que vamos descobrir neste especial Espaço Hyundai com o apoio da Hyundai Portugal.

Transformar pedras em automóveis. Como assim?

Em 1920, Henry Ford teve uma ideia genial. Ao invés de adquirir os componentes do Model T a fornecedores externos, passou a produzi-los internamente. A premissa era simples e é válida até aos dias de hoje: “quanto maior for o controlo sobre a produção, maior é o controlo sobre o produto final”, escreveu o historiador Robert Kreipke, sobre a estratégia deste visionário da indústria automóvel.

Fundição

Regressando ao presente, a Hyundai elevou este princípio de controlo absoluto da produção para um nível sem precedentes na indústria automóvel. A Hyundai controla a qualidade dos seus automóveis desde o momento em que estes são apenas “pedras”. O que em parte explica a garantia Hyundai “daqui até à Lua”.

Por outras palavras: a Hyundai é a única marca do mundo que produz o aço com que são fabricados os seus automóveis.

Como sabes, o aço – que é uma variante do ferro com menor concentração de carbono – ao contrário dos metais nobres, não se encontra na natureza em estado bruto. O ferro (matéria-prima da qual deriva o aço), antes ser sujeito a um processo industrial, é um mineral sem qualquer utilidade prática.

O minério de onde é extraído o aço.
O minério de onde é extraído o aço.

Como é que a Hyundai transforma “pedras” em aço? É um processo simplesmente impressionante. Não só pela escala mas também por toda a tecnologia empregue. É isso que vamos ver de seguida.

O «monstro» de Dangjin

um dos distritos da fábrica de Dangjin
Nesta imagem aérea é visível um dos distritos da fábrica de Dangjin.

Além da indústria automóvel, a Hyundai estende o seu domínio a outras indústrias – navios, pontes, edifícios, máquinas, etc, como podes ver aqui. É neste universo do «gigante coreano» que encontramos a Hyundai Steel, que é a divisão responsável pelo fabrico do aço empregue pela Hyundai em toda a sua atividade.

De todas as infraestruturas da Hyundai Steel, destaca-se uma fábrica situada em Dangjin, a sul de Seoul – a capital da Coreia do Sul.

Fundição — Brincar com o fogo, literalmente.
Brincar com o fogo, literalmente.

A Dangjin Integrated Steelworks, como é conhecida esta fábrica, é uma infraestrutura de dimensões impressionantes. Tem 7,4 milhões de m2 de área construída (o equivalente a 770 campos de futebol) e capacidade para produzir 11,4 milhões de toneladas de aço por ano.

Visão parcial da Dangjin Integrated Steelworks
Visão parcial da Dangjin Integrated Steelworks

É desta «mega-fábrica» que sai o aço que alimenta a maior fábrica do mundo de automóveis, a fábrica de Ulsan. Esta fábrica produz um Hyundai a cada… dez segundos! Mais de 1,5 milhões de carros por ano.

Monstro verde

Apesar das dimensões, a Dangjin Integrated Steelworks é das siderurgias mais ecológicas do planeta. Apesar de estar dividida em três distritos (devido às dimensões) todos os edifícios são cobertos.

O objetivo destas coberturas é não contaminar a atmosfera com as poeiras, fumos e resíduos decorrentes da atividade siderúrgica.

Cúpula com mais de 70 metros de altura.
Mais de 70 metros de altura.

Isto significa que desde do momento em que a matéria-prima chega ao porto de Ulsan através de navios (também produzidos pela Hyundai), o minério destinado à produção de aço nunca mais vê a luz do dia. É dentro destes armazéns que podemos observar algumas das maiores gruas do mundo.

Outra das particularidades da fábrica de Dangjin está relacionada com a capacidade de reciclagem de aço oriundo de barcos, navios, carros e máquinas pesadas que já cumpriram a sua função. Há um distrito dedicado apenas a dar uma segunda vida a este aço.

A preocupação com o meio ambiente não acontece apenas do lado da prevenção. A Hyundai investe de forma ativa, uma parte do seu orçamento na reflorestação da periferia de Ulsan (já foram plantadas mais de 600 000 árvores nesta localidade) e na reabilitação dos espaços verdes da cidade.

Tudo isto para que os 1,3 milhões de habitantes da cidade – dos quais mais de 50% trabalharam direta ou indiretamente para a Hyundai – se sintam bem.

Uma fornalha à dimensão da restante fábrica.
Uma fornalha à dimensão da restante fábrica.

A preocupação com o fator humano é de resto uma característica inscrita no ADN da Hyundai. Quando Chung Ju-Yung fundou a Hyundai, fez uma promessa: todos os colaboradores deveriam ter direito a uma refeição diária gratuita. Uma medida implementada na década de 50, numa altura em que a Coreia do Sul estava mergulhada numa grave crise económica. Hoje, Ulsan é a cidade mais rica do país mas a medida mantém-se.

Porquê produzir o seu próprio aço? Consequências práticas

Agora que já sabemos como e onde é que a Hyundai produz o aço dos seus automóveis resta saber porque é que o faz. Para isso é preciso entender o papel do aço nos automóveis modernos.

Destas placas de aço vão nascer automóveis.
Destas placas vão nascer automóveis.

Desde 1930 que o aço é a principal matéria-prima do automóvel, tendo substituído gradualmente a madeira. A facilidade do seu manuseio, a elevada rigidez torsional e a resistência à passagem do tempo fizeram deste material a escolha n.º 1 da indústria automóvel.

Porém, hoje o papel do aço na indústria automóvel é muito mais abrangente. Segurança, ecologia e agradabilidade de condução são fatores igualmente importantes. É por isso que desde o início do séc. XXI até agora, a rigidez do chassis dos automóveis passou dos 500 megapascais (MPa) para os 1500 MPa.

Isto só foi possível graças a um massivo investimento na tecnologia, uma tecnologia que a Hyundai domina.

O aço não é todo igual

A qualidade do aço transformou-se num dos principais fatores de qualidade do automóvel. Ainda que não esteja à vista devido a diversas camadas de tinta, o aço com que é fabricado os automóveis faz toda a diferença.

O aço é responsável não só por dar forma aos automóveis, mas também por garantir a segurança dos passageiros. Hoje em dia, todos os Hyundai recorrem a aço de elevada resistência na composição dos perfis do chassis. Desde o mais prático e económico Hyundai i10, até ao mais exclusivo Hyundai Tucson.

Raio-X ao Hyundai Tucson
Raio-X ao Hyundai Tucson.

No caso do citadinho Hyundai i10, 37% do chassis é produzido em aço de elevada resistência. Esta percentagem diz respeito maioritariamente à célula de segurança do habitáculo, que é o último reduto dos ocupantes em caso de acidente. Os restantes perfis estão pensados para absorver a energia do impacto e minorar as possibilidades de lesão.

A NÃO PERDER: Esta é a equipa mais portuguesa do Mundial de Ralis

Quanto ao Hyundai Tucson, é tão-somente o SUV com maior resistência à torção do seu segmento. Um fator que tem reflexos não só na segurança, mas também na suavidade e sensação de solidez de todo o conjunto.

É graças à evolução no fabrico de aço que Hyundai consegue fazer carros mais seguros, mais leves e ecológicos. A título de exemplo, o chassis do novo Hyundai i30 face ao seu antecessor, é 28 kg mais leve apesar de ser 22% mais rígido.

Números que impressionam e que demonstram o empenhamento da marca coreana num objetivo muito concreto: ser a marca asiática n.º 1 da Europa até 2021. Não apostem contra eles…

Novo Hyundai i30

#NovoHyundaii30
Um amor mais forte do que o aço ❤️
Descubra mais em goo.gl/4Pu6HP

Publicado por Hyundai Portugal em Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2017

 

Este conteúdo é patrocinado porHyundai
Sabes responder a esta?
Há quantos anos a Hyundai fabrica automóveis?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

50 anos de história do «gigante coreano»
Em cheio!!

Lê o artigo sobre este tema:

50 anos de história do «gigante coreano»