CX-60 em vídeo. Primeiro híbrido plug-in é o Mazda de estrada mais potente de sempre

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 53 750 euros

CX-60 em vídeo. Primeiro híbrido plug-in é o Mazda de estrada mais potente de sempre

O Mazda CX-60 só chega a Portugal no verão, mas nós já o conduzimos na versão híbrida plug-in, com 327 cv de potência máxima combinada. Está aprovado?

Em Sintra, Portugal

A Mazda escolheu as estradas da Serra de Sintra e do Guincho para a apresentação internacional dinâmica do seu novo SUV CX-60, que já pode ser encomendado no nosso país.

Prestes a chegar ao mercado, algo que vai acontecer este verão no nosso país, o CX-60 vai estrear-se com uma motorização híbrida plug-in, que faz dele o primeiro do género da história centenária da Mazda.

E foi precisamente nessa motorização que pudemos «deitar as mãos» a este novo SUV da marca de Hiroshima, que se vai posicionar acima do CX-5, modelo que é 17 cm mais curto.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Mazda CX-30 e-Skyactiv-X. É tão económico como promete?

Este é também o primeiro de cinco novos modelos a lançar até 2025 que terão por base a inédita plataforma Skyactiv Multi-Solution Scalable Architecture de tração traseira (e integral), capaz de acomodar as novas motorizações de seis cilindros em linha do construtor japonês.

Porém, estes novos “seis em linha” só chegam em 2023, ainda que já esteja confirmado que uma será a Skyactiv-X a gasolina com 3.0 l e a outra será a Skyactiv-D a gasóleo com 3.3 l. A Mazda, por enquanto, só avançou com alguns números para o Diesel — fiquem a conhecê-los.

Mazda CX-60 frente
Mazda CX-60 em Lisboa, durante a sua apresentação em Portugal.

O mais potente de sempre

Mas por enquanto concentremos as nossas atenções no CX-60 híbrido plug-in (PHEV), que será a primeira variante do modelo a chegar ao mercado.

Nesta versão PHEV o Mazda CX-60 junta o já conhecido motor a gasolina de 2.5 litros e quatro cilindros naturalmente aspirado, com um motor elétrico de 129 kW (175 cv) montado numa também totalmente nova transmissão automática de oito velocidades, motor elétrico que é alimentado por uma bateria de 17,8 kWh.

Desta união resulta uma autonomia elétrica máxima de 60 km, uma potência total combinada de 327 cv e um binário máximo de 500 Nm, números que fazem deste o Mazda de produção mais potente da história.

Mazda CX-60 traseira
Na traseira, as semelhanças com o CX-5 são óbvias.

Foco na dinâmica

Apesar de acusar 2055 kg na balança e das dimensões generosas, o Mazda CX-60 cumpre o sprint dos 0 aos 100 km/h em 5,8s e é capaz de acelerar até aos 200 km/h de velocidade máxima (limitados).

Em linha reta, quando pisamos o acelerador, a resposta é firme e sem hesitações. Mas é quando chegamos às curvas que percebemos que este não é só mais um volumoso e pesado SUV.

A direção é pesada e deixa-nos sentir o que está a acontecer — pode ser demasiado pesada para algumas pessoas… — e mostra-se sempre muito precisa, tal como esperamos num Mazda.

E depois é preciso falar do controlo da carroçaria, que está muito bem conseguido. A Mazda garante que muito se deve ao facto de ter desenvolvido uma tecnologia própria, chamada Kinematic Posture Control, que estabiliza a postura do CX-60 em curva.

Descubra o seu próximo carro:

E para isso o sistema consegue travar a roda traseira que está no interior da curva para assim reduzir o rolamento e o afundamento da carroçaria.

Mazda CX-60 frente
Em curva, o rolamento da carroçaria está muito bem controlado. Bom trabalho, Mazda!

Quando chega e quanto vai custar?

O novo Mazda CX-60 já começou a ser produzido, no Japão, e está prestes a chegar à Europa. Quanto à chegada ao mercado nacional, os responsáveis da marca no nosso país confessaram-nos que deve acontecer antes de agosto.

A NÃO PERDER: Wankel regressa à Mazda com MX-30 híbrido plug-in

Certo, para já, é que o SUV chegará ao nosso país com quatro níveis de equipamento e com os seguintes preços (ainda estimativos):

  • CX-60 PHEV Prime-line — desde 53 750 euros;
  • CX-60 PHEV Exclusive-line — desde 55 350 euros;
  • CX-60 PHEV Homura — desde 57 750 euros;
  • CX-60 PHEV Takumi — desde 59 300 euros.

Primeiras impressões

8 / 10
A Mazda demorou a apostar nas motorizações híbridas plug-in, mas agora que o fez, percebe-se este tempo de espera: a fabricante nipónica queria acertar à primeira… e acertou. Este sistema «casa» muito bem com este novo SUV, de grandes dimensões, que mantém a dinâmica apurada tipicamente Mazda e junta-lhe uma grande presença em estrada, consumos interessantes e um interior muito bem conseguido.

  • Sistema híbrido

  • Comportamento dinâmico

  • Consumos

  • Sistema de infoentretenimento

Preço

53.750

Data de comercialização: Agosto 2022


Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Mazda 323 GT-R?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

10 desportivos de que já ninguém se recorda

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto