Mazda CX-60. Os primeiros números do novo «super Diesel» de 6 cilindros

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Motores

Mazda CX-60. Os primeiros números do novo «super Diesel» de 6 cilindros

Durante a apresentação do novo CX-60 no Japão, a Mazda divulgou os primeiros números do seu novo motor Diesel de seis cilindros em linha.

Apesar de sabermos o que aí vinha, não deixou de surpreender a revelação por parte da Mazda de dois novos motores de combustão interna de seis cilindros em linha para o novo CX-60, e para mais, um deles Diesel.

Aliás, o CX-60 destaca-se por várias razões. O rival japonês do alemão BMW X3 estreia uma plataforma de tração traseira, os já mencionados blocos de seis cilindros em linha e é ainda o primeiro híbrido plug-in da Mazda.

Pontos de interesse não lhe faltam — se ainda não o conhecem vejam este primeiro contacto estático com o Guilherme Costa:

TÊM DE VER: Mazda não desiste dos motores de combustão e anuncia «super Diesel» de seis cilindros

A revelação europeia do novo Mazda CX-60 concentrou-se, essencialmente, na inédita variante híbrida plug-in, mas agora, no evento idêntico no Japão, a Mazda «libertou» mais informação acerca do seu novo «super Diesel».

Duas versões

O inédito seis cilindros em linha Diesel da Mazda terá duas versões: Skyactiv-D e e-Skyactiv-D. Em ambas o bloco de seis cilindros em linha tem 3,3 l de capacidade — 3283 cm3 para sermos precisos —, e a mesma taxa de compressão de 15,2:1, mas diferem nos restantes números.

Assim, o Skyactiv-D declara 231 cv de potência atingidos entre as 4000 rpm e as 4200 rpm e um binário máximo de 500 Nm entre as 1500 rpm e 3000 rpm.

O e-Skyactiv-D distingue-se pela presença de um sistema mild-hybrid 48 V e por ter mais potência e binário. Estes são, respetivamente de 254 cv às 3500 rpm e 550 Nm entre as 1500 rpm e 2400 rpm.

Não foram avançados números acerca dos consumos e emissões do novo Diesel, mas a Mazda está a prometer valores equiparáveis aos seus motores de quatro cilindros, o que pode ajudar a justificar os valores de potência e binário algo «modestos», pelo menos quando os comparamos com outras propostas similares.

Em ambos os casos a transmissão às quatro rodas é efetuada através de uma inédita caixa automática de oito velocidades. No caso do e-Skyactiv-D, os clássicos 0-100 km/h são cumpridos em 7,3s e a velocidade máxima é de 220 km/h.

O CX-60 e-Skyactiv PHEV (híbrido plug-in) de 327 cv acelera mais rápido, anunciando 5,8s para o mesmo registo, mas a velocidade é limitada aos 200 km/h. Isto apesar de também ser mais pesado, anunciando entre 1980 kg e 1995 kg (sem condutor) contra os cerca de 1900 kg do e-Skyactiv-D.

 

E o seis cilindros em linha a gasolina?

Se a Mazda divulgou números acerca do 3.3 Skyactiv-D e 3.3 e-Skyactiv-D, o mesmo não podemos dizer do seis cilindros em linha a gasolina. Apenas sabemos que recorrerá à mesma tecnologia Skyactiv-X que está presente no 2,0 l presente nos Mazda3 e CX-30.

O novo Mazda CX-60 chega a Portugal no próximo mês de setembro com a motorização híbrida plug-in, com os blocos de seis cilindros em linha a chegarem em 2023.

Mais artigos em Notícias