Mercedes-Benz EQS 450+ vs autoestrada. Quantos quilómetros fez?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 122 650 euros

Mercedes-Benz EQS 450+ vs autoestrada. Quantos quilómetros fez?

O Mercedes-Benz EQS 450+ é um dos poucos elétricos a entrar no grupo dos 700 km de autonomia, mas como será que se sai em autoestrada?

O EQS é o primeiro elétrico de luxo da Mercedes-Benz e deu que falar logo desde que foi apresentado, muito por culpa da sua autonomia, que na versão 450+ pode chegar aos 770 km (WLTP).

Na configuração testada, com jantes de 21”, a marca de Estugarda anuncia «apenas» 717 km, mas mesmo assim, o suficiente para aniquilar qualquer «ansiedade».

E talvez por isso, este 450+ seja mesmo o EQS mais interessante da gama. Não é tão potente quanto o EQS 580 4MATIC (385 kW/523 cv) e está ainda mais longe do AMG EQS 53 4MATIC+ (484 kW/658 cv), mas é, de todos, aquele que promete mais quilómetros entre carregamentos.

A NÃO PERDER: Para que serve aquela “portinhola” no Mercedes-Benz EQS?
Mercedes-Benz EQS 450+ traseira
A imagem exterior não é tão imponente quanto a de um Classe S. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por isso mesmo, para perceber o que vale, realmente, este trunfo do EQS 450+, levei-o para o «terreno» onde teoricamente os elétricos pior se dão, a autoestrada, e vi quantos quilómetros conseguia fazer com uma só carga. E sem fazer compromissos.

Para dar rapidamente início a esta viagem, não vos vou maçar com aspetos da imagem, do habitáculo ou até do MBUX Hyperscreen, que é o maior ecrã alguma vez instalado num automóvel.

Para isso, convido-vos a ler o primeiro contacto do Joaquim Oliveira a este EQS 450+ e a ver (ou rever) o ensaio em vídeo que o Diogo Teixeira fez ao EQS 580 4MATIC, na Suíça, onde mostrou, em detalhe, tudo sobre o exterior e o interior deste elétrico.

Alentejo, aqui vou eu

Como tantas outras sextas-feiras, ao final do dia, segui viagem rumo ao Alentejo, sempre por autoestrada, e tal como referi acima, sem compromissos feitos. Quer isto dizer que usei sempre ar condicionado e mantive o cruise control sempre nos 120 km/h.

LEIAM TAMBÉM: Taycan 4S Cross Turismo testado. Antes de ser elétrico, é um Porsche

A única preocupação que tive, mas que até é mais útil fora da autoestrada, foi colocar a regeneração no modo recuperação inteligente, que otimiza a recuperação da energia em função da situação, com o auxílio do Assistente ECO, e atua de forma preditiva, considerando as condições do trânsito ou a topografia.

Seguiram-se quase 230 km sempre a bom ritmo e alternando entre os modos Comfort e Eco, sendo que no primeiro, e acima dos 120 km/h, a altura da carroçaria desde 10 mm.

Não se ouve nada!

E aqui, além do elevado conforto — ainda que a suspensão pneumática tenha um pisar ligeiramente mais firme do que no Classe S (o peso das baterias assim o obriga), impressionou-me a insonorização.

É certo que o sistema multimédia e sonoro deste EQS pedem música ou podcasts, mas dei por mim a desfrutar muitas vezes do silêncio quase absoluto ao volante deste carro.

E nunca senti necessidade de ligar os sons artificiais que a Mercedes-Benz desenhou especialmente para serem ouvidos no habitáculo deste EQS (não se ouvem cá fora). Nem tão pouco dei por mim a suspirar pelo «ronco» de um V8. O silêncio a bordo deste EQS pareceu-me certo e adequado.

Porém, é claro que é sempre bom saber que temos 1,41 m de largura de ecrã à nossa disposição, sendo que dois deles (o central e o do passageiro) contam com tecnologia OLED. E curiosamente, apesar de todo o aparato de luz que temos à nossa frente, não se revelou cansativo à noite, até porque é possível escurecer o ecrã do ocupante do lado ao ponto de não conseguirmos ver o que lá está. Mas ele sim.

