KTM X-Bow GT-XR. Diretamente das pistas para a estrada e até se «esqueceu» das portas

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

KTM X-Bow GT-XR. Diretamente das pistas para a estrada e até se «esqueceu» das portas

Com muitas das soluções usadas nos GTX e GT2, o KTM X-Bow GT-XR é o mais próximo que existe das versões de competição do modelo austríaco.

O KTM X-Bow GT-XR é a mais recente e radical oferta da marca austríaca que se tem celebrizado, maioritariamente, no mundo das duas rodas.

Na prática, o X-Bow GT-XR mais não é do que uma versão apta a circular na via pública dos X-Bow GTX e GT2 destinados às pistas.

Tal começa por ficar patente no capítulo visual, assemelhando-se muito aos «irmãos» de competição. Aliás, o X-Bow GT-XR até prescinde das portas em favor da manutenção da característica canópia.

A NÃO PERDER: Quantos litros de gasolina gasta a KTM RC16 de Miguel Oliveira?

Já no interior, a ligação ao mundo da competição é reforçada pela presença do volante removível em fibra de carbono, assim como pelo painel de instrumentos e pedais ajustáveis.

Contudo, «luxos» como o sistema de som com Bluetooth, o ar condicionado, a iluminação LED e até um pequeno porta-luvas relembram-nos de que o X-Bow GT-XR também pode ser um carro para o dia a dia.

«Base» de competição

Apesar de poder circular na via pública, o KTM X-Bow GT-XR não abdica das soluções técnicas que servem de base aos seus «irmãos de competição».

KTM X-Bow GT-XR vista dianteira 3/4 com a canópia fechada

Desta forma partilha com os X-Bow GTX e GT2 a monocoque em fibra de carbono — apenas 80 kg — que lhes serve de base e a roll cage em aço aprovada pela FIA, vendo por isso o seu peso em seco fixar-se nos 1130 kg.

Também o motor é o mesmo usado pelos modelos de competição, ainda que no X-Bow GT-XR esteja em conformidade com as normas de emissões vigentes.

KTM X-Bow GT-XR vista traseira 3/4

Consiste num cinco cilindros em linha turbo, com 2,5 l de capacidade, de origem Audi, que aqui se apresenta com 500 cv às 6350 rpm e 581 Nm às 5550 rpm em vez dos 600 cv com que o encontramos no X-Bow GT2.

A transmissão está a cargo de uma caixa DSG (dupla embraiagem) de sete relações e o binário é enviado para o eixo traseiro onde encontramos ainda um diferencial autoblocante.

Tudo isto permite ao desportivo da KTM cumprir os 0 aos 100 km/h em 3,4s e alcançar os 280 km/h de velocidade máxima.

Quanto à travagem, essa está a cargo de pinças monobloco fixas de oito pistões e discos de aço. Em opção o X-Bow GT-XR pode ser equipado com travões carbo-cerâmicos e ainda com jantes de aperto central.

Por fim, o KTM X-Bow GT-XR conta com mais uma solução «herdada» da competição: o sistema AirCurtain da KTM. O que faz? O objetivo é de criar efeito de solo para «colar» o carro à estrada. Segundo a KTM esta é a primeira vez que um sistema deste género é instalado num carro de estrada.

Pronto para o dia a dia

Apesar dos «genes de competição» do X-Bow GT-XR, a KTM aponta-o como um carro perfeito para o dia a dia, colocando em evidência algumas das suas características.

Por exemplo, a KTM diz que o X-Bow GT-XR conta com um depósito com 96 l, direção assistida progressiva, uma bagageira com 160 l de capacidade e ainda, como opcional, com um sistema hidráulico que permite elevar a dianteira para ultrapassar obstáculos como lombas.

KTM X-Bow GT-XR habitáculo

Quanto custa?

Para os eventuais interessados, o novo KTM X-Bow GT-XR ascende aos 284 900 euros. Para já a KTM não revelou quantas unidades planeia produzir nem quando estas começam a ser entregues.

Recorde-se que a KTM impôs a si mesma um limite máximo de 100 carros/ano, aplicando-se este limite a todos os seus modelos de quatro rodas, ou seja, aos X-Bow R, RR, GT4, GT, GTX e GT2.

Sabe responder a esta?
Em qual destas marcas trabalhou Horacio Pagani?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

A história de Horacio Pagani e o gigantesco «melão» da Lamborghini

Mais artigos em Notícias