Obrigado, pai, por me teres feito gostar de automóveis

Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Dia do Pai

Obrigado, pai, por me teres feito gostar de automóveis

Longe de ser um "petrolhead", o meu pai foi decisivo para a minha paixão pelos automóveis e por isso só lhe posso agradecer.

No primeiro «Dia do Pai» em que não desempenho apenas o papel de filho, quero aproveitar para agradecer ao meu pai por me ter feito apaixonar por automóveis sem sequer se ter apercebido.

Vendedor de profissão, o carro para ele não é uma paixão, mas uma ferramenta. Já conduzir, sim, é uma paixão, e foi graças a vê-lo a conduzir durante largas horas que me apaixonei por automóveis.

Longe de ser um petrolhead tradicional as qualidades que valoriza num carro não são a performance ou o comportamento dinâmico, mas antes a frugalidade dos consumos e a fiabilidade da máquina.

A NÃO PERDER: O motor da minha vida? O motor Diesel da Isuzu
Lada Niva
Hoje em dia «esgoto» a paciência do meu pai quando lhe peço ajuda na tentativa de devolver este Lada Niva à estrada. © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Sofia Teixeira / Razão Automóvel

Paciência de pai

Só quando comecei a falar pelos cotovelos sobre carros é que o meu pai começou a dar mais atenção ao mundo automóvel. Pacientemente, foi-me respondendo a todas as questões que lhe colocava, muito antes de sequer poder sentar-me ao volante de um carro. E assim, ia alimentando o meu sonho de conduzir…

Não lhe pedia para me ler livros de fantasia ou outra qualquer história quando era pequeno, mas sim para me contar as aventuras e desventuras que teve ao volante de carros como os saudosos Renault 4L, SEAT Ibiza, Volkswagen Polo ou, claro, os «eternos» Opel Corsa B que continuam a fazer parte da nossa família.

A minha paixão por automóveis foi crescendo e o meu pai fomentou-a, levando-me a todos os eventos do mundo automobilístico que houvesse à nossa volta, fosse a partida do Dakar ou os saudosos Salões Automóvel na FIL.

Já com a carta «na mão», em vez de me passar o carro para ir até ao café no fim da rua, o meu pai pôs-me à prova num «teste de fogo»: numa viagem ao Alentejo disse-me “agora levas tu o carro até casa”. Foram perto de 300 km nos quais aprendi mais do que em seis meses a tirar a carta de condução.

Desde então deu-me a confiança e acima de tudo a liberdade para usar o carro da família como se fosse só meu. Assim passei a viajar de norte a sul do pais só com uma condição: dizer-lhe quando chegava ao destino para que não ficasse preocupado.

dia do pai joao
Ser pai de um petrolhead «obriga» a alinhar nestas brincadeiras para concorrer a concursos das revistas de automóveis. © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Sofia Teixeira / Razão Automóvel

Agora, passados estes anos todos, a paixão por automóveis continua forte em mim e cresceu no meu pai, também por inerência de eu trabalhar num sítio onde todas as semanas levo um carro diferente para casa.

LEIAM TAMBÉM: Carta aberta ao meu primeiro carro

Hoje não sou eu que lhe coloco as questões, mas sim ele, pois os carros com que ando diariamente são bem mais sofisticados do que aqueles a que estava habituado. Graças a isso tem-se habituado a andar a bordo de carros elétricos, híbridos, SUV ou jipes. E curiosamente começou aos poucos a transformar-se num petrolhead tal como eu já sou.

Por isso, hoje, neste «Dia do Pai» resta-me só agradecer-lhe por me ter feito apaixonar por automóveis e por me ter passado o objetivo de transmitir à minha filha a mesma paixão.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi testado um McLaren de Fórmula 1 com o motor V12 da Lamborghini?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

McLaren e V12 Lamborghini. “McLambo”, o F1 com que Senna queria correr

Mais artigos em Crónicas