MB EQS 450
Quem viaja no banco do passageiro dianteiro não só tem um ecrã só para si como pode emparelhar uns fones (via Bluetooth) para ouvir a sua própria música. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

E continuando a falar do MBUX Hyperscreen, que é opcional, importa dizer que ele não apresenta muitas funcionalidades inéditas, quando comparado com outras propostas recentes da marca de Estugarda. Porém, a forma como toda a informação está organizada e nos é apresentada, chega para causar impacto.

Consumos moderados

Acompanhando a minha sensação de calma, os consumos do EQS 450+ em autoestrada foram-se sempre mantendo moderados, em torno dos 17 kWh/100 km, com picos aos 17,5 kWh/100 km — melhor que a maioria dos elétricos que temos testado, mesmo os mais compactos.

A NÃO PERDER: Mercedes-Benz EQE SUV. O rival do BMW iX já está a caminho

Estamos perante uma berlina com mais de 5,2 m de comprimento e com quase 2,5 toneladas. E estes números só valorizam ainda mais os consumos que este EQS é capaz de fazer, também (muito) ajudado pelo seu excelente coeficiente aerodinâmico de apenas 0,20, o mais baixo em qualquer automóvel à venda hoje.

Mercedes-Benz EQS 450+ mala
O volume de carga da bagageira está fixado nos 610 litros, mas pode crescer até aos 1770 litros com os bancos traseiros rebatidos. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Os 230 km passaram a voar e quando cheguei ao destino, tive uma sensação que sinceramente nunca tinha tido com um elétrico: não preciso desesperadamente de ir carregar. A viagem que tinha acabado de fazer praticamente não fez mossa na autonomia do EQS e ansiedade, nem vê-la.

No dia seguinte, entre almoço e jantar, fiz mais 50 km, sempre por estradas secundárias. E pelo meio, confesso que me esqueci durante uns instantes que estava numa espécie de «desafio de quilómetros» e puxei pelo lado mais dinâmico deste EQS 450+, que respondeu bem melhor do que eu esperava.

O disparo é imediato, mas não é surpreendente, ao contrário do comportamento em curva, que é muito mais divertido e envolvente do que é, por exemplo, no Classe S. Aqui, a suspensão mais firme é um bónus, e a direção, apesar de leve, é comunicativa.

A contagem final

No dia seguinte, a viagem de regresso a Lisboa, com mais 230 km em autoestrada, no mesmo registo que tinha feito à ida.

A NÃO PERDER: Nem Model S nem EQS. Lucid Air é o elétrico com mais autonomia

No total, tinha feito 460 km em autoestrada e mais cerca de 50 km por estradas secundárias. Faltava apenas levá-lo para as instalações da Mercedes-Benz no dia seguinte e somar os quilómetros que já tinha feito quando o fui «levantar».

Mercedes-Benz EQS 450+
A unidade testada contava com jantes AMG de 21”, não sendo a escolha ideal quando o principal objetivo é «trabalhar para os consumos». © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Contas feitas, entreguei o EQS 450+ com 552 km realizados, com o computador de bordo a dizer-me que ainda tinha cerca de 25 km de autonomia , o que hipoteticamente nos levaria para perto dos 580 km.

Contudo, o painel de bordo marcava uma média de consumos de 17,2 kWh/100 km, o que em teoria — tendo em conta a capacidade útil da bateria de 107,8 kWh — nos permitiria alcançar 626 km com apenas uma carga.

Mercedes-Benz EQS 450+ habitáculo
O mega-painel 100% digital requer alguma habituação, mas contribui para que a experiência ao volante deste EQS seja tão satisfatória. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Descubra o seu próximo carro:

É o carro certo para si?

Este não foi, nem de perto nem de longe, um teste de hypermiling. Foi, isso sim, um ensaio em condições reais, sem qualquer preocupação com consumos, e onde passei mais de 80% do tempo em autoestrada.

E por isso mesmo, os números alcançados são dignos de registo. Confesso que com outro tipo de cuidado teria sido fácil «arrancar» mais de 600 km com uma carga de bateria. Não tenho qualquer dúvida disso. E esse é mesmo o maior trunfo deste elétrico.

Mercedes EQS perfil
De série, todos os EQS contam com rodas traseiras direcionais com um raio de 4,5º, número que pode crescer até aos 10º de forma opcional. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Viajar com um automóvel com este nível de luxo e com este preço, não pode gerar qualquer tipo de ansiedade nem pode, nunca, ser uma limitação.

LEIAM TAMBÉM: Híbridos, elétricos e GPL em Portugal. Qual destas opções liderou as vendas em 2021?

Sei que os elétricos obrigam a planeamento e eu também o faço. Mas poder sentar-me neste elétrico, fazer tudo o que queria fazer naquele fim de semana, e nunca me ter preocupado com autonomias, com carregadores ocupados e com poder ou não usar o ar condicionado, soube muito bem. Mesmo.

Mercedes EQS © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por tudo isto, acredito que o EQS é um dos melhores automóveis elétricos do mercado. Preenche as «caixas» todas que procuramos num elétrico, desde o espaço ao conforto, passando pela potência, pela experiência de condução e pela autonomia.

A isso, ainda temos de juntar a elegância e o requinte a que a Mercedes-Benz nos tem vindo a habituar, bem como o leque de tecnologias à nossa disposição.

Assim, e a menos que façam mesmo questão de ter um modelo mais focado na performance e com tração às quatro rodas, acho mesmo que o 450+ é o Mercedes-Benz EQS a comprar.

Preço

unidade ensaiada

139.999

Versão base: €122.650

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: Um motor elétrico
    • Posição: Eixo traseiro
    • Carregamento: Bateria de iões de lítio. Capacidade útil: 107,8 kWh
    • Potência: 245 kW (333 cv)
    • Binário: 568 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Traseira
    • Caixa de velocidades: Caixa redutora de uma relação
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 5216 mm / 1926 mm / 1512 mm
    • Distância entre os eixos: 3210 mm
    • Bagageira: 610-1770 l
    • Jantes / Pneus: 255/45 R20
    • Peso: 2480 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 16,7 kWh/100 km; Autonomia: 717 km (com jantes de 21")
    • Vel. máxima: 210 km/h
    • Aceleração: 6,2s
  • Equipamento
    • Função de projeção para animações
    • Função projeção para linhas
    • Linha Exterior Standard
    • Jantes em liga leve (4) AMG multiraios de 19" (48,3cm)
    • Pack conforto acústico
    • Pack Espelhos
    • Protecção de peões
    • Apoios de cabeça dianteiros Comfort
    • Assento do condutor com regulação eléctrica e memória
    • Bancos dianteiros aquecidos
    • Bancos frontais ajustáveis eletricamente
    • Bancos traseiros rebatíveis
    • Consola central em piano lacado preto
    • Controlo climático pré-entrada
    • Linha Interior ELECTRIC ART
    • Pack USB Plus
    • Portão traseiro elétrico
    • Pack Advanced Plus
    • Adaptação da velocidade com base na rota
    • AIRMATIC
    • Apple CarPlay e Android Auto
    • Assistente activo de faixa de rodagem
    • Direção do Eixo Traseiro
    • Faróis com tecnologia digital
    • MBUX
    • Pack Display
    • Pack parking com câmara 360º
    • Pack Assistência à Condução
    • Versão ADVANCED PLUS
    • Cabo de carregamento para Wallbox e estações de carregamento público tipo 2 (modo 3) 5m
    • Carregador de bordo DC
    • Carregamento wireless para smartphone
Extras
Interior Leather Black / Space Grey — 1910 €; Acabamento em madeira de nogueira — 325 €; MBUX Hyperscreen — 7195 €; Linha exterior AMG — 4390 €; Jantes AMG de 21'' — 1178 €.
Avaliação
9 / 10
Acabei este ensaio a dizer que o Mercedes-Benz EQS é um dos melhores elétricos da atualidade e isso, só por si, justifica esta nota. Oferece tudo o que esperamos de um elétrico nesta faixa de preço: desde tecnologia ao conforto, passando pelo espaço, pelas performances e claro, pela qualidade da montagem e dos materiais. A isso ainda junta uma autonomia elevada que é, a meu ver, o maior trunfo deste EQS 450+, e uma velocidade de carregamento de 200 kW, para que seja possível subir a carga de 10% para 80% em apenas 31 minutos.
  • Autonomia
  • Conforto
  • Isolamento acústico
  • Design podia ser mais irreverente
  • Preço do Hyperscreen
Sabe responder a esta?
Qual a potência total do Mercedes-Benz EQB 350?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Mercedes-Benz EQB 350 testado. O único SUV elétrico do segmento com 7 lugares

Mais artigos em Testes, Ensaio